Compartilhar:

O Flamengo venceu o Sport ontem, mas não convenceu, nem de longe. A fraca partida diante do Leão para 26 mil torcedores na Ilha do Retiro mostrou que em tempos de pouco padrão tático e ineficiência técnica o que prevalece são os três pedidos da torcida nos cânticos: raça, amor e paixão.

Dorival tinha tudo para levar a culpa do empate ou de uma possível derrota para casa se não fosse pela entrega de alguns, não todos, os seus jogadores. Mesmo montando o time titular de forma questionável, com Léo Duarte improvisado, Réver e Geuvânio de titulares, o treinador acertou ao promover as entradas de Éverton Ribeiro e Berrío logo após a expulsão de Paquetá.

Em um primeiro tempo tenebroso nem quem tinha mais vontade conseguia alguma coisa. No segundo tempo, ainda sem mexer, o Flamengo foi dominado pelo Sport até a expulsão de Paquetá – a partida terminou com 58% de posse de bola adversária. Ironicamente o time funcionou mais com dez do que com onze.

Dentro de campo era nítido o incomodo de alguns, de novo, não todos, jogadores com o resultado e com a forma com que o time estava jogando. Coincidentemente ou não, os mesmos que estavam inconformados dentro já tinham dado indícios fora das quatro linhas de que não “compactuariam” com o discurso do restante do elenco.

Enquanto Réver saía de campo constantemente lamentando resultados e fazendo o papel de ‘bom vizinho’, ou para alguns de ‘bom líder’, Arão, lá em setembro, desabafava:

– Dizer o que? Dizer que não ganhamos de novo? Cansei de jogar bem no Flamengo e perder…

Enquanto antes do jogo contra o Botafogo Léo Duarte respondia em coletiva que aquele elenco mudara o patamar do clube por não estar brigando pelo rebaixamento, Cuéllar se mostrava irritado com o momento dias depois ao responder que:

– Para a grandeza do Flamengo, o balanço não é positivo. Temos que brigar pelo título […] o ano não é bom e temos que reconhecer. Pela qualidade do elenco, já devíamos ter ganhado algo.

Não por coincidência, ambos são os únicos expoentes técnicos e táticos dessa reta final do Flamengo. Com eles, César, Renê e ontem Éverton Ribeiro e Berrío salvaram a noite do treinador rubro-negro. Também não por coincidência, assim que o árbitro Raphael Claus apitou o fim do jogo, quatro deles aparecem transbordando felicidade diante da sofrida vitória, que fez com que o Flamengo retornasse a vice-liderança e continuasse na briga direta pelo título Brasileiro.

Da esquerda para a direita: no chão, Renê e Arão; em pé: Berrío e Éverton Ribeiro. (Foto: Reprodução)


 

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Gilvan de Souza/Flamengo

Apoie o MRN e ajude o nosso projeto a melhorar cada vez mais. Com R$ 10,00 por mês você participa dos nossos grupos de discussão no Whatsapp e Telegram. Seja assinante no Picpay: picpay.me/MRN_CRF ou apoiador no Apoia.se: apoia.se/mrn. Pensa em alguma outra forma de parceria? Entre em contato pelo 21 99419-6540.

Inscreva-se no canal no Youtube e acompanhe os programas MRN Live, o MRN Entrevista e muito mais! > bit.ly/canaltvmrn
 

LEIA TAMBÉM NO MRN

> Confira o retrospecto do Flamengo no dia do seu aniversário

> FlaBasquete inicia venda de ingressos para jogos em casa da Liga Sul-Americana

> Pará lateral-esquerdo? Relembre outras vezes em que ele atuou assim no Flamengo

> Com Diego ainda dúvida, Dorival tem só esta quarta para definir outra opção; Marlos é cogitado

> Dorival confirma Rômulo titular e Pará improvisado na esquerda; Diego ainda é dúvida

> Chiefs, NFL, Vencer: lições para nós

> Os desafios do próximo presidente e as respostas que terá que dar

> Quando o projeto é vencer acima de tudo: analisando o caso Smith-Mahomes do Chiefs

Em mais um W.O, Flamengo/Marinha avança às semifinais do Carioca Feminino

MRN Live Entrevista: José Rodrigo Sabino, ex-vice-presidente de marketing do Flamengo

> Dominante, Flamengo triunfa no Clássico dos Milhões do NBB

Compartilhar: