“Não serei candidato em 2018”, assim prontamente declara o ex-vice-presidente de Futebol do Flamengo Wallim Vasconcellos, ao ser questionado sobre os planos da oposição para a próxima eleição do Flamengo. Desafeto declarado de Eduardo Bandeira de Mello, o ex-diretor do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) é considerado um dos principais nomes da política rubro-negra atual.

Ex-vice-presidente das pastas de futebol e patrimônio, Wallim foi um dos fundadores da Chapa Azul, e só não foi o candidato por causa de problemas em seu tempo de associação. Em 2015, após alguns atritos, rompeu com o atual mandatário e lançou sua candidatura pela Chapa Verde, junto de outros nomes importantes do grupo azul “original”, mas acabou sendo derrotado.

Podemos fazer mais! Seja apoiador do MRN: bit.ly/ApoioMRN

Agora, em mais um ano político, as atenções se voltam para a situação e a oposição do Flamengo. Com a saída de Eduardo Bandeira de Mello, é cada vez mais possível uma nova união entre “verdes” e “azuis”. Em entrevista exclusiva ao canal TV Mundo Rubro Negro, Wallim Vasconcellos falou sobre o assunto e também tratou de outros temas importantes, como seu trabalho na pasta de futebol e o momento atual do clube. Confira abaixo.

O início da chapa azul

Começou pela indignação que tínhamos. O Bap tem uma frase muito boa para definir isso: “tudo na nossa vida dava certo, menos o Flamengo“. A gente se conhecia de fora do clube. Bap, Landim, Godin, Langoni, começaram a conversar, buscando uma mudança… e num certo momento eu também fui envolvido. Aí começou o grupo. Falamos “olha, vamos entrar lá, vamos chamar pessoas boas e que possuem credibilidade”, porque era o que o Flamengo mais precisava, credibilidade e gestão.

O convite

O convite chegou a mim, através do Landim. Ele estava em contato com o Godinho e o Bap com o Langoni. Em algum momento se encontraram. E eu já havia manifestado a vontade de entrar. Um dia Landim me ligou e falou “estamos aqui montando a chapa e você é o único que tem condição de ser o candidato a presidente. Você topa vir?”, e eu fui.

...

O veto da candidatura

O Maurício Gomes de Mattos (na época, presidente do Conselho de Administração) nos deu apenas 16 horas para anunciarmos novos candidatos para presidente e vice. Precisávamos estar com todas as certidões e documentações prontas. Previamente, tiramos todos estes documentos. Tínhamos o Areias e o Walter D’Agostino (para substituir). O dr.Walter não quis, o Areias também… e optamos pelo Bandeira.

Acordo com Bandeira

O acordo que tínhamos era que, apesar de ser um presidencialismo, um grupo ia gerir o clube. Tínhamos cerca de oito pessoas e a maioria vencia as discussões. Em qualquer pauta colocada em discussão, fazia-se uma votação e o que a maioria escolhesse estava decidido. Este foi o acordo, feito antes da eleição. Quando o Bandeira foi contactado para concorrer, fui até o BNDES para apresentá-lo ao Bap e perguntar se toparia ser o plano B. A única condição que colocamos foi este acordo e ele aceitou.

Eleição de 2012

Entramos na eleição de 2012 sem acreditar que venceríamos. Efetivamente o nosso plano era ganhar em 2015, a primeira era mais para conseguirmos experiência política dentro do clube. Mas, surpreendentemente, tivemos uma votação expressiva. Ganhamos a eleição, implementamos as mudanças, as pessoas acreditaram no projeto e deu certo. O que me surpreendeu foi o quão rápido tudo aconteceu. Esperávamos uns cinco anos para normalizar as coisas, mas em dois anos tudo estava resolvido: dívida equacionada, bons patrocínios alcançados, receita em crescimento etc. Foi uma satisfação pessoal para todos nós.

...

Quando a coisa começou a desandar

A partir do início de 2015 isso deixou de acontecer, quando três assuntos foram colocados para discussão, a maioria decidiu, mas o Bandeira fez o que achava que tinha que fazer. Ele foi em uma reunião na FERJ que não devia comparecer (no episódio em que bateu boca com Rubens Lopes), fechou um acordo com Maracanã sem falar com ninguém e levou uma cobrança de cota-extra dos sócios para o Conselho Deliberativo, onde perdemos.

Depois destas três coisas, o Bap foi embora e as decisões da diretoria começaram a não ser mais por maioria. As pessoas começaram a não ter mais voz. Aí, eu preferi ir embora, assim como os outros… Landim, Gustavo e, por último, o Tostes. Então, a cisão se deveu exatamente ao fato das decisões se concentrarem muito ao presidente, deixando os outros sem voz ativa. Não tem sentido dispor do seu tempo para ajudar o Flamengo se a sua participação não é ouvida, não é levada em consideração.

Episódio na FERJ

Nesta parte política, o Bandeira fez o que dava na telha dele. Na reunião em que ele foi insultado pelo presidente da federação foi um desgaste desnecessário para um presidente do Flamengo, não precisava daquilo. A nossa ideia era preservar o presidente, colocar uma pessoa que pudesse ter voz ativa na federação, o Michel Assef foi o escolhido para ir lá. Um pouco antes da reunião o Michel ligou para o Bap e falou “olha, o presidente resolveu ir”, e aí deu no que deu.

Compartilhe esta entrevista! Você nos ajuda a crescer e não custa nada!

Trabalho no futebol

Todas as conquistas foram boas. Copa do Brasil, Campeonato Carioca…aquele gol no último minuto (contra o Vasco) foi muito emocionante. Na Copa do Brasil teve os dois gols nos minutos finais. Para mim, que nunca havia sido dirigente de futebol, talvez tenha sido a função mais difícil que eu desempenhei na vida, porque você conta muito com o imponderável. Contratações vão dar certo ou não, e aquele era um momento complicado, começamos o ano muito mal.

A Copa do Brasil

Na conquista Copa do Brasil de 2013 foi uma emoção enorme. Antes de vir pro Flamengo, não esperava que eu pudesse um dia ser vice-presidente de futebol e ajudar na conquistar de um título. Era um elenco pouco qualificado, mas com vontade e compromisso. Os caras correram, dedicaram-se.

Teve um evento importante logo após a saída do Mano Menezes, tivemos uma conversa com o elenco no CT e ali vi que as coisas iam andar, porque os jogadores, pela primeira, declararam, falaram e se cobraram. E efetivamente aconteceu.

Libertadores de 2014

Não havia muita expectativa, mas pelo menos para passar da primeira fase nós tínhamos. Perdemos jogos bobos, em um o Amaral foi expulso, o outro o Samir escorregou, aqui no Maracanã deixamos o adversário empatar após estarmos vencendo por 3 a 1. Enfim, este é o futebol, achamos que algo dará certo e não dá.

Carlos Eduardo

Neste caso, foi uma indicação do Godinho. Ele falou “olha, tem um jogador ótimo, que está voando na Rússia, jogou na Alemanha…”. Na época, a gente tinha acabado de perder o Wellington Silva para o Fluminense, e o Carlos Eduardo estava sendo pretendido por eles, Internacional e Santos. E essa pessoa nos indicou… “não podemos perdê-lo pro Fluminense de jeito nenhum, um jogador muito bom, que vem para dar um impacto na torcida”, e foi escolhido o Carlos Eduardo. Infelizmente, não deu certo. Contratações podem dar certo ou errado. Por isso mesmo não quisemos comprar o passe dele, quando você tem alguma dúvida precisa pegar emprestado. O vínculo foi feito por 18 meses, não deu certo… e acabou o empréstimo.

Alto salário do meia

Erros acontecem, não tenho problema algum em admitir que foi um erro. Só que você nunca sabe. Trouxeram o Conca e ele jogou menos que o Carlos Eduardo. Foi uma aposta? Foi. E ele ganhava quanto? A mesma coisa. E quanto jogou? Três jogos, dois jogos e meio. Erraram ao apostar nele? Sei lá, a pessoa que contratou deve ter achado que o Conca ia ficar bom e destruir. Tem outros jogadores no atual elenco que ganham uma fortuna. Acho que os diretores executivos e vice-presidentes sempre querem acertar. Mas quando erram é melhor admitir do que ficar insistindo no erro, como aconteceu durante algum tempo com alguns jogadores que foram mantidos.

Escalação irregular do André Santos

No jogo contra o Cruzeiro, desci ao vestiário, como sempre fazia, para ver se estava tudo certo… e o Paulo Pelaipe (na época, diretor executivo) me informou que o departamento jurídico havia liberado o André para jogar. Segundo ele, por meio de um e-mail. Aí eu falei: “se eles liberaram, pode colocar para jogar”.

O vice-presidente Jurídico estava ocupado resolvendo um problema seu?

Não pedi ajuda ao vice-presidente jurídico, pedi ajuda ao Flávio Willeman, pessoa física. Nas duas noites anteriores (ao jogo contra o Cruzeiro) ele me ajudou em um problema pessoal. Acho que isso não atrapalhou em nada, porque tinha o gerente jurídico André Galdeano, e outras pessoas envolvidas, que poderiam simplesmente falar: “não estamos conseguindo falar com o Willeman, é melhor o André Santos não jogar”.

Se não fosse pela Portuguesa, acha que o Flamengo seria rebaixado?

Não posso provar, mas naquela situação o Flamengo não seria rebaixado. Usaram aquele episódio do André Santos para chegar em um desenho que era favorável para alguém… não sei quem. Mas, certamente, se a questão da escalação fizesse o Flamengo cair, aquela decisão não teria sido tomada pelo STJD. Não tenho dúvida disso. Há outras questões que não posso falar, mas que me contaram de clubes que estavam envolvidos na época… alguma coisa esquisita aconteceu. O André ajudou a resolver o problema que alguns tinham.

Saída de Elias

Ele não fechou conosco porque o clube português resolveu que queria cinco jogadores nossos (Samir, Luiz Antônio e mais três jogadores da base), depois que já estava tudo certo. Imagina se ele escolhe um Lincoln ou Vinicius Junior? Foi uma decisão não apenas minha, o Bandeira na época até mandou uma carta desistindo do negócio, também teve o Bap envolvido, o Willeman, o Tostes… todos fomos contra incluir cinco jogadores na negociação que já era pesada, 4 milhões de euros por 50% do passe do Elias. Tínhamos o dinheiro, eles não aceitaram. Depois levaram calote do Corinthians e do Atlético Mineiro. Se tivessem vendido para o Flamengo, certamente teriam recebido.

O pai do Elias atrapalhou na permanência do volante?

Com o pai do Elias não teve problema nenhum, com ele estava tudo certo. O único problema foi com o presidente do Sporting/POR. Tanto é que em maio de 2015 eu o apresentei ao Wrobel, que na época era vice-presidente de futebol e queria trazer o Elias.

Lucas Mugni

Na minha opinião, a contratação do Lucas Mugni foi a pior que eu fiz, pior que o Carlos Eduardo. Era um jogador que nós tínhamos muita esperança, mas que chegou aqui e não quis nada.

O desacordo de Mano Menezes

Foi um problema pessoal dele, não foi nada com o Flamengo. Ele disse que tinha uma questão com a Comunicação do clube, e isso teve sim. Havia um plano de comunicação e o Mano queria seguir o dele. Acabou ficando chateado. Além disso, ele falou que os jogadores iam para a noitada. Mas isso não chegou a mim e nem ao Pelaipe. Se soubéssemos que algum atleta estava indo para a noite, certamente o mesmo seria punido, ou teria alguma ação da diretoria. Mas o problema do Mano (que o levou a sair) eu fui saber um ano depois, já que ele não falou comigo. Foi uma questão pessoal e cabe a ele dizer se quiser.

O atual momento do Flamengo

O futebol está bem estregue para o Lomba, neste ano já vi algumas mudanças depois que ele entrou. Acredito que estamos melhor preparados para a Libertadores deste ano. Agora o assunto futebol é com ele, que é uma ótima pessoa. Torço para que dê certo, que ele tenha sucesso e consiga trazer títulos importantes e relevantes para o Flamengo.

Leia também: Planejamento, elenco e reforços: vice-presidente de futebol do Flamengo fala com exclusividade para o MRN

Departamento de futebol

Pedi ao Conselho Deliberativo a presença do Fred Luz para explicar como o futebol funciona, quem faz o quê, qual é a meta, como é a cobrança de cada um… e fiquei no limbo. Não apareceu, não constou na ata do Conselho e não posso fazer nada. A torcida e os sócios tem o direito de saber como funciona o futebol. O Lomba é a minha esperança lá, um cara com experiência de cargo de chefia, que sabe mandar, sabe cobrar. Espero que as coisas comecem a funcionar no futebol. Porque se continuar a confraria de amigos seguiremos decepcionados não apenas por não ganhar títulos, mas pelo discurso. Times muito piores do que este davam a alma pelo clube, mesmo com salários atrasados. É inadmissível que o Flamengo continue neste marasmo.

Ederson

Acho errada (a renovação). O Ederson é uma ótima pessoa, ótimo jogador, mas não deu certo, se machucou, teve um problema grave. Vou renovar com o cara por 6 meses? Esse dinheiro é do Flamengo, o clube não é uma instituição beneficente. Cede o CT, os profissionais, tudo. Mas não pode renovar.

Julio Cesar

O Julio Cesar veio por 3 meses, salário simbólico, é um líder, até concordo. É um ídolo, um cara que prestou grandes trabalhos para o Flamengo e quer encerrar a carreira aqui.

Carpegiani

Não sou a favor do Carpegiani, mas pelo menos ele montou um esquema. O time sabe como é que joga, sabe quais são as peças e isso me dá esperanças para que tenhamos um bom desempenho não só na Libertadores, mas também no Brasileiro e na Copa do Brasil. É isso que a gente espera. Que o Flamengo consiga politicamente se entender, porque aí fica mais forte e isso passa para dentro dos campos, das quadras e da lagoa.

Inscreva-se no canal da TV Mundo Rubro Negro

Landim será o candidato da Chapa Verde nas eleições de 2018?

Não há nenhuma definição que o Landim será candidato. Eu adoraria que fosse, talvez seja o mais competente, equilibrado… Pode ser o candidato? Pode. Mas não há nada decidido.

Relação com o SóFLA

Não temos nenhum problema com a maioria das pessoas que estão no SóFLA (grupo político). Lá tem dois ou três que tiveram atitudes não muito corretas nas eleições de 2015, mas não é impeditivo para qualquer tipo de diálogo que venha a ter entre ambas as partes.

Abandonou o barco?

O combinado que eu tinha com o Bandeira, depois que houve a separação, era que haveria uma campanha de alto nível entre as chapas concorrentes. Mas aí começaram com esta história de vazar áudio, de falar que eu abandonei o time em último lugar. O que não era verdade. Já era para eu ter saído no final do ano, o presidente pediu para eu ficar até a Copa. Então, o que ele falou que tinha afundado o barco e saído foi uma indelicadeza.

Desejo pelo fim da reeleição

Somos muito favoráveis que só haja um mandato de três anos, sem reeleição. Para que tenhamos um cara que possa realmente se dedicar neste período e depois passar o bastão para o outro. É como eu falava na época em que estávamos montando nosso grupo, em 2012, a ideia era fazer um verdadeiro revezamento. Três anos um presidente, depois outro e assim por diante, para que cada um pudesse dar o máximo de esforço ao Flamengo. Se você ficar seis anos, o desgaste é muito grande.

Nova união entre verdes e azuis?

O cara quer o poder ou o melhor para o Flamengo? Se tiver um candidato melhor, por que não juntar todo mundo numa mesma candidatura? Ter um grupo mais robusto, uma grande maioria, trabalhar pelo clube. É só o poder? Tudo bem, querer mandar aqui e ali… isso é de cada um. Mas abro mão do poder se o Flamengo estiver bem, ganhando, tendo um estádio…

Eu vivia muito bem até 2012, indo ao Maracanã para torcer. Mas a situação estava péssima, nós só viemos para cá para ajudar, e efetivamente conseguimos resolver. Mas, por que não voltar novamente ao status de 2012? Vamos torcer, ajudar como puder. Um dia o cara é presidente, no outro é vice-presidente, trabalha no Conselho Deliberativo, Administração, Assembléia Geral ou simplesmente torcedor. Este é o nosso objetivo, ninguém está aqui querendo nada além de ajudar o Flamengo, até porque ainda há muito o que melhorar.

Próximos desafios

O próximo passo precisa ser o nosso estádio. Precisamos definir, seja um estádio novo ou o próprio Maracanã. Até o primeiro semestre de 2019 isto precisa estar na mesa, decidido. É o pulo que o Flamengo precisa dar para poder efetivamente consolidar sua hegemonia no futebol brasileiro. Após isso precisa se consolidar no futebol sul-americano, muito rápido. Estamos perdendo muito tempo patinando em Campeonato Carioca. Vamos partir neste ano para o Campeonato Brasileiro e ter uma boa participação na Libertadores, se não vier com o título, que esteja lá disputando. Precisamos da hegemonia na América do Sul. Se queremos ser grandes, precisamos ser o maior em termos desportivos no futebol.

Os esportes olímpicos não podem ser deixados de fora. O que aconteceu no basquete, precisamos fazer também no vôlei, no remo, na ginástica olímpica… o Flamengo não é um clube só de futebol. Precisamos investir nisso tudo e só conseguiremos com gente que tenha competência e credibilidade. Essas duas coisas que em 2013 ajudaram o Flamengo a se recuperar no mercado.

Sem vaidade

A base já está pronta. Temos CT, dinheiro, credibilidade, tudo. Só falta crescer. Com a união dos grupos, sem vaidade, tem espaço para todo mundo. Tem muita gente boa, dentro e fora do Flamengo, que pode estar trabalhando aqui para que o clube chegue em outro patamar. É isso que esperamos. Do nosso lado, zero vaidade. Queremos o Flamengo campeão de tudo.

Ainda tem muita coisa para fazer, andamos pouco. Toda a parte de internacionalização da marca, o próprio futebol, que falta planejamento. Acho que o Lomba aos poucos está dando uns ajustes no departamento, espero que ele consiga fazer o que pretende, mas o futebol precisa melhor, a marca do Flamengo precisa crescer.

Incapacidade da atual gestão em admitir erros

Se você está fazendo uma coisa e está dando errado, você precisa mudar, caso contrário o resultado será o mesmo e continuará dando errado. Contratei o Ney Franco e deu errado? Demiti. Está fazendo uma coisa errada no futebol? Muda, troca. O ruim é quando você faz errado e não muda.

Não querem admitir que estão fazendo errado e vão continuar fazendo, achando que um dia dará certo. Este é o discurso do Bandeira, que foi durante mais de 30 anos funcionário público de quarto escalão do BNDES. Não vai decidir nunca, não vai admitir nunca. O Godinho mostrou, todos os vice-presidentes mandando o Bandeira demitir o Cristóvão e ele não demitia, foi uma pressão incrível para demitir. O Zé Ricardo saiu porque não aguentou a pressão da torcida, a mesma coisa com os protegidos etc. O presidente não sabe decidir e vira amigo das pessoas.

Você pode ser meu amigo, mas se for meu funcionário e não estiver trabalhando, eu vou falar que não está entregando o que eu quero. Continuamos amigos, mas você vai embora. O Jayme ficou chateado comigo porque eu o demiti… reclamou, xingou. Mas não estava funcionando. Demiti o Pelaipe, e ele continua meu amigo. Você precisa fazer aquilo que é o melhor para o Flamengo, não porque o cara é seu amigo ou você acha que vai dar certo. Se for bom para o Flamengo demitir o Fred Luz, demita; se for bom demitir o Rodrigo Caetano, demita. O interesse do Flamengo precisa vir em primeiro lugar, não o interesse das pessoas e dos amigos. A mentalidade precisa mudar. No dia que mudar, vai melhorar.

Experiência na política do Flamengo

Acho que tenho muito a aprender. Tenho tido bastante convivência com muitas pessoas da antiga política do Flamengo, que ainda estão aqui (na Gávea) e deram sua contribuição para o Fla ser o que é hoje, e pessoas também da nova leva dos “políticos” do clube.

É sempre um aprendizado, a gente nunca sabe tudo sobre o Flamengo. Está sendo uma experiência muito rica. Todo mundo que quer vir para ajudar precisa estar junto das pessoas e participar tanto votando nas eleições, quanto nos conselhos. É isso que se espera dos rubro-negro que queiram participar das mudanças.
 

Veja entrevista completa na TV Mundo Rubro Negro


 

MRN LIVE #18 – COMENTANDO A ENTREVISTA DE WALLIM VASCONCELLOS

 


Entrevista concedida a Diogo Almeida para a TV Mundo Rubro Negro – Siga-o no Twitter: @DidaZico.
Matéria no site por Wanderson Emerick – Siga-o no Twitter: @WanEmerick
Edição e pós-produção de vídeo: Carlos Gusmão – Siga-o no Twitter: @crgusmao
Imagens utilizadas no post e redes sociais: Flamengo/ Divulgação
 


Olá, grande rubro-negro! Quer entrar para o nosso grupo exclusivo de Whatsapp, participar de sorteios de livros incríveis sobre o Flamengo, ter acesso a matérias antes de todo mundo, virar blogueiro do Mundo Rubro Negro e ainda contribuir para o crescimento do projeto com o melhor conteúdo sobre Flamengo da internet? Entre para a nossa comunidade de apoiadores! Saiba mais clicando aqui.


 
VEJA TAMBÉM A NOSSA ENTREVISTA COM O VP DE FINANÇAS DO FLAMENGO