Compartilhar:

A qualidade rubro-negra não foi suficiente para resolver. Foi necessário um milagre do Mister.

Por Tiago Cordeiro – Twitter: @cronistaesporte

Foi um clássico disputado, aguerrido e emocionante pela forma como foi definido. No fim, a qualidade rubro-negra e empenho alvinegro não foram suficientes para resolver. Foi necessário um milagre do Mister.

Acesse agora useartillero.com e concorra a uma camisa irada na promoção de lançamento do site!

Lincoln teve uma contusão muscular séria contra o Botafogo no primeiro turno. Após uma recuperação extremamente longa, ficou no banco em algumas partidas mas não vinha sendo utilizado. Alguém achou uma boa a entrada dele no lugar de Vitinho? Justamente contra a Estrela Solitária novamente?

Apenas Jorge Jesus. Ele enxergou a necessidade de resolver o jogo taticamente. Afinal, o Botafogo marcava implacavelmente Bruno Henrique e Gabigol, que costumam pegar a bola de frente. O treinador colocou um atacante leve, mas acostumado a entrar entre os zagueiros, em projeção. E foi exatamente assim que Lincoln surgiu no meio da zaga aproveitando o cruzamento de Bruno Henrique, que passa a ser o principal garçom do Brasileiro.

Em um só lance, o Mister consolidou a fase do atacante e ainda recuperou outro que muitos – incluindo este cronista – já davam como perdido.

Chame de milagre ou genialidade. Só não diga que foi acaso.

Tiago Cordeiro escreve no blog Cronista Esportiva e no Popoca.

Não deixe de ler também

O MRN depende do apoio de leitores como você para continuar fazendo uma cobertura criativa, propositiva e ética do Clube de Regatas do Flamengo. ➡ Junte-se a nós

Compartilhar: