Começo do Campeonato Brasileiro virou certeza de problemas com a arbitragem nos jogos do Flamengo. Veja quando e como o Fla foi prejudicado

 

Um dia, nos idos dos anos 1990, o capitão e maior estrela do Flamengo, cansado de ver a equipe ser prejudicada por arbitragens parciais, foi aos jornais e disparou: “precisamos da ajuda da d iretoria. Não adianta nos matarmos dentro do campo se fora dele não temos o respaldo necessário.”

Saudações flamengas a todos,

A “desastrosa” arbitragem de Leandro Vuaden no domingo passado, em que ignorou um pênalti claro no rubro-negro Marlos Moreno e assinalou, sem pestanejar, penalidade muito menos evidente (para não dizer clamorosamente inexistente) para os da casa na segunda etapa, subtraindo do Flamengo importantes pontos para a sequência da competição, o que “coincidentemente” evitou que o rubro-negro se distanciasse na primeira colocação. Somando-se esse fato ao ocorrido na primeira rodada, em que o Flamengo se viu às voltas com uma inacreditável marcação de uma penalidade máxima contra si quando vencia o confronto diante do Vitória, tem-se a incidência de duas interferências diretas da arbitragem na pontuação da equipe num arco de apenas cinco rodadas.

No entanto, apesar de nada sutil, esse fenômeno está longe de ser raro. Algumas vezes mais intenso, outras mais discreto, esse intrigante padrão de repetição de eventos tem acontecido com inquietante regularidade nas últimas temporadas. Começo do campeonato virou certeza de problemas para o Flamengo. E é isso o que se demonstra nas linhas que se seguem.

CAMPEONATO BRASILEIRO 2014

 

CORINTHIANS 2-0 FLAMENGO
RODADA 02
Local: Pacaembu-SP
Árbitro: Leandro Vuaden-RS

Adversário vence por 1-0, mas a partida é equilibrada e o Flamengo pressiona. Num ataque rubro-negro aos 42 da primeira etapa, Paulinho perde a bola para o volante Petros. Na sequência, Leonardo Moura comete falta no corintiano. O árbitro Leandro Vuaden, ao invés de aplicar o cartão amarelo, que seria o normal pela intensidade da falta, expulsa o lateral rubro-negro diretamente. A expulsão de Leonardo Moura arrefece a equipe e é decisiva para a construção do placar final.
 

FLAMENGO 1-1 BAHIA
RODADA 06
Local: Moacyr Andrade, Macaé-RJ
Árbitro: Gilberto Rodrigues Castro-PE

O Flamengo vai vencendo por 1-0 (gol de Paulinho), quando o zagueiro Titi puxa o atacante Alecsandro dentro da área. Pênalti claro não marcado. No final da partida, o Bahia empata na cobrança de uma falta inexistente na entrada da área, num lance em que um baiano empurrou jogadores que formavam a barreira.
 
 
 

CAMPEONATO BRASILEIRO 2015

 

FLAMENGO 2-2 SPORT
RODADA 02
Local: Maracanã-RJ
Árbitro: Dewson Fernando Freitas-PA

No início da partida, o atacante Joélinton, do Sport, atira-se dentro da área em flagrante simulação, mas o árbitro assinala pênalti. No final da segunda etapa, com o adversário vencendo por 2-1, o goleiro Magrão se contunde e o jogo é paralisado por cerca de dez minutos. O meia Diego Souza vai para o gol da equipe visitante, que já queimou as três alterações. O Flamengo chega ao empate com Gabriel e pressiona pela virada. Mas o árbitro encerra a partida praticamente sem dar acréscimos ao tempo em que a partida ficou parada, não sem antes assinalar um impedimento inexistente de Gabriel, que entrava sozinho com a bola na área pernambucana.
 

AVAÍ 2-1 FLAMENGO
RODADA 03
Local: Ressacada, Florianópolis-SC
Árbitro: Raphael Claus-SP

Avaí e Flamengo vão empatando em 1-1, em partida de baixo nível técnico. Na segunda etapa, o time da casa ataca pelo lado direito, numa bola que, após corte do zagueiro Wallace, sai pela linha de fundo. Mas, assim mesmo, o Avaí dá sequência ao lance, que termina nas redes de Paulo Victor. A clamorosa saída de bola é ignorada pelo auxiliar e pelo árbitro, que confirmam o gol que dá a vitória ao Avaí e sela a demissão de Vanderlei Luxemburgo.
 

FLAMENGO 2-3 FLUMINENSE
RODADA 04
Local: Maracanã-RJ
Árbitro: Sandro Meira Ricci-DF

Seis minutos da primeira etapa. Fluminense no ataque, a bola é alçada na área e o atacante Vinícius desaba no chão, sem sequer ser tocado pelo lateral Pará, que acompanhava a jogada. Mas o árbitro Sandro Meira Ricci assinala o pênalti que faz o tricolor abrir a contagem, proporcionando uma vantagem que será mantida até o final.
 

CRUZEIRO 1-0 FLAMENGO
RODADA 05
Local: Mineirão, Belo Horizonte-MG
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira-SP

Início da segunda etapa, Cruzeiro e Flamengo vão empatando em 0-0. Alecsandro avança pela direita e cruza rasteiro. O lateral Pará, do Cruzeiro, dá um carrinho e corta com o braço. Pênalti claro ignorado pela arbitragem. No final da partida, os mineiros chegam à vitória.
 

CAMPEONATO BRASILEIRO 2016

 

FLAMENGO 2-2 CHAPECOENSE
RODADA 03
Local: Raulino de Oliveira, Volta Redonda-RJ
Árbitro: Diogo Almeida Real-RS

O Flamengo abre o placar com Felipe Vizeu, aos 7 minutos de jogo. Três minutos depois, o árbitro assinala um pênalti inexistente para a equipe visitante, num lance em que o zagueiro Juan sequer atinge o adversário. Na segunda etapa, com o jogo ainda empatado, o árbitro expulsa o meia Everton, sem amarelo, após uma falta normal em um catarinense. A expulsão desmonta o Flamengo, que sofre a virada. No final da partida, o árbitro “compensa” para os da casa assinalando, agora para o Flamengo, mais um pênalti inexistente, mas o prejuízo já havia sido instalado.
 

PONTE PRETA 1-2 FLAMENGO
RODADA 04
Local: Moisés Lucarelli, Campinas-SP
Árbitro: Anderson Daronco-RS

O lateral-esquerdo Reinaldo cruza para a área. Dois jogadores da Ponte Preta vão na bola. Um deles, Fábio Ferreira, está impedido. O outro, Wellington Paulista, cabeceia e marca o gol. O auxiliar invalida o lance, mas o árbitro confirma o tento, apesar dos protestos dos rubro-negros. Poucos minutos mais tarde, ironicamente o Flamengo chega ao empate em lance muito parecido, com Alan Patrick alçando uma bola na área, que é desviada por um zagueiro antes que o volante William Arão, impedido, chegue no lance. Daronco faz menção de anular o lance, mas volta atrás. Na segunda etapa, após uma falta normal, o atacante Fernandinho recebe o segundo cartão amarelo e é expulso. Mas, mesmo com um a menos, o Flamengo consegue segurar a vitória.
 

CAMPEONATO BRASILEIRO 2017

FLAMENGO 1-1 ATLÉTICO-MG
RODADA 01
Local: Maracanã-RJ
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas-BA

Flamengo e Atlético-MG fazem o chamado “jogo de seis pontos” já na primeira rodada do Brasileiro 2017. Partida movimentada, com várias chances de gol para os dois lados, em que o destaque negativo é a arbitragem de Jaílson Freitas, que amarra o jogo com marcação desnecessária e excessiva de faltinhas, muitas delas invertidas, em sua maioria em favor da equipe mineira, o que se intensifica depois do empate mineiro. Em um desses lances, Pará é empurrado dentro da área, numa falta ignorada pelo árbitro. O lance quase resulta em gol, mas Rafael Vaz salva em cima da linha o arremate de Cazares. Jailson ainda cruzará o caminho do Flamengo algumas rodadas adiante, ao ignorar uma falta no lance que originará um dos gols do Palmeiras no 2-2 com o rubro-negro na Ilha do Governador.
 

* * *

“Os árbitros são humanos e estão sujeitos a erros. Temos que entender esse lado, ajudá-los”.
(REVER, Flamengo)
 

Imagem destacada no post e redes sociais: Gilvan de Souza / Flamengo

Quer ser apoiador do Mundo Rubro Negro? CLIQUE AQUI!
 

Adriano Melo escreve seus Alfarrábios todas as quartas-feiras aqui no MRN e também no Buteco do Flamengo. Siga-o no Twitter: @Adrianomelo72


 

LEIA MAIS NO MRN

> Árbitro peruano apita jogo decisivo da Libertadores
> Brasileiro Feminino: Flamengo/Marinha enfrenta Foz Cataratas no Paraná
> Injustiça da Justiça
> Preços altos podem afastar curva de crescimento do Fla no Maracanã contra Emelec; torcida vive melhor fase após reformas da Copa
> Chapecoense 3 x 2 Flamengo: ainda que se entendam os porquês
> Fla TV mantém bom crescimento, mas é ultrapassada pelo canal do Liverpool
> A maravilhosa experiência de um domingo qualquer
> O Flamengo e o viés de confirmação
> Pagando para ver…

 

LEIA MAIS NO BLOG ALFARRÁBIOS DO MELO

Perfil, contexto e resultado: Os doze – Parte 2

De anjinhos e diabinhos

A corrida de canoas e como planejar passa também pelo óbvio

“Prazer, eu sou o 9”: Dez centroavantes que marcaram com a camisa do Fla

A candura e o protecionismo contra a máxima exigência

Pipocam vozes e ganidos estridentes

Precisamos falar sobre estes números, Flamengo

Bom rendimento duradouro e previsível

Júnior passa por cima dos protegidos do presidente e promove o Anjo Loiro da Gávea

A profunda entrevista do filósofo do futebol Fred Luz

O que os homens do futebol do Flamengo já disseram…

Treze questionamentos para a diretoria do Flamengo responder

Marcelo Rezende e a sua genial crônica sobre o Flamengo x Atlético-MG de 1980

A fábrica que o meu pai trabalhou por anos pode virar o estádio do Flamengo

O goleiro do Flamengo precisa ter os nervos de aço

O último gringo

A folha em branco

Os sinais

O Flamengo nasceu do Fluminense? Saiba a resposta neste papo entre pai e filho

O problema não é jogador

Time dos sonhos. Elenco dos sonhos?

O destino dos heróis do Mundial de 1981

Quando todos avisaram para Caio Jr. que com Jaílton não ia dar certo

A grande roda do Flamengo a girar na mesma direção

Não fale espanhol: a tentativa de tapetão do Atlético-MG e um pouco mais de 1981