Compartilhar:

Veja as notas e análises das atuações do Flamengo contra o reativo Bahia, pela 32ª rodada do Brasileirão

A verdade é que não tem como não empolgar. A contagem regressiva para o título do Campeonato Brasileiro é uma realidade. O foco do time quando está em apuros e precisa buscar a vitória deixa a Nação Rubro-Negra sonhar sem medo de ser feliz.

Dessa vez, pela 32ª rodada, o time foi comandando pelo auxiliar técnico João de Deus – o Mister cumpria suspensão – e encarou o último adversário a vencê-lo na competição, o Bahia.

Acesse agora useartillero.com e concorra a uma camisa irada na promoção de lançamento do site!

Depois de sair perdendo, em uma jogada de contra-ataque, onde tudo deu errado até culminar no gol contra de Willian Arão, o time fez um segundo tempo perfeito e venceu pelo placar de 3×1.

Confira as notas das atuações desse Botafogo 0 x 1 Flamengo, feitas pelos membros do grupo de Whatsapp do MRN Pensar Flamengo.


Notas dos jogadores e técnico

Diego Alves: Fez uma bela defesa no lance do gol adversário, e não teve culpa no gol, fora isso não sofreu ameaças. Segundo tempo assistiu de lugar privilegiado os três gols do Mengão e a diferença pro vice que só aumenta. Nota: 8,0.

Por Caroline Menezes – Twitter @kaka_menezes07

Rodinei: Um primeiro tempo muito ruim, deu muito espaço na defesa, falhando no gol inclusive, e no ataque foi pouco efetivo. Melhorou muito no segundo tempo, acertando a marcação. No ataque, passou a subir somente na boa, melhorando a sua atuação. É um jogador que a torcida não tem mais paciência e deve sair em 2020. Nota: 5,0.

Por Marcio Marcondes – Twitter: @mjmarcondes

Rodrigo Caio: Seguro e eficiente como de costume. O gol foi uma infelicidade generalizada. No restante das situações e investidas, levou a melhor em 90%. Nota: 8,0.

Por Ricardo Bitencourt – Instagram: @drbitenco

Pablo Marí: Uma falta de sorte do tamanho de sua categoria, quando ao dar um carrinho certeiro a bola rebateu e armou o contra-ataque do gol do Bahia. De resto, teve uma atuação na sua média: muito boa, com a costumeira calma na hora de dar o combate e muita sobriedade ao sair jogando. Nota: 7,5.

Por Edson Lira – Twitter: @edsonjslira

Filipe Luís: Muito tático, porém, teve dificuldade na marcação pelo seu lado, mas excelente opção na saída de jogo. Nota: 6,0.

Por Verônica Coutinho – Twitter: @Vevecoutinho

Arão: Deu azar (junto com toda a defesa) no lance do gol do Bahia. No restante, fazia uma partida discreta até acertar a trave em uma bela cobrança de falta que acabou no gol de Gabriel. Nota: 7,5.

Por Miguel Peters – Twitter: @miguelpeters

Gerson: Partida abaixo da média para o que costuma apresentar o Coringa rubro-negro. Pouco criativo quando lançado à frente e mal na marcação nos contra ataques do time baiano. Nem todo dia é dia santo, nem mesmo para os craques. Faz parte. Segue o Vapo. Nota: 5,0.

Entrou Piris da Motta: Fez o que se espera dele, marcou muito e incomodou os homens de meio do Bahia nas puxadas de contra ataque. Depois da sua entrada e com o meio campo mais povoado o adversário viu reduzir as oportunidades nos contra golpes. Nota: 7,0.

Por Marcelo Franco – Twitter: @FrancoMarcelo_

Everton Ribeiro: Mais uma boa partida de Everton Ribeiro. Virou rotina. Ele dribla, passa, chuta, rouba a bola, entra em dividida, começa jogada de gol. É um ponto de equilíbrio do Flamengo e puxa o nível para cima. É impossível o time jogar mal se ele estiver bem. Nota: 8,5.

Por Miguel Peters – Twitter: @miguelpeters

Vitinho: Estava fazendo uma partida regular, tentando quebrar as linhas através de sua individualidade. Por opção do técnico, foi substituído no intervalo. Nota: 5,5.

Entrou Reinier: Muito bem no jogo. Decisivo para a virada do Flamengo. Se coloca muito bem na área e joga com bastante inteligência sempre dando opção aos companheiros. Nota: 8,0.

Por Ivo Junior – Twitter: @ivofsjr

Bruno Henrique: Achei que o chakra do nosso BH tinha acabado depois do jogo contra o Botafogo, mas percebi que estava enganada. Após os primeiros minutos, BH se mostrou com muita força de vontade e buscando sempre jogadas, mas que nunca eram finalizadas. Depois de muito clamor, com um cruzamento (maravilhoso) do Filipe Luís, Gabigol deixa BH mole pra fazer o segundo gol e virar o placar do jogo. Se fosse outro talvez não fizesse. Nota: 8,0.

Entrou Diego: Após a lesão, não tem tido tantas chances como antes. Talvez por isso, assim que entra, mesmo que nos últimos minutos, tenta a todo custa mostrar para o que veio, mas infelizmente não deu muito resultado. Nota: 6,5.

Millena Dourado -Twitter @millefalcon

Gabriel Barbosa: Na vida eu só tenho uma certeza: sempre tem gol do Gabigol. Para qualquer um, a camisa vale tanto quanto uma gravata. Não para o Flamengo. Para o Flamengo, a camisa é tudo. Já tem acontecido várias vezes o seguinte: – quando o time não dá nada, a camisa é içada, desfraldada, por invisíveis mãos.

Que noite do artilheiro. Partida perfeita taticamente, mudou de posição várias vezes no jogo. Caiu pela esquerda, pela direita, por dentro, veio ao meio armar as jogadas e tecnicamente muita acima da média. Hoje foi o garçom, duas lindas assistências. E para fechar com chave de ouro deixou o seu. Que noite espetacular, noite essa, que iguala ao Deus, em número de gols no campeonato brasileiro. Nota: 10,0.

Por Sérgio Ribeiro Twitter: @sergioribeiro04

João de Deus: Desde os primórdios existe o bem e o mal, foi com Eva e Adão ao serem expulsos do Jardim do Éden por comer uma maçã oferecida pela cobra, e essa briga ocorre de maneira repentina durante os dias, meses e anos. Esse ano temos o mal muito bem representado pela CBF, comentaristas e a máfia paulista. Entretanto, eles não contavam com a chegada dos salvadores e a união de Deus com Jesus para defender o time do povo contra as armações do mal. E no fim a história se repetirá, o bem vencerá, e as taças nós vamos carregar.

No jogo, orientado por Jesus lá de cima e Deus no campo, o time fez uma boa partida contra um adversário difícil e bem montado. O esquema tático do time foi alterado com a saída de Vitinho – que não fazia mal partida -, e a entrada do abençoado menino Reinier para fazer o papel de falso 9, abrindo Gabriel e Bruno Henrique. Com isso, o time confundiu o Bahia, foi pra cima e fez um, dois e três, não parou… Merecemos a vitória. Nota: 10,0.

Por Willian Sian Herzog – Twitter: @willian_sian

Não deixe de ler também

O MRN depende do apoio de leitores como você para continuar fazendo uma cobertura criativa, propositiva e ética do Clube de Regatas do Flamengo. ➡ Junte-se a nós

Compartilhar: