Na véspera do jogo contra o Atlético-MG, Ricardo Marques “Pavão” Ribeiro prejudica Flamengo

Na véspera do jogo contra o Atlético-MG, Ricardo Marques “Pavão” Ribeiro prejudica Flamengo

Conhecido como Pavão por querer sempre aparecer mais do que os jogadores, Ricardo Marques Ribeiro consegue novamente virar protagonista e prejudicar o Flamengo

 
O árbitro Ricardo Marques Ribeiro, escalado para apitar o Flamengo x Vasco deste sábado (19 de abril), válido pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, é mineiro de Belo Horizonte. Como o próximo jogo do Flamengo é contra o alvinegro mineiro, a escolha de um juiz de Minas Gerais deveria ser evitada.

O Clássico dos Milhões terminou empatado em 1×1, no entanto, o homem do apito escalado pela Comissão de Arbitragem chamou (mais uma vez) a nossa atenção, mais do que propriamente o jogo no Maracanã, que recebeu um público pagante de 35.208 torcedores, maioria absoluta de rubro-negros.

Nas Alterosas, torcedores do Atlético-MG dizem que Marques Ribeiro torce para o Cruzeiro. Já os cruzeirenses afirmam que ele é atleticano, e muito. Uma coisa as torcidas dos dois clubes da capital concordam: em chamá-lo pelo mesmo apelido: Pavão.

Entre os jogadores do país há até um certo constrangimento com a dramaticidade do gestual durante as partidas, postura que pode ser observada em toda sua plenitude justamente na contenda deste sábado chuvoso, o Pavão agiu da mesma forma: sem demonstrar quais os critérios adota para a marcação de faltas e aplicação de cartões, irritou os jogadores com suas ameaças exageradas e conversas histriônicas. Após 90 minutos de tudo isso, o grand finale veio com o empurrão de Riascos em Éverton Ribeiro, nos acréscimos da etapa final.

Momento para Ricardo Marques dar o seu show para as câmeras de televisão. O lance é simples: Riascos fez falta antidesportiva que pode ser considerada agressão. Qualquer juiz bem-intencionado estaria próximo do lance, apitaria em cima e expulsaria o infrator, evitando que os nervos descontrolados dos minutos finais gerassem uma briga generalizada.

Foi o oposto da cartilha o que fez Ricardo Marques “Pavão” Ribeiro. De longe, demorou a chegar no lance, aplicou apenas um amarelo para intensificar a confusão e convergir para outros pequenos entreveros. Depois de apartados os ânimos, o Pavão convoca seus auxiliares como uma desculpa de que nada viu, e passa minutos confabulando como se estivesse em um tribunal. É o momento em que sabe que se torna o dono do espetáculo, o senhor da mídia ao vivo e com todo o esplendor de sua cauda a reluzir via pay per view, o centro dos comentários das transmissões das cabines de rádio e televisão.

O resumo da ópera precisa ser dramático. Quatro expulsões e um Flamengo bastante desfigurado para enfrentar o novo líder do campeonato, que, acaso da ocasião, é justamente um time da sua cidade, a querida Beagá. Tudo bem, dizem os atleticanos, ele é cruzeirense.

Súmula descreve expulsões no clássico


 

Histórico de confusões em jogos do Flamengo

Antes do jogo, assim que fo confirmado o apito de Ricardo Marques Ribeiro no clássico carioca, José Peralta, do blog CRFlameguismo, deste mesmo MRN, compartilhou suas notas sobre o árbitro comigo. Baseando-nos nelas, a ideia era fazer uma matéria mostrando o quanto tal profissional prejudica o Flamengo ao longo dos anos. Infelizmente não houve tempo hábil durante a semana. A ironia é que nos preparamos para o pior, o pós-jogo polêmico. E cá estamos.

Então vamos ao que realmente interessa. E pedimos para que os leitores que lembram de outros jogos que o Fla foi roubado pela arbitragem do mineiro, não esqueça de comentar. Nossa ideia é começar um banco de dados de vários apitadores aqui neste espaço.

No jogo da ida das oitavas de final daquela Copa do Brasil, o Flamengo perdeu por 1×0 com gol de Jorge Henrique em jogada de Riascos que foi acionado completamente impedido. O jogo foi marcado por – adivinhem? – muitos cartões amarelos e confusão. Os vascaínos, em crise e com um time inferior, recorreram à violência. Mas expulso mesmo apenas Wallace, aos 14 minutos do segundo tempo. O zagueiro perdeu a cabeça e foi pro chuveiro mais cedo, prejudicando a reação do Flamengo.

Peralta não esquece de outros erros de Ricardo Marques. Contra o Goiás, no Brasileiro de 2014. Perdendo de 1 a 0 para os donos da casa, o time viu no último minuto a bola bater no braço de Valmir Lucas, em jogada de Éverton e o árbitro mandar o jogo seguir.

Em 2015, Ricardo Marques Ribeiro voltou a ser manchete no noticiário carioca após pífia atuação no Fla-Flu, prejudicando gregos e troianos. Ao Fla, o benefício de não marcar um pênalti a favor do Fluminense, mão de Emerson Sheik na área. Ao Flu, a sua contribuição de sempre em jogos que envolvem o Fla: picota o jogo, deixa a porrada comer mas amarela nosso time até expulsar alguém, neste caso o ex-camisa 22 Éverton. A atuação do Pavão rendeu nota oficial do Flamengo.

Nosso blogueiro também cita um jogo contra o Internacional, em 2016, quando novamente um pênalti para o Fla não foi marcada pelo árbitro, quando William, do Colorado, meteu a mão na bola dentro da sua área. Não fez falta, o Mengo venceu com gol de Éderson, em Cariacica.

Vamos continuar acompanhando atentamente as próximas arbitragens. Este ano o Flamengo está sendo prejudicado em quase todos os campeonatos. Como o clube parece ser frágil nos bastidores, o mínimo que o MRN pode fazer é listar os erros do péssimo Ricardo Marques Ribeiro e outros árbitros conhecidos por prejudicarem sistematicamente o Flamengo. Contamos com sua ajuda nos comentários.

Imagem destacada no post e redes sociais: Reprodução

Quer ser apoiador do Mundo Rubro Negro? CLIQUE AQUI!
 

Colaborou: Caio Sertori

LEIA TAMBÉM

> Foz Cataratas e Flamengo/Marinha empatam no Paraná
> Flamengo x Emelec: Para valer a tradição flamenga
> Após nova eliminação nos playoffs, José Neto deixa o comando do FlaBasquete
> O Mecanismo – O padrão que prejudica o Flamengo no começo do Brasileiro

About The Author

ANÚNCIO

APOIADORES

ANÚNCIO

Siga-nos no Twitter

NOTÍCIAS DO FLAMENGO