Compartilhar:

O Flamengo nunca deve ser apenas para quem pode. Flamengo é pra quem é Flamengo

 
Salve Mulambada,

Ontem estava no metrô, a caminho do jogo, quando ouvi algum irmão de alma parabenizar mais um debutante no templo:

– Aê, vai conhecer o Maraca!

Era um cidadão já adulto, logo não pude me identificar, pois minha primeira vez no estádio foi aos 7 anos. Mas o brilho nos olhos do cara dizia muita coisa.

E por que ele estava ali logo ontem? A fase não vinha boa – mesmo com o alívio na última semana -, protesto, desconfiança, Brasileirão apenas no início… Por que logo ontem ele ali?

– Ah Léo, teve a volta do Guerrero. Ídolo, cativa multidões, ícone, etc.

Aí tu tá falando do Zico, irmão. Não era por causa do Guerrero e não serei convencido do contrário.

Tenho certeza que esse cara já queria ter debutado faz tempo, só não podia. E ontem ele pôde, coube no seu bolso.

O Flamengo, embora viva descumprindo, é proibido moralmente de excluir seu povo. Nunca será aceito pelos deuses que seu jogo tenha um público de 15 mil pessoas que puderam pagar 100 pratas. O Flamengo nunca deve ser apenas para quem pode. Flamengo é pra quem é Flamengo. E eu vou repetir a palavra Flamengo da mesma forma que tanta gente repete no dia-a-dia por livre e espontâneo amor, por livre e espontâneo Flamengo.

Em cada cantinho da cidade, do estado, do país, há uma voz a gritar Flamengo.

Flamengo!

O “Onde estiver, estarei” sempre vai servir para se referir à alma e ao coração. Mas quando o ingresso está 20 conto num domingo à tarde, ele também serve pra presença física, que torna o Flamengo muito mais Flamengo.

Ontem não houve vergonha em cantar “Festa na Favela”, porque dessa vez o ingresso chegou lá. Na favela, no subúrbio, no barraco. Chegou pro cara que rala a semana toda ganhando um salário mínimo e não pode nem pensar em ser sócio. Chegou pra qualquer um que quisesse ser Flamengo.

O problema não era os que podem pagar caro. São Flamengo, então são bem-vindos. O problema era a ausência do povo, ausência de Flamengo.

Ontem, 60 mil. Onde esteve, estivemos, de fato. Ali mesmo, de pertinho.

Somos o Flamengo. Ontem, fomos o Flamengo. Não tem metáfora, nem exagero ao se referir na primeira pessoa. Maraca tomado, de ricos, pobres, finos, favelados, cascudos e debutantes. Tomado de Flamengo.

Não mais para quem “pode”, voltando aos que querem.

E quem não quer ser Flamengo?

Bom dia a você, que teve um domingão tão prazeroso quanto ver aquele petardo do nosso menino estufar a rede. A você que viveu intensamente um dia de Flamengo. A você que ajudou a fazer o Rodrigo Dourado olhar em volta e pensar: ‘Que torcida é essa!?’. A você que é Flamengo.

Seguiremos juntos. O Flamengo enfim entendeu, mesmo por pressão, que precisa de Flamengo pra ser mais Flamengo.

Seguimos a vida, já pensando em quinta-feira, quando o povo poderá estar ali novamente. Pro Flamengo.

E se há alguém aqui que não vista essa camisa, que siga o líder. O Flamengo.

Saudações,


 

Imagem destacada nos posts e nas redes sociais: Gilvan de Souza / Flamengo

Quer ser apoiador do Mundo Rubro Negro? CLIQUE AQUI

Léo Leal escreve no MRN e participa do programa Mesa Rubro-Negro no YouTube. Siga-o no Twitter: @_LeoLealC
 


LEIA TAMBÉM

> Flamengo 2 x 0 Internacional | Um time em nítida evolução
> Em 1992, o Inter deixou o Fla chegar
> O ídolo Ronaldo Angelim participará de dois grandes eventos da Embaixada Nação Rubro-Negra Sergipe
> Flamengo x Mogi: agora com apoio da Nação
> Flamengo estuda levar estrutura provisória da Ilha do Urubu para a Gávea
> Ponte Preta 0 x 1 Flamengo | Um time tentando se entender
Ainda falta muito

LEIA NO BLOG

> Assombração
> Aconchego da vó
> Crer
> Voem alto
> Vida longa a Zé!

Compartilhar: