Compartilhar:

Saudações, Rubro-negros!

De acordo com o filósofo e matemático francês Renés Descartes (1596-1650), “se você for uma pessoa que busca realmente a verdade, é necessário que ao menos uma vez na vida duvide de todas as coisas, da maneira mais profunda possível.”. Tal pensamento poderia — e, acima de tudo, deveria — ser aplicado ao momento político que atravessamos, mas também serve para nortear nossas visões a respeito da atual fase que atravessa o nosso Flamengo, haja vista que nós rubro-negros somos, por natureza, empolgados e eufóricos, por conseguinte mais inclinados a supervalorizar resultados e atuações ao mesmo tempo em que ignoramos fatos diversos, os quais, caso levados em consideração, nos fariam perceber que é absoluta a necessidade de manter os pés bem fincados ao chão.

Em primeira análise, há de se destacar que o Flamengo de fato apresentou um melhor futebol nas partidas contra Corinthians e Fluminense do que vinha apresentando até então, em que pese a ruindade de ambos os adversários. Os jogadores têm-se mostrado mais móveis e dinâmicos em campo, e a consequência maior disso é que as tentativas realizadas por eles têm sido menos previsíveis do que estavam sendo com o Barbieri ainda no comando. Essa maior mobilidade pode ser explicada tanto pelo “desengessamento” dos chamados pontinhas — Vitinho, em especial, teve atuações dignas de nota tanto contra o Corinthians como no Fla x Flu — quanto pela retomada de carreira vivida pelo Willian Arão e pelo posicionamento do Paquetá, agora mais adiantado e menos sobrecarregado quando o time não tem a bola, cumprindo a função de dar mais celeridade à armação das jogadas pelo meio do campo, algo que o Diego, apesar de sua inquestionável entrega, há muito não consegue cumprir com eficácia.

O comportamento mais aceso, elétrico e ambicioso do time é outro ponto a ser sublinhado. O Flamengo antes acomodado, letárgico e por vezes até preguiçoso, que marcava um gol e se retraía, como fazem, aliás, quase todos os times brasileiros, parece ter recuperado o desejo de marcar gols, de não apenas enfiar a faca no bucho do inimigo, mas também de torcê-la, como vínhamos desejando e pedindo havia já bastante tempo. Tal postura por certo tem a ver com as mudanças promovidas por Dorival no sistema tático, na melhor compactação entre as linhas, mas também está ligada de maneira significativa a um trabalho psicológico mais bem feito, pois é nítido que os jogadores agora estão mais fortes no que diz respeito ao seu aspecto emocional do que demonstravam estar antes da chegada do novo técnico e das duas semanas cheias que teve para trabalhar.

Tudo isto posto, é preciso salientar que não há da parte deste humilde autor qualquer intenção de pautar como devem se comportar os irmãos rubro-negros diante das mais recentes apresentações do nosso Flamengo. Entretanto, retomando aqui o pensamento de Descartes, é fundamental que pratiquemos o saudável exercício da dúvida, em especial por meio da revisitação a um passado nada distante, cujas consequências servem para que possamos olhar de forma mais objetiva e crítica o presente momento. Ao agir dessa maneira não iremos de forma alguma renegar nossa natureza flamenga, mas apenas dar a ela contornos mais realistas, mais lúcidos, e assim evitar a depressão que, não raro, sucede a euforia.

SRN.

O Blog do Fabiano Tatu é patrocinado pela Double English. Conteúdo novo semanalmente, metodologia para brasileiros e feedback personalizado! Clique no banner e saiba mais!

Tenha acesso a todo conteúdo Double! E sua mensalidade nunca aumenta enquanto for assinante!

 


Fabiano Torres, o Tatu, é nascido e criado em Paracambi, onde deu os primeiros passos rumo ao rubronegrismo que o acompanha desde então. É professor de idiomas há mais de 25 anos e já esteve à frente de vários projetos de futebol na Internet, TV e rádio, como a série de documentários Energia das Torcidas, de 2010, o Canal dos Fominhas e o programa Torcedor Esporte Clube, na Rádio UOL. Também escreve no blog Happy Hour da Depressão.
Imagem destacada nos posts e nas redes sociais: Reprodução

Apoie o MRN e ajude o nosso projeto a melhorar cada vez mais. Com R$ 10,00 por mês você participa dos nossos grupos de discussão no Whatsapp e Telegram. Seja assinante no Picpay: picpay.me/MRN_CRF ou apoiador no Apoia.se: apoia.se/mrn. Pensa em alguma outra forma de parceria? Entre em contato pelo 21 99419-6540.

Inscreva-se no canal no Youtube e acompanhe os programas MRN Live, o MRN Entrevista e muito mais! > bit.ly/canaltvmrn

LEIA MAIS NO BLOG DO FABIANO TATU

> Abraçando o fracasso
> Muito mais do que três pontos
> O Flamengo quer fazer um favor ao Brasil, mas terá que brigar muito para conseguir
> Cancelem a Copa
> Gol do Vizeu e nova vitória no Maracanã consolidam mais do que só a liderança isolada
> Vinicius Junior, Paquetá e o resgate do torcedor que joga
> Um Flamengo Moribundo
> Treino aberto: só um afago ou o retorno da conexão Flamengo e Nação?
> Venceremos o Brasileiro
> Tô de bode
> Pelo fim da amarelice
> Como a ciência e o budismo se uniram para nos ensinar a torcer
> Pensando no futuro, Mengão revisita seu passado
> O presidente e o pecado preferido do Diabo
> O que 2017 nos ensina sobre ser gente
> O título da Sulamericana e o amadurecimento de meninos-homens
> O Flamengo à Zeca Pagodinho
> Por que Muralha escolheu ser o pior goleiro da história do Flamengo?
> Precisamos de Adriano tanto quanto ele precisa de nós
> O resgate do flamenguismo não passa pelo retorno ao caos

Compartilhar: