Compartilhar:

Leonardo Leal, do Blog Mengo Logo Existo

Por mais que a mudança tenha efeitos colaterais, como o desastre da Fonte Nova, é notável que há algo sendo erguido

O Flamengo hibernou. Inverso a toda reestruturação financeira pelo qual passou, um planejamento esdrúxulo para com o futebol jogou seguidas temporadas no lixo. Mesmo com elencos cada vez mais caros, a melhor fase técnica da equipe, nos últimos anos, foi quando um menino de 17 anos carregava o time.

Não havia padrão, filosofia, nada. Era a bomba na mão de técnico novato ou um “bora lá” qualquer com algum baluarte do clube da boleiragem. E depois de quase direcionar também a atual temporada ao fundo do poço, com uma escolha carregada de uva e álcool, enfim pensou-se fora da caixinha, não para salvar apenas 2019, mas sim implantar algo realmente novo.

O Fla pós Copa América é diferente. Por mais que a mudança tenha efeitos colaterais, como o desastre da Fonte Nova, é notável que há algo sendo erguido. Que deveria já estar sendo construído quando se enfrentava Madureira e Cabofriense em períodos carnavalescos e não em meio a decisões. Mas embora tardia e cercada de tensão, a remontada já se iniciou.

arrascaeta flamengo blog mengo logo existo
Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

Ninguém vai dormir embriagado – excesso de vinho pode ser prejudicial – e acordar novinho em folha. Não dá pra esperar um time totalmente pronto com o trabalho se iniciando no meio do ano. Estamos acordando, ainda.
Vai sendo construído um Flamengo objetivo, vertical, intenso, para ser superior e levar pra casa muito além de três pontos. 

Com o elenco atual, vencer o Grêmio reserva é perfeitamente possível, até provável, mesmo nos comandos anteriores. Mas é na forma como vencemos que notamos, aos poucos, o que vem mudando. 

Vencemos criando, jogando, não os deixando jogar. O Grêmio criou uma chance no jogo inteiro, onde foi marcado um impedimento inexistente (o VAR provavelmente corrigiria se a bola entrasse), e achou o gol num pênalti infantil do Pablo.

Leia mais no Mengo, Logo Existo:

Houve chances, gols perdidos, pênalti não marcado e uma vitória incontestável. O Flamengo em construção é o Flamengo incontestável, que pega um time inferior ou desmantelado dentro de casa e massacra. Sábado, poderia ter acontecido outro 6×1, assim como contra o Goiás. Para iniciar uma corrida ao topo, isto é necessário. Não se almeja algo grande passando perrengue contra os reservas do Athletico, comandados pelo saudoso camisa 10 Marcelo Cirino.

Ainda é muito cedo para exigir uma regularidade nessa forma de ser superior. Acidentes como a porrada que tomamos do Baêa podem se repetir. Embora individualmente nossos zagueiros estejam em fase espetacular, ainda falta o entendimento geral da defesa com relação ao posicionamento, principalmente em bolas longas vindas do segundo terço do campo, o que pode nos custar pontos se o adversário souber explorar.

Também precisamos de outro centroavante, para que não sejam necessárias mudanças radicais quando Gabigol estiver ausente. Mas a cada passo, as mostras do que pode vir são animadoras.

O Flamengo do Mister faz o torcedor sair do Maraca não só aliviado como também esperançoso. 

Ainda estamos bem longe, mas dessa vez, há claramente um destino a chegar. 

Já avistamos. Não é uma adega.

Saudações,
Twitter: @_LeoLealC
Insta: @leoleal_cl

O MRN depende do apoio de leitores como você para continuar fazendo uma cobertura criativa, propositiva e ética do Clube de Regatas do Flamengo. ➡ Junte-se a nós

Não deixe de ler também

Compartilhar: