Compartilhar:

Gabriel sempre foi badalado, não é para menos, o jogador surgiu no Santos, clube que é conhecido por revelar grandes talentos. Pela base da equipe paulista, Gabigol marcou mais de 600 gols.

O até então menino de oito anos despertou interesse do Peixe após um amistoso de futsal entre São Paulo e Santos em que ele marcou seis gols na vitória do Tricolor por 6 a 1. Foi contratado pelo alvinegro praiano e desde então foi tratado como joia do Santos. Fez parte de seleções de base e foi Campeão do Mundo Sub-17 com a Seleção Brasileira em 2013. 

A primeira partida nos profissionais foi justamente diante do Flamengo, na estreia do Campeonato Brasileiro de 2013. Ele tinha apenas 16 anos. Naquele Brasileirão, o atacante fez 11 partidas e marcou um gol, frente ao Vitória.  

Em 2014 e 2015, Gabigol foi o artilheiro da Copa do Brasil, em 2015 o time paulista ficou com o vice-campeonato. Em agosto de 2016, após ser artilheiro e Campeão Paulista e Campeão das Olimpíadas do Rio, Gabriel acertou sua transferência para a Internazionale, por 27,5 milhões de euros.

Chegada a Itália e expectativa acima da média

Foto: Divulgação/Inter de Milão

O atacante chegou à Itália cercado de expectativa, a prova disso é que o aeroporto de Milão estava lotado para recepcionar o brasileiro. Muitos brasileiros colocaram seus nomes na história da Inter e com Gabriel não poderia ser diferente – era o que a torcida imaginava. 

A primeira partida dele pelo clube italiano ocorreu na 6ª rodada do Campeonato Italiano de 16/17, ele atuou em 16 minutos em partida contra o Bologna. O brasileiro marcou apenas um gol, contra o mesmo adversário da estreia, no returno. Pela Inter, Gabriel tem apenas 183’ minutos jogados. Ele tem mais cartões amarelos (3) do que gols (1).  

O jovem quase sempre entrava nos minutos finais, jogando entre dois e seis minutos aproximadamente. Mas por que um jogador caro e cercado de tanta expectativa não rendeu o esperado?  

Segundo o técnico dele na época, Frank De Boer, Gabriel tinha “atitude de estrela”.  

“Ele pensava que ainda estava jogando no Brasil. Ele estava só andando, e tem que estar em movimento. Ele só quer receber a bola e sem correr, mas precisa entender que tem que trabalhar duro nos treinamentos. Não é por nada que não jogou comigo e não jogou mais na Inter. Ele tem que se olhar no espelho. Tem de demonstrar a cada dia no treinamento que é o melhor ou que pode ser um bom jogador, não com atitude de estrela. Ganhou o ouro olímpico e nada mais” declarou De Boer à ESPN. 

Tentativa de ‘redenção’ no Benfica e volta ao Santos

Foto: Divulgação/Benfica

Depois de tantos problemas na adaptação à Itália, Gabriel foi emprestado ao Benfica em agosto de 2017. Seria um recomeço na Europa? Não. Gabigol ficou em Portugal por seis meses até ser novamente emprestado, desta vez para o Santos. Pelo Benfica, ele marcou apenas um gol, contra o Olhanense pela Taça de Portugal e teve 186’ minutos jogados.  

Gabriel voltou ao Santos no início de 2018 para recuperar seu futebol, que foi totalmente esquecido na Europa. Ele correspondeu e foi artilheiro do time na temporada e artilheiro da Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro.

Fica nítido que o futebol dele se desenvolve no Brasil, a equipe italiana, espera então, que Gabriel demonstre o mesmo futebol da última temporada para que possa ou vender ao Fla ou repassar para uma equipe europeia, visto que o Flamengo seria uma grande vitrine. 

Vamos aos números do atacante na carreira:  

Pela Internazionale, Gabriel fez 11 jogos, marcando um gol e dando uma assistência.  
Pelo Benfica, o atacante marcou apenas um gol.  
Pelo Santos, contando apenas a temporada passada, Gabriel fez 27 gols – quatro no Paulista, quatro na Copa do Brasil, 18 no Brasileiro e um na Libertadores.


*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Ivan Storti/Santos FC

Apoie o MRN e ajude o nosso projeto a melhorar cada vez mais. Saiba mais em bit.ly/tutorialapoioforum

Inscreva-se no canal na TV MRN: bit.ly/CanalTvMRN

LEIA TAMBÉM

Compartilhar: