Compartilhar:

Estamos apenas na semifinal. Falta muito, muito, muito para o título. Mas hoje eu tenho prazer de ver o Flamengo jogar.

Por Téo Benjamin, Twitter: @teofb

Quais eram seus maiores sonhos quando você tinha 8 anos de idade?

Quais são seus maiores sonhos hoje?

Restou algum daquele tempo? Algo que você não realizou e que sobreviveu ao susto da vida adulta?

Uma criança sonha dentro de mim

Comecei a gostar de futebol tarde. Só me encantei mesmo no Carioca de 96, com quase 8 anos de idade. Até então não dava bola.

Ali, me apaixonei. Demorou para me tornar torcedor de estádio, mas o Flamengo já ocupava um espaço gigantesco na minha vida.

Eu ouvia as histórias dos mais velhos.

Um Flamengo dominante, imbatível. Um time que tinha o maior craque do mundo, que conquistou o Brasil mais que todos os outros e subiu no topo do mundo ainda antes de eu nascer.

Eu sonhava. Não só eu.

A minha geração inteira.

Foto: Paula Reis / Flamengo

Meu sonho era ver o Flamengo campeão brasileiro e da Libertadores

Em 2009, depois da penúltima rodada contra o Corinthians, pulei de roupa a piscina. Fiquei quieto lá, olhando pro céu, lembrando dos meus 8 anos de idade.

Quando Angelim virou o jogo contra o Grêmio, sentei na arquibancada do Maracanã e fechei os olhos. Estava em paz.

Leia mais do autor:

Um desconhecido se abaixou, pegou a minha mão: “Levanta, cara! Eles precisam da gente!”

Vencemos aquele título juntos. Todos nós! É o título da minha geração!

Não me entenda mal. Vivi profundamente um tri contra o Vasco e outro contra o Botafogo.

Vi no Maracanã a Copa do Brasil em 2006 e em 2013. Ganhei Copa dos Campeões, Mercosul… Minha geração de rubro-negros viu uma quantidade razoável de títulos lindos.

Foto: Paula Reis / Flamengo

Mas nunca vimos um Flamengo realmente dominante

Teve o plano ISL, o melhor ataque do mundo, o Hexa aos trancos e barrancos…

Vivemos uma gangorra de emoções.

Ser Flamengo é isso. É estar constantemente entre a realidade e a ficção, o céu e o inferno.

Falam da riqueza atual do Flamengo como se fôssemos representantes de uma elite sempre favorecida num jogo desigual.

Meu irmão, a gente comeu o pão que o diabo amassou. Se hoje o Fla paga suas contas e ainda distribui dinheiro pros outros times do país, é porque a gente lutou muito.

Quais eram seus maiores sonhos quando você tinha 8 anos de idade?

Todos os sonhos que eu tinha aos 8 anos se foram

Nunca pude ter uma girafa ou ser astronauta. Jogador de futebol, nem pensar.

O que me conecta àquele menino que fui é o Flamengo. A única coisa que eu sonhava aos 8 e ainda sonho aos 31 é a Libertadores.

Estamos apenas na semifinal. Falta muito, muito, muito para o título.

Mas hoje eu tenho prazer de ver o Flamengo jogar.

Foto: Paula Reis / Flamengo

Isso já vale mais que tudo

Digo e repito para a minha geração: desfrutem, galera. Esse momento é nosso.

Não a liderança momentânea do Brasileiro ou a classificação na Libertadores. Não sabemos o que vai acontecer.

Desfrutem um Flamengo que dá prazer.

Desfrutem como se tivéssemos 8 anos de idade.

SRN

Não deixe de ler também

O MRN depende do apoio de leitores como você para continuar fazendo uma cobertura criativa, propositiva e ética do Clube de Regatas do Flamengo. ➡ Junte-se a nós

Compartilhar: