Compartilhar:

FREGUÊS QUE VAI…

 

COPA DO BRASIL 1999, Oitavas de Final

Grêmio 1-2 Flamengo, Flamengo 2-2 Grêmio

romario flamengo corinthians

No embalo da conquista da Taça Guanabara, três dias antes sobre o Vasco, o Flamengo vai ao Olímpico enfrentar o Grêmio numa tarde de feriado de Tiradentes. E, em uma de suas melhores exibições do ano, amassa o time da casa, não tomando conhecimento do retrospecto negativo. Desperdiça no mínimo três oportunidades claras na primeira etapa (numa delas, um chute de Fábio Baiano que explode no travessão). Mas no segundo tempo os gols saem e, aos 9 minutos, já vence por 2-0 (Romário de cabeça e Caio, escorando um cruzamento rasteiro). Mas o Flamengo relaxa com a facilidade e por pouco não é punido. O Grêmio diminui com Macedo e tenta pressionar, mas o dia é dos rubro-negros. Final, Flamengo 2-1.

Leia também: Oito perguntinhas inocentes para cada lado

O jogo de volta no Maracanã inicia com panorama semelhante. O Flamengo, mais time, começa criando várias oportunidades e abre o placar numa cabeçada do zagueiro Fabão (que marca seu primeiro gol pelo clube). O jogo parece controlado até que o treinador gremista Celso Roth coloca um jovem magrelo que muda completamente o cenário. Seu nome, Ronaldinho Gaúcho. Com a entrada de Ronaldinho, o Grêmio passa a dominar o jogo e chega ao empate. Romário, mesmo estafado por ter jogado em Barcelona pela Seleção Brasileira 24 horas antes, encontra fôlego para desempatar (e mostrar uma de suas camisas com frases de efeito). Mas, na segunda etapa, os gaúchos exercem uma pressão quase insuportável e transformam uma disputa que parecia encaminhada em um jogo cardíaco. Chegam ao empate numa cabeçada de Scheidt e obrigam Clemer a praticar, pelo menos, três defesas espetaculares. Ainda perdem uma chance claríssima, quando Fabão consegue escorar um chute que ia para o gol, com Clemer caído. Seria o gol da classificação. Mas, no fim, 2-2 e alívio para os de Carlinhos.

COPA MERCOSUL 2001, Semifinais

Flamengo 2-2 Grêmio, Grêmio 0-0 Flamengo (pen Gre 2-4 Fla)

flamengo gremio copa mercosul

Vivendo pesada crise e seriamente ameaçado de rebaixamento no Brasileiro, o Flamengo encara a Copa Mercosul como tábua de salvação. Um razoável público (37 mil) vai ao Maracanã ver o rubro-negro fazer uma primeira etapa enfim compatível com suas tradições. Aplicado taticamente e atuando com muita raça (algo raro no segundo semestre), o Flamengo, em 18 minutos, já vence por 2-0 (Juan de cabeça e Beto, aproveitando contragolpe). Perde algumas chances de ampliar e diminui o ritmo. O Grêmio de Tite tenta reagir e “acha” um gol numa cobrança de escanteio. Na segunda etapa, o Flamengo cansa e cede terreno. E é castigado a menos de dez minutos do final, quando Fábio Baiano aproveita falha de Júlio César e marca o gol de empate. O resultado agrava a crise no Flamengo, que completa o quarto mês seguido sem vencer no Maracanã.

Para o jogo de volta, o caos se instala. O meia Petkovic entra na Justiça pedindo liminar que o desvincule do Flamengo, por conta do atraso nos salários. A liminar é negada e o sérvio escalado. Temendo agressões no embarque para Porto Alegre, os dirigentes orientam os jogadores a viajarem “à paisana”, em vez de usarem uniforme do clube. Além da decisão no Olímpico, o Flamengo ainda jogará sua permanência na Primeira Divisão, domingo próximo, diante do Palmeiras, em Juiz de Fora. Animados com a crise do adversário, os gremistas exalam confiança e se declaram favoritos. Mas, dentro do campo, as coisas se mostram diferentes. O Flamengo volta a atuar com muita vontade, em nada lembrando o time apático que se arrasta no Brasileiro. Sem em nenhum momento demonstrar apego ao empate, pressiona o time da casa, chega a acertar a trave e protagoniza uma das melhores partidas do ano. Na segunda etapa o Grêmio melhora e fustiga a defesa flamenga, mas os dois times não saem do 0-0. Nos pênaltis, brilha Júlio César, que defende as cobranças de Roger Carvalho e Luiz Mário e faz os 50 mil gremistas presentes no Olímpico reviverem um antigo pesadelo. Tal como em 1982, assistem em silêncio à festa do Flamengo em seu gramado.

COPA DO BRASIL 2004, Quartas de Final

Grêmio 0-1 Flamengo, Flamengo 0-0 Grêmio

Mordido com a humilhante goleada sofrida no Barradão pelo Brasileiro (1-5 Vitória), o treinador Abel Braga promete um time de comportamento bem diferente na primeira partida das Quartas de Final da Copa do Brasil, no Olímpico. Faz algumas alterações, entre elas a entrada do veterano Zinho. E é justamente Zinho que, aproveitando um passe meio “sem querer” de Negreiros, abre o placar ainda aos 3 minutos de jogo, batendo colocado no canto de Tavarelli. Com o gol, o Flamengo se entrincheira em seu campo e o Grêmio tenta pressionar. Mas falta qualidade, e os gaúchos se limitam a alçar bolas a esmo na área flamenga. No fim, em jogo de baixo nível técnico, o placar de 1-0 acaba se tornando definitivo, sob pesadas vaias da torcida gremista.

O jogo de volta, disputado para 20 mil no Maracanã, também se ressente da falta de qualidade das duas equipes. O Flamengo, mais ofensivo, tenta criar mais oportunidades, mas esbarra na já conhecida inoperância de Jean. O meia Felipe, enquanto tem pernas, é o mais perigoso jogador rubro-negro e cria as principais jogadas da equipe. Na segunda etapa, Abel recua e vê o Grêmio tentar pressionar, mas sem ameaçar o gol de Júlio César. No fim, um pragmático 0-0, o suficiente para a vaga às Semifinais.

COPA DO BRASIL 2018, Quartas de Final

Grêmio 1-1 Flamengo, Flamengo 1-0 Grêmio

(a imagem diz tudo)

flamengo gremio copa do brasil
 

…FREGUÊS QUE VEM

 

COPA DO BRASIL 1989, Quartas de Final

Flamengo 2-0 Corinthians, Corinthians 4-2 Flamengo

flamengo corinthians copa do brasil 1989

A recém-criada Copa do Brasil se reveste em uma boa oportunidade para o Flamengo de Telê se remontar, após as saídas de vários jogadores. Sem maior dificuldade, a equipe vai avançando até chegar às Semifinais, onde enfrenta o Corinthians (outro time em reconstrução). Num Maracanã gelado, os pouco mais de 10 mil pagantes veem uma exibição de gala de Zico, que comanda o meio-campo flamengo e faz sua equipe se impor categoricamente ao adversário. Após desperdiçar inúmeras chances, o Flamengo abre 2-0 no final da primeira etapa, gols do Galinho e de Nando, ambos de cabeça. Após o intervalo, o rubro-negro perde inúmeras chances de definir o confronto já no primeiro jogo. O Corinthians escapa de uma goleada histórica graças às defesas de Ronaldo e a um gol estranhamente anulado pelo árbitro Tito Rodrigues, que não permitiu a aplicação de uma clara lei da vantagem em uma finalização de Nando. No fim, a sensação de placar perigosamente magro.

A sensação se mostra procedente. Entre os dois jogos, o Flamengo realiza uma desgastante excursão à Alemanha, de onde desembarca quase de imediato para um Pacaembu fervendo com 36 mil pagantes. O rubro-negro, que tem como novidade a volta de Júnior, ainda faz um bom primeiro tempo, que termina em um adequado 1-1 (gols de Neto, para os paulistas, e Zico, de cabeça). Mas, esgotado, não resiste ao veloz ritmo que o adversário imprime no segundo tempo e vai cedendo terreno. Empolgado e empurrado pelo público, o time da casa vai marcando seus gols, valendo-se da bola parada e de algumas falhas do sistema defensivo rubro-negro. O clímax parece se dar aos 39, quando Neto marca o quarto gol corintiano, que parece selar o milagre. Mas Zico e Júnior estão em campo e, mesmo exaustos, empurram o Flamengo à frente. Numa bola lançada, encontra Júnior livre e o Capacete, retornando em alto estilo aos gramados brasileiros, escora para marcar, a três minutos do fim, o segundo gol flamengo e silenciar o estádio. O milagre de São Jorge é reivindicado por São Judas Tadeu, e é o Flamengo que sai de campo com a vaga.

TORNEIO RIO-SP 1997, Quartas de Final

Flamengo 3-0 Corinthians, Corinthians 2-0 Flamengo

flamengo corinthians rio são paulo

“Resgatar as raízes” é o mote ao qual o Flamengo se dedica no início de 1997, tentando dessa vez montar um time com jogadores mais identificados com o clube, missão que é confiada a Júnior e Leandro, agora membros da Comissão Técnica. E o “novo” Flamengo é posto à prova logo no primeiro duelo oficial da temporada, contra o Corinthians, em um Torneio Rio-SP que traz como novidades algumas mudanças experimentais na regra, das quais a mais comentada é a adoção de tiros livres (sem barreira) após estourado um determinado limite de faltas. O time paulista também traz novidades. Turbinado pelo investimento do Banco Excel, traz uma equipe recheada de medalhões e jogadores caros, como Marcelinho Carioca, Neto, Célio Silva, o lateral Rodrigo (ex-Vitória) e o principal reforço, o atacante Túlio, que promete reeditar um antigo duelo com o rubro-negro Romário. Mas na primeira partida, a exemplo da maioria dos embates anteriores, o Baixinho leva ampla vantagem. Motivado e em boa forma, Romário marca dois gols e comanda o Flamengo nos tranquilos 3-0 impostos ao adversário (o outro gol é de Sávio, de pênalti). Júnior, o treinador, alerta: “não ganhamos nada ainda”.

O jogo de volta se dá em uma tarde de sábado, sob um intenso temporal que afasta o público do Morumbi. O Flamengo, bem armado, controla a partida e em nenhum momento tem a classificação ameaçada. O adversário busca o gol explorando bolas paradas e cruzamentos na área, mas a zaga, comandada por Júnior Baiano, está bem. Somente após a entrada do perigoso Mirandinha (ex-Paysandu) os paulistas ameaçam com mais solidez o gol flamengo. E a insistência é premiada a quinze minutos do fim, quando Túlio abre o placar com uma cabeçada. O Corinthians tenta aumentar a pressão, mas cede espaços que não são aproveitados pelos leves Sávio e Lúcio, atrapalhados pelo campo encharcado. No fim, já nos descontos, Mirandinha aproveita uma confusão na área e amplia, mas o destino do confronto está selado. O Flamengo passa às Semifinais.

TAÇA LIBERTADORES 2010, Oitavas de Final

Flamengo 1-0 Corinthians, Corinthians 2-1 Flamengo

flamengo corinthians libertadores

A eliminação do Estadual traz efeitos devastadores para o Flamengo. Andrade, que nunca desfrutou da preferência da Diretoria recém-empossada, é demitido, assumindo em caráter interino o auxiliar Rogério Lourenço. Não há tempo para lamentações. Rogério tem a missão de remontar a equipe para as Oitavas de Final da Libertadores, onde enfrentará o Corinthians. Se o retrospecto recente é favorável ao rubro-negro (que não perde para os paulistas há cinco anos), o favoritismo pende amplamente para o adversário, detentor da melhor campanha da Primeira Fase e obcecado pela conquista do torneio continental no ano de seu centenário. A massa rubro-negra ignora a crise e lota o Maracanã com 70 mil almas, que ignoram o dilúvio que desaba sobre o gramado e se dedicam a empurrar a equipe ao longo dos 90 minutos. Mesmo com um jogador a menos desde os 38’ do primeiro tempo (o meia Michael é expulso), o Flamengo se mostra sempre superior aos comandados por Mano Menezes e cria as mais perigosas chances de gol, chegando a acertar duas vezes a trave corintiana. O gol somente sai no segundo tempo, quando Adriano converte pênalti sofrido por Juan. No fim, o Corinthians parece satisfeito com a magra derrota por 1-0. Será seu erro. Destaque negativo para a péssima atuação de Ronaldo, substituído e agraciado com uma espessa camada de vaias pelo Maracanã.

Cerca de 35 mil pagantes transformam o Pacaembu em um caldeirão. O time da casa começa melhor, impondo forte pressão, mas esbarra nas boas defesas de Bruno. Mas o gol, que amadurecia, sai após David Braz errar o bote e mandar a bola para suas próprias redes. Acuado, o Flamengo sofre logo depois o segundo tento, em uma cabeçada de Ronaldo que passa por baixo de Bruno. As equipes descem pro intervalo com o público pedindo uma goleada. Subestimar o adversário sai caro. Bem mais calmo e determinado, o Flamengo volta trocando passes e rondando o gol adversário, até que, em uma bonita tabela entre Juan e Kleberson, a bola chega a Vagner Love, que coloca entre as pernas de Felipe. É o suficiente para a vaga. O Corinthians tenta voltar ao ataque, mas é o Flamengo quem cria as melhores chances. Mas a “bola do jogo” acaba nos pés de Chicão, que com primorosa cobrança de falta vê Bruno realizar espetacular defesa e mandar para escanteio os sonhos dos paulistas. O Flamengo se classifica. Ao Corinthians, resta o silêncio. E o choro.

 


Adriano Melo escreve seus Alfarrábios todas as quartas-feiras aqui no MRN e também no Buteco do Flamengo. Siga-o no Twitter: @Adrianomelo72
 

Imagem destacada no post e redes sociais: Reprodução/em>

Apoie o MRN e ajude o nosso projeto a melhorar cada vez mais. Com R$ 10,00 por mês você participa dos nossos grupos de discussão no Whatsapp e Telegram. Seja assinante no Picpay: picpay.me/MRN_CRF ou apoiador no Apoia.se: apoia.se/mrn. Pensa em alguma outra forma de parceria? Entre em contato pelo 21 99419-6540.

Inscreva-se no canal no Youtube e acompanhe os programas MRN Live, o MRN Entrevista e muito mais! > bit.ly/canaltvmrn

LEIA MAIS NO BLOG ALFARRÁBIOS DO MELO

> Oito perguntinhas inocentes para cada lado
> Aos que merecem
> O outro prisma para a chegada de Vitinho ao Flamengo
Perfil, contexto e resultado: Os doze – Parte 2
De anjinhos e diabinhos
A corrida de canoas e como planejar passa também pelo óbvio
“Prazer, eu sou o 9”: Dez centroavantes que marcaram com a camisa do Fla
A candura e o protecionismo contra a máxima exigência
Pipocam vozes e ganidos estridentes
Precisamos falar sobre estes números, Flamengo
Bom rendimento duradouro e previsível
Júnior passa por cima dos protegidos do presidente e promove o Anjo Loiro da Gávea
A profunda entrevista do filósofo do futebol Fred Luz
O que os homens do futebol do Flamengo já disseram…
Treze questionamentos para a diretoria do Flamengo responder
Marcelo Rezende e a sua genial crônica sobre o Flamengo x Atlético-MG de 1980
A fábrica que o meu pai trabalhou por anos pode virar o estádio do Flamengo
O goleiro do Flamengo precisa ter os nervos de aço
O último gringo
A folha em branco
Os sinais
O Flamengo nasceu do Fluminense? Saiba a resposta neste papo entre pai e filho
O problema não é jogador
Time dos sonhos. Elenco dos sonhos?
O destino dos heróis do Mundial de 1981
Quando todos avisaram para Caio Jr. que com Jaílton não ia dar certo
A grande roda do Flamengo a girar na mesma direção
Não fale espanhol: a tentativa de tapetão do Atlético-MG e um pouco mais de 1981

Compartilhar: