Compartilhar:

O jogo 3 será neste sábado (11), novamente no Tijuca Tênis Clube, às 14h (Horário de Brasília)

 Erick Viana

O Fla-Basquete botou o pé na final após abrir 2 a 0 na série contra o Botafogo hoje, quinta-feira (9). Depois de um primeiro jogo equilibrado em General Severiano, onde Marquinhos fez a cesta da vitória no fim do cronômetro, no Tijuca Tênis Clube, com a torcida do Flamengo na cabeça, os alvinegros não conseguiram se impor.

Desta vez, mesmo com os bons momentos, a “mini dominância” do adversário sobre o Fla só prevaleceu no final do segundo quarto, indo até a metade do terceiro. Mas, o clube da Estrela Solitária nunca conseguiu se distanciar, sendo facilmente superado quando os Rubro-Negros conseguiram voltar ao seu jogo de ataque e passou a errar menos.

Brilha as mãos de Deryk

Se no jogo passado Balbi e Marquinhos brilharam, agora foi a vez de Deryk tomar conta da partida. Não que a noite do argentino tenha sido apagada, muito pelo contrário, o camisa 6 distribuiu assistências. Foram oito na partida, superando Cauê, do lado adversário, que somou seis passes pra cesta. Mas Deryk foi o maior pontuador da partida. O cestinha da noite fez 19 dos 81 pontos marcados pelo Mengão, além de jogar com muita raça e ir bem nos demais fundamentos.

Fala Gustavinho 

Em entrevista após o estouro do relógio, o técnico Gustavinho ressaltou a importância de arrumar a defesa. O treinador frisa os pontos bobos que a equipe sofreu na reta final e diz que os jogadores ofensivos devem ajudar mais lá atrás. “Está comprovado. Precisa ajudar a defesa. Essas duas últimas bolas, nós levamos 25 pontos só nos dois períodos finais. Eu acho fundamental a gente conseguir ajudar a defesa, pois acredito que seja muito difícil que não façamos pelo menos entre 75 e 80 pontos num jogo”, disse.

O técnico flamenguista ainda ressaltou a qualidade de Léo, técnico adversário, e elogiou a organização da equipe botafoguense. “o Botafogo é muito organizado. Os jogadores do Brasil são muito parecidos, assim como na NBA e na Europa. As equipes não são seleções, com muitos craques. São jogadores muito próximos, e o técnico potencializa muito, e isso acontece no Botafogo. O Léo já mostrou ano passado em Caxias e esse ano está mostrando de novo. Ele pega jogadores que estão um pouco em baixa e faz esse jogador jogar no limite. E outros que já estão em alta também, ele faz jogar no limite”, completou.

O jogo 3 será neste sábado (11), novamente no Tijuca Tênis Clube, às 14h (Horário de Brasília). Em caso de nova vitória do time da Gávea, a série (que é melhor de 5) acaba e a equipe de Gustavinho estará na final do NBB.

Créditos da imagem destacada: Marcelo Cortes/Flamengo

Você pode contribuir com o nosso projeto:

Via Paypal:

Via Transferência Bancária:

Banco do Brasil:
Agência 3652-8
Conta Corrente 43937-1

Compartilhar: