Compartilhar:

O Flamengo leva uma boa vantagem pro Sul. Lá o Inter vai querer jogar do início ao fim. A covardia ao menos foi punida aqui.

Flavio H. Souza, do Blog Pedrada Rubro-Negra

O Inter tem um bom time

O Internacional tem um bom time. Sem dúvida. Marcação forte no mais puro estilo gaúcho. Jogadores talentosos na frente como Guerrero, D’Alessandro e Rafael Sobis. Três volantes intensos, zagueiros altos. Em suma, um time que querendo jogar, joga. Capaz de enfrentar qualquer outro clube brasileiro de igual para igual.

Não jogar e não deixar jogar

Mas contra o Flamengo veio para não jogar e não deixar jogar. Cera o tempo inteiro, catimba generalizada. O intuito mesquinho deste time era empatar de 0 a 0. O que é hoje uma triste característica do futebol brasileiro. Já se tornou até um arquétipo. Você já espera isto. E é bem triste. Basta assistir qualquer jogo da Premier League, do campeonato alemão, holandês, espanhol e não vemos mais isto. Está no museu. O foco é o “jogo jogado”. Rende visibilidade e consequentemente patrocinadores, resultando em mais dinheiro para os clubes.

“Win-Win”. Não só a arbitragem mas os próprios jogadores de lá reprimem tentativas de simulação. Por isto Neymar foi tão perseguido com seus mergulhos constantes em campo. Perde o torcedor e o espectador com um jogo tão travado. A arbitragem sul-americana porque acostumada com este “método” de paralisação de jogo não coíbe como deveria.

E o time que trava o jogo como filosofia sempre se ferra quando leva um gol. O castelo de cartas desaba. É preciso então pensar logo em outro jogo. Sair do modo “atraso” para a bola mais rápida. Inter tomou seu primeiro gol em uma bela jogada do Everton Ribeiro, um passe preciso para Bruno Henrique, que dividiu a bola depois com o zagueiro, a bola sobrou pro Gerson, que, em uma jogada, mostrou todo seu talento. Ao invés de finalizar com dificuldades pro gol viu o Bruno Henrique livre e desimpedido. Tocou para ele e gol.

Caiu por terra

O tipo de jogo covarde do Inter caiu por terra. Atônitos, viram em seguida Gabigol mandando a bola pro Bruno Henrique na entrada da área, que em um drible de corpo incrível, atrasou o zagueiro que o marcava e pode finalizar no contrapé do Lomba. Flamengo 2 x 0. Merecido.

Inter tonto ainda. Bruno Henrique escapa pela esquerda, divide com Marcelo Lomba, consegue a posse de bola e passa rápido pro Gabigol na pequena área, que fura. Quase 3 x 0, quase uma perfect storm.

A decisão está aberta

Inter então acordou. E foi para frente como deveria ter ido antes. O que não entendo. Por que a opção pela catimba e atraso quando você tem um time de qualidade? Isto explica como e porque não contratam técnicos brasileiros para os grandes centros. Este atraso e catimba já está em nosso DNA. Inter perdeu um gol feito. E o Flamengo perdeu o Arão pro próximo jogo, que vem jogando um grande futebol, com um cartão amarelo que poderia ter evitado.

O Flamengo leva uma boa vantagem pro Sul. Mas a decisão ainda está em aberto. Lá o Inter vai querer jogar do início ao fim. A covardia ao menos foi punida aqui.

Não deixe de ler também

O MRN depende do apoio de leitores como você para continuar fazendo uma cobertura criativa, propositiva e ética do Clube de Regatas do Flamengo. ➡ Junte-se a nós

Compartilhar: