Compartilhar:

Jean Carlos Santos


 

Domingo clássico na capital fluminense. Jogo às 11h da manhã. Céu limpo, sol, calor, Maracanã lotado (recorde de público no Brasileirão), Beth Carvalho cantada nas arquibancadas e Flamengo em campo.

Logo no início do jogo pressão total do Flamengo, gol ainda na primeira metade do primeiro tempo em troca de posições de Trauco e Diego, o lateral dá um belo passe de três dedos para Vitinho se redimir do incrível gol perdido no meio de semana e mandar a bola para a rede. Após o gol, o jogo foi se arrastando com o Flamengo trocando bons passes no meio de campo e eventualmente criando algumas chances de gol. Everaldo, artilheiro e destaque da Chapecoense, pouco pôde fazer contra a boa defesa flamenguista. Apesar do time misto, o Fla comprovou o grande elenco que tem e, mesmo com jovens em campo, mostrou um bom futebol, equilibrado e eficiente.

Leia também: 
“O Botafogo jogou a vida”, diz Olivinha após derrota no Tijuca
De virada, Flamengo/Marinha é derrotado no Pacaembu
Respeite o Flamengo, sempre!
Ex-executivo do Fla, Rodrigo Caetano revela que maior erro da carreira foi não ter segurado Luxa no clube em 2015

Ainda no fim do primeiro tempo, em um lance que Lincoln sairia na cara do gol, é derrubado e sofre pênalti indiscutível. Diego na cobrança, expectativas para matar o jogo ainda no primeiro tempo, infelizmente o meia, mais uma vez, desperdiça o pênalti (destaque para o jovem e bom goleiro da Chapecoense Tiepo, que além do pênalti pegou também o belo voleio de Diego no rebote do pênalti).

O início do segundo tempo começou como o início da partida: com pressão total rubro-negra. Em uma das chances criadas, Lincoln mostrou faro de artilheiro ao receber passe de Ronaldo e empurrar para as redes de carrinho e na pequena área a bola para o gol, encerrando assim um jejum incômodo de 14 jogos sem marcar.

Mesmo após as mudanças nas duas equipes, o ritmo do jogo continuou o mesmo. Flamengo tocando a bola, apenas esperando tempo passar e o jogo acabar. Chapecoense mostrando zero poder de reação, sem nos intimidar de forma real e prática. Porém, já no fim do duelo, nossa segura e bem postada defesa (destaque para o volante Ronaldo que já pede vaga no time titular), leva um gol improvável e inesperado do ex-zagueiro do Fluminense Gum. Fato esse muito ruim para Diego Alves que segue levando no mínimo um gol por partida continuamente, inclusive, mais um gol de bola parada. O calcanhar de Aquiles do sistema defensivo de Abel Braga.

Em resumo, fizemos um bom jogo, seguro, limpo e vitória assegurada desde o início do jogo, seguimos com boas expectativas para o restante da temporada.

 

Saudações Rubro-Negras.

 


Você pode contribuir com o nosso projeto:

Via Paypal:

 

 

Via Transferência Bancária:

Banco do Brasil:
Agência 3652-8
Conta Corrente 43937-1

Compartilhar: