Compartilhar:

As portas da aeronave se fecham.

As moças cuidadosamente uniformizadas vão dando andamento, com entediada simpatia, à praxe que precede a decolagem. Enquanto isso, o alegre grupo uniformizado que ocupa as fileiras de assentos a ele reservadas, vai formando, dentro do que permite o contexto, simulacros de rodinhas onde se vão cantando resenhas e “causos” com o fim de disfarçar o cansaço já visível nos semblantes de alguns. Outros, mais diretos, estampam a cara com revistas, almofadas, vendas e tudo o que mais sirva para lhes acelerar um ansiado cochilo. Nesse entretempo, as rodinhas acabam por se desfazer, a gentis e mecanizados pedidos das bonitas moças de farda. Aos poucos, todos vão ocupando suas poltronas. E assim os vinte e sete lugares reservados à delegação se revelam preenchidos.

Menos um. Justo o principal.

Não foi fácil organizar o processo de embarque no voo com destino a Vitória do Espírito Santo. Um verdadeiro dilúvio alagou várias avenidas no Rio de Janeiro, especialmente na Barra da Tijuca, promovendo colossais engarrafamentos, que tornaram inviável ao Flamengo tomar o voo de 10 da manhã, conforme previsto. Porque apenas um ou outro jogador conseguiu efetivamente chegar ao Galeão. No entanto, ao longo do tempo o clima foi melhorando, as pistas tornando-se transitáveis, e com isso todos os atletas lograram apresentar-se ao Supervisor rubro-negro a tempo de tomar outro voo, agendado para o meio da tarde.

Menos Romário.

A funesta temporada de 1995 abre expressivas feridas no relacionamento entre o milionário craque e a Diretoria do Flamengo. O Presidente rubro-negro avisa, em alto e bom som, que as regalias e os mimos dedicados ao goleador estão extintos ou, no mínimo, severamente mitigados. O jogador terá que se submeter à rotina normal de treinamentos de todos do elenco, compensando eventuais faltas. Está obrigado a viajar com todos, seja de ônibus ou avião, sendo vedado o deslocamento por meio de jatinhos ou helicópteros, como enjoara de usar no ano anterior. A contratação de “parças” ou “peixes”, como jogadores e mesmo fisioterapeutas, também está enfaticamente desencorajada. Enfim, o Flamengo faz questão de demonstrar ao jogador que não está satisfeito com o retorno amplamente negativo que, até então, sua contratação tem proporcionado. O Presidente, antes um entusiasta e “amigo” declarado de Romário, agora adota tom lacônico em entrevistas e reportagens em geral.

“Será tratado como os outros”.

Romário também anda ressentido. A notícia de que o Flamengo escutou, de forma receptiva, sondagens do Sevilla e do Salamanca, enfureceu o jogador, que encarou a atitude como uma “traição”. O Baixinho também está incomodado com os rumores, cada vez mais robustos, de que o Flamengo irá atravessar o Vasco na repatriação de Bebeto ao futebol brasileiro. Arisco, calado e desmotivado, Romário, nas poucas entrevistas que concede, limita-se a reconhecer que “vacilou” na temporada anterior e promete dar a volta por cima, pois se diz “em dívida” com a torcida do Flamengo. “E apenas com ela”.

A temporada inicia com turbulências. É bem verdade que, sob o comando do novo treinador, Joel Santana, o Flamengo parece buscar uma competitividade que insistiu em negligenciar por quase todo o ano anterior. Mais equilibrada defensivamente, a equipe já começa a chamar a atenção de alguns analistas mais atentos, que não estão alheios ao bom nível dos jogadores, que enfim montam um conjunto equilibrado, resolvendo outro grave problema de 1995. No entanto, o Flamengo perde por detalhes o primeiro torneio amistoso do ano, a Copa Euro-América, ao empatar por 1-1 com o Borussia Dortmund, em jogo que Romário desperdiça um pênalti nos minutos finais, e pelo mesmo placar com o Palmeiras, sofrendo o gol do título já praticamente nos descontos.

Na sequência, a Taça Cidade Maravilhosa (torneio amistoso criado pela FERJ para manter seus principais filiados ocupados), o rubro-negro segue ajustando a equipe. Empata com Vasco (0-0) e Madureira (1-1), em jogos onde Romário chama a atenção pela inacreditável quantidade de gols perdidos, “consagrando” os goleiros Carlos Germano e Acácio. As coisas melhoram quando o Baixinho anota os dois gols nos 2-0 contra o Bangu e marca um dos tentos da vitória por 2-1 sobre o Fluminense (o outro gol é de Nélio, de canela, a dois minutos do fim), quebrando um jejum de sete jogos e um ano e meio sem derrotar o rival.

Mas, se é inegável que Romário segue marcando gols (seis dos sete gols do Flamengo nos primeiros jogos do ano), os problemas dentro e, principalmente, fora do campo surgem com impressionante fartura. Romário questiona o sistema de premiações adotado pela Diretoria e ameaça liderar um movimento de “greve” do elenco, sendo dissuadido após ser docilmente ameaçado de multa e corte de salários. Depois, queixa-se de dores no joelho e declara, com todos os “efes e erres”, que o incômodo é agravado por causa da precariedade dos aparelhos da Sala de Musculação da Gávea, o que gera uma inédita e surpreendente (pela sua rispidez) carta-aberta da Diretoria do Flamengo, repreendendo o atleta. Alegando lesões (além do joelho também se ressente de dores nas costas), começa a faltar aos treinamentos da equipe, o que começa a incomodar Joel Santana (“ele precisa estar conosco, estamos montando um time e ele é peça fundamental”).

romario flamengo 1996
 
De qualquer forma, o ambiente é amenizado com as vitórias sobre o Bangu e, principalmente, o Fluminense. Romário se declara “motivado” para a estreia da Copa do Brasil, contra o desconhecido Linhares, campeão capixaba, no Estádio Kléber Andrade, em Cariacica. O rubro-negro precisa vencer por dois gols de diferença para evitar a realização do jogo de volta.

romario flamengo 1996

“Se não embarcou aqui conosco, não precisa vir mais”. Joel Santana é bem claro na sua altivez, cioso da necessidade de mostrar imposição a um elenco formado por alguns jogadores de Seleção, muitos inclusive com certa rodagem. Assim, Joel deixa clara a mensagem de que não conta com Romário para o jogo no Espírito Santo. O Supervisor ainda tenta um último recurso, reservando uma passagem para um voo noturno. Mas ainda assim Romário não aparece.

romario flamengo 1996

“Estava preso na Grajaú-Jacarepaguá, não passava nada”. A justificativa de Romário, que sustenta só ter conseguido se livrar do trânsito às 01:30 da manhã, não convence a Diretoria, até porque todos os demais jogadores conseguiram chegar a tempo de embarcar à tarde. Há elementos que fundamentam a desconfiança. O Baixinho segue se queixando de dores nas costas, e uma inoportuna viagem para um jogo de expressão menor poderia agravar o problema. Ademais, as boas atuações recentes podem servir como salvo-conduto para a volta de determinadas regalias e, afinal de contas, o Rio já respira a semana de Carnaval. Injustas ou não, essas ilações ajudam a complicar a já negativa imagem do Baixinho. Dividida, a Diretoria em princípio não define o que fazer com o jogador. Vai aguardar o retorno da delegação. Enquanto isso, Romário está convocado a se apresentar na Gávea para treinar, enquanto a equipe está no Espírito Santo. Alguns dirigentes defendem a aplicação de multa e mesmo uma penalidade mais severa.

“Multa? Que história é essa de multa? Não fiz nada de errado. Fiquei preso na estrada e ainda vou ser multado? Se me multarem nunca mais ponho os pés aqui”! Enfurecido, Romário “grita” aos jornais que não admitirá qualquer tipo de punição emanada da Diretoria. Parte abertamente para o confronto. “Estou jogando no sacrifício, com dores, fico atolado na estrada e ainda vou ser punido? Não aceito em hipótese alguma”. A ira do atacante é amplificada por conta das sucessivas negativas da Diretoria às soluções propostas pelo jogador, que se prontificara a viajar no dia da partida (junto com o Presidente) ou mesmo fretar um jatinho de seu bolso. “Esse ano ninguém receberá tratamento diferenciado. Perdeu o voo, perde o jogo”.

O Flamengo derrota o Linhares por 1-0 (gol de cabeça do zagueiro Jorge Luís, escorando escanteio cobrado pelo novato Iranildo), mas a essa altura o assunto é Romário. A imprensa, curiosa em saber o que a Diretoria fará com o jogador, começa a dar ares de “novela” ao caso. Matreiros, o Presidente, o VP de Futebol e o Supervisor começam a apagar o fogo. “Trata-se de um assunto menor, que receberá da gente o peso que merece. Vocês estão perdendo tempo”.

Com efeito, a solução acaba frustrando aqueles que esperavam um desfecho mais sangrento. Após reunião razoavelmente rápida, a Diretoria resolve aceitar os argumentos e as alegações de Romário, e descarta punir o jogador. Satisfeito, o Baixinho evita comentar o caso, que se desvanece como mais um factoide que nasceu, floresceu e feneceu em um espaço de três dias.

No entanto, há um desdobramento relevante. Joel segue se queixando das ausências de seu craque maior e pede proteção. Recebe a garantia de que tem carta branca para lidar com Romário do jeito que melhor lhe aprouver. Que, mais do que o treinador, há uma Diretoria que não medirá esforços para conquistar o Estadual que lhe escorreu pelos dedos em 1995. Que contratará quem tiver que contratar, e descartar quem tiver que ser descartado. Assim, Joel pode, e deve, usar de todos os meios possíveis para colocar em campo um time vencedor. Mesmo que, no percurso, tenha que cortar cabeças.

Ou barrar jogadores.

* * *

Romário seguiu com rendimento instável nos jogos seguintes, faltando a treinos e alternando gols com atuações discretas. Acabou barrado na partida contra o Coritiba, no Couto Pereira, pela fase seguinte da Copa do Brasil. Entendeu o recado e enfim passou a levar a temporada a sério. No jogo seguinte, marcou 5 gols numa goleada sobre o Olaria (6-2). O Flamengo sagrou-se Campeão Estadual Invicto, vencendo os dois turnos. Romário, com a impressionante marca de 26 gols (contra 15 do segundo colocado), terminou a competição como artilheiro e melhor jogador. No entanto, com a confirmação da contratação de Bebeto pelo Flamengo, aceitou retornar ao futebol espanhol, para defender as cores do Valencia.

 


Adriano Melo escreve seus Alfarrábios todas as quartas-feiras aqui no MRN e também no Buteco do Flamengo. Siga-o no Twitter: @Adrianomelo72
 

Imagens destacadas no post e redes sociais: Reprodução

Apoie o MRN e ajude o nosso projeto a melhorar cada vez mais. Com R$ 10,00 por mês você participa dos nossos grupos de discussão no Whatsapp e Telegram. Seja assinante no Picpay: picpay.me/MRN_CRF ou apoiador no Apoia.se: apoia.se/mrn. Pensa em alguma outra forma de parceria? Entre em contato pelo 21 99419-6540.

Inscreva-se no canal no Youtube e acompanhe os programas MRN Live, o MRN Entrevista e muito mais! > bit.ly/canaltvmrn

LEIA MAIS NO BLOG ALFARRÁBIOS DO MELO

> Se, se…SE!
> Qual a última vez que o Flamengo havia feito quatro de diferença fora de casa em Brasileiros?
> Uma conversa sobre política e poder
> A palavra do presidente
> “Remontadas” – A ressurreição dos moribundos
> Sarau dos interinos
> Oito perguntinhas inocentes para cada lado
> Freguês que vai, freguês que vem: depois do Grêmio, agora é a vez do Corinthians
> Aos que merecem
> O outro prisma para a chegada de Vitinho ao Flamengo
> Perfil, contexto e resultado: Os doze – Parte 2
> De anjinhos e diabinhos
> A corrida de canoas e como planejar passa também pelo óbvio
> “Prazer, eu sou o 9”: Dez centroavantes que marcaram com a camisa do Fla
> A candura e o protecionismo contra a máxima exigência
> Pipocam vozes e ganidos estridentes
> Precisamos falar sobre estes números, Flamengo
> Bom rendimento duradouro e previsível
> Júnior passa por cima dos protegidos do presidente e promove o Anjo Loiro da Gávea
> A profunda entrevista do filósofo do futebol Fred Luz
> O que os homens do futebol do Flamengo já disseram…
> Treze questionamentos para a diretoria do Flamengo responder
> Marcelo Rezende e a sua genial crônica sobre o Flamengo x Atlético-MG de 1980
> A fábrica que o meu pai trabalhou por anos pode virar o estádio do Flamengo
> O goleiro do Flamengo precisa ter os nervos de aço
> O último gringo
> A folha em branco
> Os sinais
> O Flamengo nasceu do Fluminense? Saiba a resposta neste papo entre pai e filho
> O problema não é jogador
> Time dos sonhos. Elenco dos sonhos?
> O destino dos heróis do Mundial de 1981
> Quando todos avisaram para Caio Jr. que com Jaílton não ia dar certo
> A grande roda do Flamengo a girar na mesma direção
Não fale espanhol: a tentativa de tapetão do Atlético-MG e um pouco mais de 1981

Compartilhar: