Compartilhar:

O trabalho de Rodrigo Caetano no Flamengo foi péssimo. Irresponsável nos gastos, pouco criativo no mercado e arrogante no trato com a torcida, o gerente de futebol não deixou boa impressão. Parte do seu legado é um problema que a torcida já percebeu: nosso único atacante é Henrique Dourado.

Nenhum gestor é avaliado unicamente pelos resultados, mas sim levando em consideração os recursos que tem à disposição. O dono da padaria da esquina não pode ser avaliado pelos mesmos critérios que o gerente de tecnologia do Google. Esse talvez tenha sido o maior erro durante esses três anos com ele. As contratações caras e a perspectiva de bons resultados serviam de muleta, mas nunca foi colocado em perspectiva o poderio financeiro do clube e as expectativas geradas.

Rodrigo Caetano gastou muito e entregou pouco. Todas as contratações foram óbvias. Sempre seguiam o mesmo padrão de jogadores que se destacaram por aqui há um tempo, mas andavam sumidos. Independente de gostar ou não do desempenho desses caras no Flamengo, é inegável que esse é o caso de Geuvânio, Rômulo, Rhodolfo, Diego Alves, Diego e Éverton Ribeiro, só para citar os mais recentes.

Passou a ser raro o Flamengo contratar alguém que está em alta ou uma aposta com potencial de ser titular e decidir, como Tchê Tchê, Moisés ou Keno no Palmeiras.

E finalmente chegamos ao fim de 2017. Com a suspensão de Guerrero, o clube se viu em uma situação delicada. A vaga no ataque só poderia ser ocupada por Vizeu ou Paquetá, que nem é da posição. Jogamos duas finais importantes assim e a crítica ao planejamento se instalou: o Flamengo não pode chegar em um momento decisivo como esse colocando uma responsabilidade desse tamanho em cima dos garotos.

Caetano foi então ao mercado. Vendeu Vizeu aos italianos e trouxe Henrique Dourado do Fluminense. Um aumento considerável nos gastos mensais, mas será que isso se justifica por um ganho técnico?

Dourado nunca foi melhor que Vizeu. Nem o nosso departamento de futebol acreditava nisso. Ele limitado tecnicamente, não finaliza tão bem e tem falhas graves de posicionamento. Se coloca sempre atrás do zagueiro adversário, esperando um passe quase impossível, que só sairia a cada trinta tentativas se fosse feito por um Gérson.

Mas Rodrigo Caetano se livrou daquela crítica. Se Guerrero fosse mesmo suspenso, como aconteceu, poderia dizer que deixou o ataque do Flamengo nas mãos do artilheiro do ano passado. Contratou o Ceifador para ajudar a si mesmo, não para ajudar o Flamengo.

Hoje estamos aí. Nosso atacante luta muito, batalha, se mata. Não falta raça, mas falta todo o resto. Devemos agradecer ao egoísmo de Rodrigo Caetano.


Foto destacada: Gilvan de Souza / Flamengo

Quer ser apoiador do Mundo Rubro Negro? CLIQUE AQUI!

Escrevo as análises táticas do MRN porque futebol se estuda sim! De vez em quando peço licença para escrever sobre outros assuntos também. Twitter: @teofb
 

LEIA MAIS NO BLOG DO TEO

> Ainda falta muito
> Flamengo 1×1 Independiente – Nada é por acaso
> Independiente 2×1 Flamengo – As ideias por trás das avenidas
> Junior Barranquilla 0x2 Flamengo – Além do épico
> 20 anos na nossa casa
> Uma ideia que nos falta
> Flamengo 1×1 Fluminense – Os falsos-11
> Cruzeiro x Flamengo: podre ilusão
> Diego na Seleção faz sentido?
> Um Flamengo para inglês ver
> Flamengo 1 x 1 Cruzeiro – Um olhar tático
> Flamengo 1×1 Cruzeiro – Sobre o erro
> Flamengo 2×0 CAP – Bruxaria?
> Flamengo 2×0 Atlético Goianiense – Um pouco de loucura faz bem
> Santos 3 x 2 Flamengo – Insistir no erro
> Santos 4 x 2 Flamengo – Quem nasceu para vilão…
> Flamengo 2 x 1 Coritiba – Mais do mesmo
> Flamengo 2×0 São Paulo – Paciência com velocidade
> Uma sugestão para Zé Ricardo
> Bahia 0 x 1 Flamengo – Tá difícil, Zé Ricardo!
> Análise tática: como se desenhou a goleada rubro-negra sobre a Chapecoense

Compartilhar: