Compartilhar:

Ver o clube valorizando a nossa base: chega de contratar jogadores medianos e fracos.

 
Chegamos à época mais chata do ano, o período de fim de temporada e início da especulação sem freio.

E esse ano eu me preocupo mais com quem fica do que com quem vem. Temos uma barca imensa, com jogadores que deveriam ter saído em barcas de outros anos, mas que foram ficando, ficando e continuam até hoje. Também adoraria ver uma reformulação nos profissionais do DP de futebol, setor mais carente do clube nesse momento.

A diretoria não pode contratar ou mandar embora jogadores baseada somente na torcida, mas a torcida tem que ser levada em conta na hora de contratar ou mandar embora. A diretoria não pode se achar onisciente no futebol, acreditando que todas as suas escolhas são corretas e que o tempo mostrará isso.

O caso dos “protegidos” foi emblemático nesse ponto. Insistiram em jogadores ruins, que falharam por diversas vezes e comprometeram o ano do time. Desgastaram a imagem dos jogadores perante a torcida e perante os clubes que poderiam se interessar nos atletas, ficando difícil encontrar destino para alguns deles.

Até Zico, nossa entidade sagrada, se mostrou incomodado com certos jogadores do elenco. E acho que não preciso dizer que sempre devemos prestar atenção em suas palavras.

Por uma felicidade do destino a nossa base foi mais utilizada esse ano, e já mostrou que dá conta do recado. Foi necessário vir um cara lá da Colômbia para dar espaço a Paquetá, Vizeu, Léo Duarte, Vinicius Jr, Lincoln e César. Tirando o goleiro César, que retornou de um empréstimo mal sucedido ao time da Ferroviária, todos os outros estavam aí desde o início do ano, mas eram preteridos em prol dos “protegidos”.

Isso sem falar no Juan, prata da casa e craque da bola, que foi reserva nos jogos da Libertadores para Rafael Vaz. Uma aberração inconcebível.

Certa vez li o Diogo (@DidaZico) dizendo que o torcedor em geral tem mania de contratação, quer ver o time contratando aos baldes, como se isso fosse sinal de um clube grande e forte, e acabam esquecendo da base do clube nesse processo. E eu estava incluído nessa galera, já pensei assim por muito tempo. Felizmente sempre há tempo para mudar.

Hoje eu quero mais é ver o clube valorizando a nossa base. Chega de contratar jogadores medianos e fracos, esse tipo de jogador a base supre com maestria. E ainda temos a oportunidade de encontrar alguém com talento acima da média, igual o menino Vinicius. Se for pra contratar, que contratem certo, que contratem jogadores que cheguem para mudar o time de patamar, que cheguem para resolver carências do elenco.

De nada adianta ter dinheiro para investir se vão investir errado.

E eu sei que a base sozinha não se sustenta, a garotada precisa de uma referência em campo. Por isso espero que o planejamento do futebol para 2018 seja melhor do que foi em todos esses anos de diretoria azul. Já temos alguns bons nomes no elenco e temos uma base mostrando serviço, agora é se livrar de quem tira o espaço dos garotos e contratar só quem tenha nível para vestir e honrar o Manto.

E de preferência nós precisamos montar o time antes do início da temporada, já passou da hora de levar a Libertadores a sério.

SRN.
 


Sou colaborador do Mundo Rubro Negro desde os primeiros dias. Já publiquei matérias no MRN Informação e agora traço minhas opiniões aqui no Blog Resenha Rubro-Negra. Siga-me no Twitter: @George_CRF e @RESENHA_MRN

 

Foto destacada nas redes sociais: Gilvan de Souza

Compartilhar: