A entrevista de Eduardo Bandeira em O Globo: “O Flamengo precisa superar o ano de 2015”, diz Tiago Cordeiro

A entrevista de Eduardo Bandeira em O Globo: “O Flamengo precisa superar o ano de 2015”, diz Tiago Cordeiro

Nesta última segunda-feira, dia 21 de maio, O Globo publicou entrevista com o presidente Eduardo Bandeira de Mello. Entre os diversos assuntos abordados pelo setorista Diogo Dantas, o mais importante talvez seja sobre a política.

 
Tanto a interna, pois o clube escolhe em dezembro seu novo mandatário – entre notícias que dão conta de um grande acordo entre a “Chapa Azul” de Bandeira e o grupo Sócios Pelo Flamengo (SóFLA) e a “Chapa Verde”, atual principal grupo de oposição, que no último pleito teve Wallim Vasconcellos como cabeça-de-chapa e conta com figuras fortes nos bastidores, como os ex-vice-presidentes Luiz Eduardo Baptista, Rodrigo Tostes e Rodolfo Landim, este último super cotado como provável sucessor de Bandeira.

Quanto a política externa. A imensa popularidade como o comandante de uma gestão que resgatou a credibilidade de um clube conhecido pela bagunça administrativa trouxe consigo o canto da sereia do partido de Marina Silva, ex-ministra do Meio Ambiente, cuja pessoa Bandeira diz ter relacionamento desde a época que era chefe do Departamento de Meio Ambiente do BNDES. Já filiado ao partido REDE, continua esquivando-se quanto ao fato de ser candidato a algum cargo legislativo, ou até mesmo executivo, nas eleições marcadas para outubro desde ano.

O jornalista Tiago Cordeiro, que comanda o blog Cronista Esportivo publicou excelente coluna comentando esta entrevista de Eduardo Bandeira de Mello. É o texto que disponibilizamos abaixo para os leitores do MRN, com o pedido, claro, de que não deixem de acompanhar o excelente trabalho de Cordeiro, um dos grande conhecedores da política interna do clube e que esteve como gerente de Comunicação do Fla durante o período de 2013 a 2016. Boa leitura!


 

O presidente Eduardo Bandeira de Mello deu uma entrevista exclusiva para o jornal O Globo nesta segunda-feira (21.05). Conheci Bandeira de Mello no fim do ano de 2012, após a impugnação de Wallim Vasconcellos. Jeito sereno e amável, sempre esboçando um sorriso ou ouvidos atentos para o que você dissesse. Era difícil não simpatizar com ele de cara.

O tempo passou e muita água virou. O presidente assumiu o clube, rompeu com os líderes da chapa azul original, que formaram a chamar chapa verde nas eleições de 2015, e passou a ter mais poder ao grupo Sócios Pelo Flamengo. “Eduardo”, como é chamado pelos íntimos, segue sendo uma das melhores coisas que ocorreu ao clube. Seu nome já está marcado na história de forma positiva, mas é curioso ver como no próprio clube há quem se enxergue “traído” pelo seu envolvimento com o futebol. E é aí que me chama atenção a leitura de sua entrevista.

Bandeira de Mello deixa claro que a união do grupo original (que reuniu grandes executivos com um novo grupo de jovens associados) ainda não é uma realidade. “Sim. Vai ser formada uma chapa de situação que eu vou apoiar, que vai seguir nossos valores”. Embora coloque as coisas em tornos de valores, deixa claro que há uma questão pessoal ao dizer que: “No grupo dele [Landim, pré-candidato da situação] tem pessoas que me hostilizam abertamente. Não posso apoiar uma chapa que tem pessoas que dizem que saíram do Flamengo para não me dar um tapa na cara, que me chamam de traidor”.

Aqui vale uma ressalva importante. A fragmentação daquele grupo não fez bem à instituição. Em nenhum clube do mundo você abriria mão de nomes tão consolidados no mercado como os que formaram a chapa verde. Independente de quem simpatiza com quem, quais os lados do clube, o Flamengo precisa estar acima de todos. A união seria importante.

Se por um lado, há quem cobre o presidente por esse rancor, vale lembrar que integrantes da Chapa Verde seguem criticando Bandeira de Mello em redes sociais ou artigos. Ouvi de fonte próxima ao dirigente que isso manteve as muralhas da discórdia em pé. É possível minimizar isto com o fato de que Eduardo sairá no fim do ano, mas lembre-se: ele ainda é o presidente do clube. E nada impede que apoie seu candidato, com ou sem a anuência de quem o apoiou.

Profissionalismo e papo com jogadores

O presidente fala bastante sobre “sua gestão” e sobre o “vice-presidente de futebol”, um cargo que pessoalmente sempre fui contrário. Confirma uma conversa com os jogadores de motivação após a demissão de Rodrigo Caetano. E aí me ocorre que originalmente, em 2012, este tipo de situação nunca foi o objetivo. A profissionalização era um mantra tão forte em 2012, que chegou a ser usado por Jorge Rodrigues, muito próximo de Patrícia Amorim na época.

Ver o Flamengo depender desse tipo de conversa para as coisas entrarem no eixo é terrível e um sinal de que o triênio fracassou em muitas etapas no futebol ainda que seja bem sucedido em outras. Bandeira se reelegeu pela imagem que consolidou no primeiro triênio. Mas quando se elegeu o discurso muitas vezes era de que seria o membro de um grupo que nenhum clube brasileiro conta.

Candidatura

O presidente se esquiva em assumir uma candidatura a algum cargo no legislativo ou executivo nos próximos meses. Pela legislação eleitoral qualquer atitude nesse sentido pode valer uma violenta multa. Será uma pena, entretanto, se ele realmente sair candidato.

Em 2012, boa parte da motivação para impedir a reeleição de Patrícia Amorim vinha justamente do uso político do clube. Seu fracasso na reeleição para vereadora foi comemorado por todas as pessoas que elegeram e apoiaram o presidente naquele ano. É triste que o ciclo se repita, ainda que ele, certamente, tenha tudo para ser um político melhor. Bandeira poderia renunciar e se candidatar ou abrir mão de uma candidatura até 2020.

2019

Independente de quem se eleger, o Flamengo precisa superar o ano de 2015, quando o grupo azul original se rompeu. Que 2018 acabe bem para o clube e que o próximo ano traga novos ventos para o Mais Querido. Nem azul e nem verde, apenas vermelho e preto.


Acesse: http://www.cronistaesportivo.net/2018/05/a-politica-do-flamengo-prende-flamengo.html

Tiago Cordeiro é jornalista. Siga-o no Twitter: @cronistaesporte
 

Imagem destacada nos posts e nas redes sociais: Divulgação / Descomplica

Quer ser apoiador do Mundo Rubro Negro? CLIQUE AQUI

LEIA TAMBÉM

> Descomplica: Fla pode ter novo patrocínio ligado à Educação no uniforme
> O que o senhor Henrique Dourado nos ensina sobre aproveitar as oportunidades
> Em defesa do Flamengo
> Brasileiro Feminino: Flamengo/Marinha recebe Vitória-PE na Gávea
> O Mecanismo – O padrão que prejudica o Flamengo no começo do Brasileiro
> O Preço do Maracanã – Parte 1: Nada sai barato no New Maracanan
> O Preço do Maracanã – Parte 2: Assinando com o Maracanã
> O Preço do Maracanã – Parte 3: A cronologia do contrato

About The Author

ANÚNCIO

APOIADORES

ANÚNCIO

Siga-nos no Twitter

NOTÍCIAS DO FLAMENGO