A competitividade é a característica ou capacidade de qualquer organização em lograr cumprir a sua missão, com mais êxito que outras organizações competidoras. Baseia-se na capacidade de satisfazer as necessidades e expectativas dos clientes ou cidadãos aos quais serve, no seu mercado objectivo, de acordo com a sua missão específica, para a qual foi criada.

Wikipedia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Competitividade

***

Duro assistir outros times mais competitivos que o nosso disputando semifinais e finais de torneios relevantes como Copa do Brasil e Libertadores. O Flamengo, ao longo destes anos todos de uma gestão mais administrativa e financeiramente responsável, não tornou seu time de futebol competitivo apesar de todos os esforços financeiros, pessoais, estruturais e patrimoniais.

O que faltou? Noto que esta questão não é apenas para ser respondida pelos gestores atuais. Todos os candidatos a gestores do presente e do futuro precisam encontrar a resposta. Por que, apesar de ter todas condições materiais, ou seja, a aquisição de bens de capital relevantes, não produziu o bem de consumo esperado?

+ Blog Pedrada Rubro-Negra: Corinthians 2 x 1 Flamengo: O trabalho de Sisifo

O fato da percepção do time não ser competitivo, com todo investimento realizado, certamente turbinou a frustração pela falta de resultados. Ninguém se frustra de um time mambembe, de uma administração leniente e irresponsável, não conseguir satisfazer expectativas de títulos. Se frusta porque sabe que poderia, reuniu condições materiais para tanto, e teve tempo para produzir. E mesmo assim, não o fez.

A escolhas e apostas em comissões técnicas conduzidas por indivíduos inexperientes, porém com grande afinidade na tecnologia de análise de performance, e que gerava mais paciência e simpatia no Departamento de Futebol, pode ter sido uma explicação. O inexperiente pode ser dominado pelo elenco. O inexperiente fica mais inseguro de se impor. O inexperiente não viveu muitas vezes situações parecidas de jogo e pressão. O experiente sim.

Logo, deixar um elenco nas mãos de inexperientes pode dar certo em tiros curtos, porque o elenco também adota esta novidade.

Mas logo decai. Mesmo porque adversários antenados estudam e planejam estratégias para contornar as vantagens competitivas do time e explorar suas deficiências. O técnico, preso em um time dentro do elenco e um único esquema tático, fica perdido. Ainda mais sem tempo para treinamento e mesmo sem um conhecimento maior para testar alternativas táticas e rotatividade de jogadores.

Leia também: > Abraçando o fracasso

Há um planejamento na chapa da gestão atual de escolher melhor os jogadores, procurando priorizar aqueles com espírito mais competitivo, o que de certa forma, representaria uma mudança em relação a seleção por jogadores de espírito mais “cordatos”, o que é ótimo para disciplina interna mas não traz tantos resultados em termos competitivos. Todo elenco precisa de suas “ovelhas negras” que brigam com o elenco, se preciso, para conquistar resultados. Flamengo não parece ter. Talvez o Diego Alves. Quanto a chapa alternativa há um foco em cobrança e, até onde sei, na volta do Conselho Gestor de Futebol, com todas implicações que isto gera. Creio também que, hoje, a aposta em mais um jovem interino como técnico principal está definitivamente descartada por seja quem for para um futuro próximo e, espero, perene.

Concluindo, a fome competitiva deve permear toda a organização. Todo profissional deve ser contratado com base nesta premissa. Não pode mais jogadores, técnicos, staff, etc sem conquistas tendo seus contratos renovados, e se mantendo no quadro funcional por anos. A fila tem que andar. Não se conquista uma guerra com tapas nas costas e sorrisos. Se conquista mandando para cada batalha e cobrando a morte de inimigos, metaforicamente falando, claro. O Flamengo tem que ter os melhores profissionais possíveis em seus quadros, para que a cobrança dura tenha condições de ser exercida. Só pode cobrar uma pintura de Picasso de um Picasso.

Falta este espírito de guerra. Não sei quem advirá para estes próximos 3 anos, mas que coloque a faca na caveira e instituam este espírito.
 


Flávio H. de Souza escreve no Blog Pedrada Rubro-Negra aqui no MRN. Conselheiro do Flamengo e politicamente livre. Siga-o no Twitter: @PedradaRN
 

Imagem destacada nos posts e nas redes sociais: Reprodução

Apoie o MRN e ajude o nosso projeto a melhorar cada vez mais. Com R$ 10,00 por mês você participa dos nossos grupos de discussão no Whatsapp e Telegram. Seja assinante no Picpay: picpay.me/MRN_CRF ou apoiador no Apoia.se: apoia.se/mrn. Pensa em alguma outra forma de parceria? Entre em contato pelo 21 99419-6540.

Inscreva-se no canal no Youtube e acompanhe os programas MRN Live, o MRN Entrevista e muito mais! > bit.ly/canaltvmrn
 

LEIA MAIS NO BLOG PEDRADA RUBRO-NEGRA

> Corinthians 2 x 1 Flamengo: O trabalho de Sisifo
> Grêmio 1 x 1 Flamengo: o empate épico
> A roda do destino
> Idas, vindas e planejamento na pausa da Copa
> Os ciclos> As Pontes
> Flamengo 1 x 1 Santa Fé. Levanta-defunto às ordens
> Quem sabe faz a hora
> Flamengo 0 x 1 Botafogo. Adeus carioquinha 2018. Vá pela sombra.
> Emelec 1 x 2 Flamengo. A vitória elétrica
> Flamengo 3 x 0 Boavista – Superação e intensidade
> O carnaval é a maior caricatura
> A crítica é livre

NOTÍCIAS DO DIA

> Dorival Júnior projeta duelo contra o Corinthians
> Arbitragem definida para Flamengo x Corinthians
> Candidatura de Ricardo Lomba pode ser impugnada
> A palavra do presidente
> Afirmação de Rueda escancara erro de planejamento do Flamengo para 2018