Compartilhar:

Os erros do Flamengo em 2017

Esse texto é a segunda versão de um que eu escrevi no fim de 2016, analisando o ano e o que poderíamos aprender com ele. Infelizmente as lições não foram aprendidas e o Flamengo repetiu os mesmos erros em 2017.

Em 2016, após a eliminação da Sul-americana pelo Palestino, eu já pedia atenção total na Libertadores. “Jogo de Libertadores é prioridade total, não pode encarar como se fosse uma partida do Ferjão.”, escrevi no texto de 2016. E jogamos a competição mais importante do ano com Muralha, Vaz, MA, Gabriel e Matheus Sávio. Como se fosse uma partida do Ferjão.

Eu confesso que acreditava no Muralha, achei que ele fez um bom 2016 pelo Flamengo. Mas os outros não tinham explicação, ainda mais tendo Juan, Cuellar e Paquetá no elenco. Insistimos muito em um técnico que não estava preparado e que insistiu nos amigos e não nos melhores do elenco. Alguns pecados que nos custaram uma eliminação na fase de grupos da Libertadores, com 0 pontos conquistados fora de casa.

Faltou avaliação

Depois da eliminação na fase de grupos, eu acredito que o Flamengo deveria ter feito uma avaliação do trabalho do futebol que gerasse uma mudança no setor. Mas infelizmente não aconteceu.

Assim como em 2016, o Flamengo mais uma vez começou o Brasileirão sem ter um time pronto. Na verdade o que nós tínhamos era o mesmo grupo eliminado da Libertadores, com carências no elenco, já que mais uma vez montamos o elenco no meio de ano. Eu sei que a nossa janela de meio de ano bate com a de fim de temporada europeia, tem mais jogadores no mercado e etc, só que temos que respeitar o nosso calendário.

É essencial montar o time já em Dezembro/Janeiro e começar o ano fazendo a pré-temporada com um elenco definido. Diego Alves veio após a data limite de inscrição de jogadores na Copa do Brasil em 2017, que fechou em Abril, e não pode jogar a final contra o Cruzeiro. Uma grande perda técnica. Outro fato é que a Libertadores começa já em fevereiro, até lá o time tem que estar definido e treinado, faltando só alguns ajustes.

A janela de meio de ano é pra reforçar e sanar as deficiências do elenco que foram detectadas, e não pra montar o dito elenco. No meio do ano vêm os jogadores que perderam espaço na Europa, que se cansaram da china e do mundo árabe, e todos eles em fim de temporada. Aí eles não têm tempo de fazer uma pré-temporada ou um condicionamento correto, porque aqui a temporada ainda está na metade. Eles chegam e já logo são postos para o campo, um tipo de “se vira nos 30”.

Conseguem ver o problema com isso?

Esperança em 2018

Espero que 2018 seja diferente, que a diretoria enxergue seus erros em 2017 e faça melhor. Já temos um bom elenco, que precisa se livrar de algumas peças e precisa ser reforçado em alguns setores, isso tudo contando com a nossa base, é claro. Isso é pra começar o ano bem, com um time forte desde o primeiro jogo da fase de grupos. Nossa obsessão em 2018 tem que ser o título da Libertadores, e não “ir o mais longe possível”, isso é discurso de derrotado.

E que acima de tudo haja uma mudança na mentalidade das pessoas que hoje comandam o Flamengo. Nosso hino diz “vencer, vencer, vencer”, então façam por onde honrar as nossas tradições.

SRN e feliz ano novo!
 

Imagem destacada no post e redes sociais: Staff Images/ Flamengo

 


Sou colaborador do Mundo Rubro Negro desde os primeiros dias. Já publiquei matérias no MRN Informação e agora traço minhas opiniões aqui no Blog Resenha Rubro Negra. Siga-me no Twitter: @George_CRF e @RESENHA_MRN

 

Compartilhar: