O Jogo das Estrelas, organizado por Zico, terá parte da sua renda revertida aos familiares das vítimas do acidente da Chapecoense. Mas não foi a única homenagem prestada por Zico ao clube catarinense. Ele convidou para participar do jogo Matheus, filho de Sandro Pallaoro, presidente da Chape morto no acidente aéreo – que torcia para o Flamengo e tinha Zico como maior ídolo.

– A gente teve a oportunidade de botar para participar o Matheus, filho do presidente, que era flamenguista e um mês e meio antes de eu viajar para a Índia, o Caio Júnior (técnico da Chape, também morto no acidente) me ligou e queria uma camisa autografada pro presidente, pra entregar, porque o presidente era flamenguista e eu não pude realizar esse desejo dele, porque ele não pôde vir no dia, viajou para a Índia, e aí aconteceu essa fatalidade. A gente homenageou o Matheus, foi bacana dar um pouco de alegria pra ele. É lógico que nada vai trazer de volta o pai, mas ele tem que seguir os ensinamentos, o legado que o pai deixou, a educação, pra poder seguir em frente na vida dele – disse Zico, vestindo um uniforme da Chapecoense.

É mais uma ligação das vítimas do acidente com o Flamengo a vir à tona. Quatro ex-jogadores do clube (Marcelo, Arthur Maia, Cléber Santana e Mário Sérgio), um ex-técnico (Caio Júnior), um ex-jogador da base (o auxiliar técnico Duca) e dois jornalistas que torciam para o clube – e foram homenageados dando seus nomes a salas de imprensa no Ninho (Victorino Chermont e Rodrigo Santana) também estavam no voo que terminou em tragédia.