Foto: www.flamengo.com.br


Sou um privilegiado. O ano de 1981 foi mágico para o Flamengo e eu estava lá para ver. Talvez os mais jovens fiquem com inveja dos rubro-negros que viveram aqueles dias, mas eu tenho uma dica para que eles possam ser ainda mais felizes do que nós que os vivemos: Preparem-se! Novos tempos de consecutivas conquistas podem estar mais próximos do que imaginamos, e deverão ser vividos intensamente.

Foram vários grandes jogos do Flamengo em 1981, mas decidi selecionar os que eu considero inesquecíveis. Mas observem que não fomos vencedores em todos. Ocorre que nove deles foram interligados, perfazendo “três históricas partidas de 270 minutos”.

Um desses jogos de 270 minutos foi contra o Atlético Mineiro:

  • 03/07/1981 – Mineirão – 2×2 – Partida apitada por José Roberto Wright, que errou feio ao encerrar o primeiro tempo com cinco minutos de antecedência, e teve que chamar as equipes já no vestiário para concluir a etapa;
  • 07/08/1981 – Maracanã – 2×2 – Jogo em que o Flamengo poderia ter vencido, até com certa facilidade, mas mesmo naquela época batia uns vacilos. O primeiro gol do Atlético é inacreditável. Confira os melhores lances no link;
  • 21/08/1981 – Serra Dourada – 0x0 – Lembro claramente desse jogo. Eu fiquei frustrado, pois tinha a convicção de que sairíamos vencedores na bola. Não vou colocar vídeo ou escrever mais sobre aquela data, pois acredito que o detalhamento sobre a nossa versão dos fatos encontrará a sua plenitude nas palavras de Emanuel do Valle no Flamengo Alternativo.

Outro jogo que me marcou foi um amistoso onde, de um lado estava Zico, e do outro, ninguém menos que Diego Maradona defendendo o Boca Juniors.:

  • 15/09/1981 – Maracanã – 2×0 – Zico brilhou marcando dois gols, e ainda delegou a Andrade a missão de “chapelar” Dieguito. Quem viu, viu. Ainda bem que algumas imagens foram eternizadas.

A vitória mais saborosa de todos os tempos foi contra o Botafogo. Afinal, meu pai sempre reclamava da era Garrincha, onde o Flamengo acumulou tantos insucessos contra o alvinegro, a ponto de “gastarem o bicho dos jogos contra o rubro-negro com antecedência”:

  • 08/11/1981 – Maracanã – 6×0 – O Flamengo da era Zico inverteu toda e qualquer supremacia que o Botafogo possa ter tido. Mas havia um gargalo. Em todos os jogos a torcida do Botafogo levava uma faixa em alusão aos 6×0 de 1972. Ou seja, não bastava vencê-los, nada eliminava a dor da goleada de nove anos antes. Naquele dia devolvemos a humilhação. Essa história não terminaria definitivamente, pois os botafoguenses insistiam que no 6×0 deles, Jairzinho havia marcado um gol de letra. Mas outra hora retomo detalhando como pagamos isso também.

A Taça Libertadores da América não era essa frescura dos dias atuais. A decisão contra o Cobreloa foi muito além da disputa esportiva. Utilizando o jargão da moda “não era só futebol”, era muito mais que isso, era uma batalha campal. Foi o segundo jogo de 270 minutos

  • 13/11/1981 – 2×1 – Maracanã – Flamengo procurou jogar só bola. Apanhou muito;
  • 20/11/1981 – 0x1 – Nacional de Santiago – Mario Sotto jogou com pedra na mão;
  • 23/11/1981 – 2×0 – Centenário Montevidéu – O Flamengo fez valer a sua melhor qualidade e ganhou na bola. Todavia, o jogo entrou para a história por um fato inusitado, Paulo Cesar Carpegiani, treinador do Flamengo, ao chegar o final do jogo colocou o atacante Anselmo. Com a equipe chilena toda no ataque, Anselmo parou ao lado de Mario Sotto e deu-lhe um soco com toda a força da Magnética. Vencemos duas vezes, na bola e no braço. Épico. Campeões da Libertadores.

A trinca de 270 minutos seria completada pelo nosso saudoso vice, o Vasco, ou Vasco, o vice como queira.

  • 29/11/1981 – 0x2 – Maracanã – Nesse dia o Fla jogou de luto. Dias antes o zagueiro Figueiredo morrera em um acidente aéreo, se não me falha a memória. O time parecia em transe, completamente apático, e o Vasco se aproveitou disso;
  • 02/12/1981 – 0x1 – Maracanã – Se tem alguém que cansou de fazer gol feio foi Roberto Dinamite. Até as faltas que batia eram esquisitas, mas fazia gol. Durante certo tempo rivalizou com Zico, até que os títulos do Galinho o deixaram para trás. Era uma quarta-feira de noite chuvosa, que me vem à mente. O jogo chegava ao seu fim, o empate daria o título ao Flamengo, que detinha uma vantagem que exigia que o adversário tivesse que vencê-lo três vezes para ser campeão. Eis que no “apagar das luzes”, no lamaçal que se transformou o gramado do Maracanã, Roberto Dinamite fez mais um de seus gols feios. Uma terceira partida teria que ser disputada;
  • 06/12/1981 – 2×1 – Maracanã – Eu e milhares de torcedores fomos ao estádio acreditando piamente que o Flamengo seria campeão. No campo o time correspondeu. Fez uma partida brilhante. Merecia ter goleado o Vasco, mas perdeu um caminhão e gols. Isso por pouco não nos custou o título, pois, ao chegar nos 15 minutos finais, o Flamengo deu visíveis mostras de cansaço. Aí o Vasco cresceu na partida, até que Roberto Dinamite deu um passe para um desconhecido cruzmaltino qualquer, que fez o gol. Foi então que o folclore fez sua parte. Entra em campo correndo um torcedor, que depois ficaria conhecido como “Ladrilheiro”, em função de sua atividade profissional. A partir daquele momento não haveria mais jogo. Flamengo campeão carioca.

Os dez dias que abalaram o mundo foram os mais intensos, e vão, desde o dia da conquista em cima do Vasco, até o retorno do time do Flamengo aos braços da magnética aqui no Brasil. Antes do jogo, boa parte da imprensa esportiva desdenhava da possibilidade do Flamengo vencer o Liverpool da Inglaterra, que havia derrotado Bayer de Munique e Real Madrid, duas “molezinhas”:

  • 13/12/1981 -3×0 – Fora o baile – Nacional Tokio – Sinceramente? Aquele jogo não existiu. Ele foi fruto de uma alucinação coletiva. O Flamengo de Zico e companhia deu uma aula de futebol. O time inglês não viu a bola. Não acredita? Assista ao jogo completo aqui: Flamengo campeão Mundial Interclubes 1981.

 

Bem, depois de tanta lembrança bacana vai ser difícil falar da décima rodada do campeonato brasileiro de 2016, mas como não posso perder o hábito, pelo menos uma síntese teremos, afinal, o Flamengo entrou novamente no G4, e já tem gente sonhando com taça…

Santa Cruz 0x1 Flamengo

Vou falar apenas três coisas sobre a partida. Tem gente que prefere criticar o Paulo Vitor, a curtir a vitória. Tem gente que ficou triste pelo resultado por acreditar que o time não deveria jogar fechado, mas sim partir para golear um time que, nem quando tivemos grandes elencos, o Santa Cruz foi presa fácil. E a terceira, Zé Ricardo é o mais novo discípulo do Muricybol, pois aprendeu que futebol é resultado. E é resultado mesmo!

Tendências: Flamengo – Não fiquem tristes, o Flamengo está dando mostras que poderá, em um curto prazo de tempo jogar ainda melhor. Não nos esqueçamos do desequilíbrio e das limitações impostas pelos equívocos no planejamento; Santa Cruz – parece que acabou o gás.

A rodada foi excelente para nós, como poderemos conferir abaixo:

Palmeiras 2×0 América – Rotina. Vitória justa do Palmeiras. A diferença na tabela já denunciava.  Tendências: Palmeiras – G4, e luta pelo título; América – O presidente já está delirando, hoje falou grosso com o elenco.

Ponte Preta 0x4 Cruzeiro – Campeonato maluco. A Macaca resolveu ajudar as equipes de Belo Horizonte. Tendências: Tilt.

Botafogo 0xo Figueirense – Por que ainda insistiram em jogar? Tendências: B, de Botafogo.

Fluminense 2×4 santos– O Fred deixou um monte de viúvas. O santos roubou o caixão. Tendências: O Fluminense perdeu a referência do campeonato. Se não contratar pode ficar pelo meio do caminho; o Santos é imprevisível.

Atlético/MG 2×0 Corinthians – O Galo já se aproveitou da maldição do Cristóvão. Corinthians de cara já saiu do G4 Tendências: Atlético/MG – G6; Corinthians – Será que sobrevive a saída de Tite? Até a arbitragem o deixou na mão. Falando em arbitragem , as reclamações do time paulista de que marcos Rocha estaria impedido no gol de Fred são infundadas. O bandeirinha dava condições ao jogador das Alterosas.

Chapecoense 0x0 Atlético/PR – Na boa, nem sei se a partida terminou. Surgiu um novo personagem no futebol brasileiro, o nevoeiro.  Tendências: Frio, muito frio…

Grêmio 1×2 Vitória – Zebra. Bom para o Mengão Tendências: Figueirense – Os opostos se afastarem.

São Paulo 0x0 Sport – O jogo estava tão ruim, que decidi parar de assistir. Tendências: São Paulo – cabeça na Libertadores; Sport – Ficar delirando com o título de 1987.

Coritiba 1×1 Internacional – Nem sei o que falar. Mais um resultado que faz a Magnética sonhar. Tendências: Cada um numa ponta da tabela.


Sem mais delongas vamos direto para a classificação atualizada:

classificacao11

classificacao22

Imagem: Torcedores.com

 

Cordiais Saudações Rubro-Negras!

 

Crédito imagem destacada: flamengo.com.br
Seja um #ApoiadorMRN! Ajude contribuindo com R$ 5, R$ 10 ou R$ 20 mensais e participe do nosso grupo exclusivo de WhatsApp e muito mais. Esta é a forma que nós temos de manter e planejar o nosso projeto como um todo. Se você possui um negócio ou serviço que precisa ser divulgado, temos planos de apoio a partir de R$ 50 mensais com publicidade no nosso site e redes sociais. Clique aqui e vire um #ApoiadorMRN: bit.ly/ApoiadorMRN
Participe da campanha especial de arrecadação para viabilizar a produção e edição de conteúdo no canal do MRN no YouTube. Doe qualquer quantia de forma rápida e segura!