Mesmo jogando melhor na segunda etapa, Flamengo é punido com falha da zaga em bola parada e volta para a casa com mais uma derrota


Por Igor Pedrazzi – MRN Informação

Mais uma vez, não deu. Mesmo com o time mostrando alguma evolução comparado ao que era com Luxemburgo, o Flamengo foi derrotado em lance de bola parada. Arbitragem pelo quarto jogo seguido deixa dúvidas no ar, dessa vez com bola na mão de Pará dentro da área após cruzamento de Alecsandro. O Flamengo tem 1 ponto em 15 possíveis, e jogará no próximo sábado contra a chapecoense no Maracanã.

O JOGO

Início de jogo com muita intensidade, prometendo muita correria e disposição das duas equipes. Mas os dez primeiros minutos foram de pouquíssimas emoções. O Flamengo se fazia mais presente no campo de ataque do adversário, e teve algumas oportunidades em escanteios que não ameaçariam o goleiro Fábio. As duas equipes erravam muitos passes, e o jogo se prendia nas duas intermediárias.

 

Paulo Victor se atira aos pés de Marquinhos evita o gol.

Paulo Victor se atira aos pés de Marquinhos evita o gol.

Cristóvão Borges optou por Paulinho no lugar de Arthur Maia, e com essa proposta de time mais leve dificultava a saída de bola do Cruzeiro. Já é possível observar o Flamengo mais arrumado e com um padrão de jogo mais definido na mão de Cristóvão, faltando algumas peças pra fazer essa máquina girar. O jogo continuou sem qualquer tipo de lance de perigo até os 20 minutos, com os goleiros descansando em campo. O primeiro chute a gol foi aos 21′ com Willian, com Paulo Victor agarrando a bola sem dificuldade no meio da meta.

Aos 23′ Alecsandro tentou um chute de longa distância, sem nenhuma direção. A partir de então, o jogo começava a ganhar em emoção, com bons ataques da equipe mineira. Paulo Victor defendeu a bomba de Henrique aos 29′, e depois, aos 32′ operou dois milagres após escorregada de Samir, na primeira tirando a bola dos pés de Marquinhos e depois em chute a queima roupa de Leandro Damião. O Cruzeiro ia crescendo na partida, e entrincheirando o Flamengo, que não conseguia fazer a transição entre defesa e ataque. E o primeiro tempo terminaria sem mais nenhuma chance clara de gol para ambos os lados. O Flamengo ficou com 45% de posse de bola nos primeiros 45 minutos.


O segundo tempo começou com mudança no Mengão. Anderson Pico em péssima noite foi substituído por Luiz Antônio, com Pará sendo deslocado para a lateral esquerda. Aos 4 minutos, o árbitro Luiz Paulo de Oliveira deixou de marcar um pênalti a favor do Flamengo após Pará cortar um cruzamento de Alecsandro com a mão. A equipe Rubro Negra havia voltado melhor, e Luiz Antônio quase marcou em cobrança de falta aos 10′. Na resposta, Willian chutou com força, e a bola raspou a trave de Paulo Victor aos 11 minutos.

O Flamengo conseguia trabalhar mais a bola no campo de ataque, e com dois escanteios o time chegou bem, com Jonas e Samir aos 17′ e 19′. Marcelo Cirino era perigoso puxando alguns contra ataques pra equipe, mas pecando no último passe o Flamengo não conseguia oferecer perigo real. Em outro escanteio, dessa vez para o Cruzeiro, a bola sobrou pra Alisson que chutou fraco a direita de PV aos 22′. Mas a melhora da equipe no segundo tempo foi toda por água abaixo. Aos 30′, Manoel subiu sozinho e completou para o gol. Diante da retranca Cruzeirense, o Flamengo pouco conseguia fazer. E mesmo com a entrada de Eduardo, aos 39′, o Flamengo nada mais vez. Mais uma derrota.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 X 0 FLAMENGO

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data/hora: 3/6, às 22h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio Oliveira (SP)
Assistentes: Herman Brumel  e Alex Ang Ribeiro ambos de São Paulo

Cartões Vermelhos:
Cartões Amarelos:  Bruno Rodrigo (CRU), Everton e Alecsandro (JOI)

Público/Renda: 12.071 pagantes/ R$ 453.633,00
Gols: Manoel 32’2T (1-0)

CRUZEIRO: Fábio; Mayke, Manoel, Bruno Rodrigo e Pará; Charles, Henrique, Willian (Alano, 23’/2ºT), Gabriel Xavier (Alisson, 14’/2ºT) e Marquinhos; Leandro Damião (Henrique Dourado, 26’/2ºT). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

FLAMENGO: Paulo Victor; Pará, Wallace, Samir e Anderson Pico (Luiz Antonio, Intervalo); Jonas, Márcio Araújo (Eduardo da Silva, 38’/2ºT), Paulinho e Everton; Marcelo Cirino  (Gabriel, 19’/2ºT) e Alecsandro. Técnico:  Cristóvão Borges.