YIN

Evoluir sempre

t1 (1)As perspectivas para o Flamengo em 2017 são as melhores possíveis. A começar pelo time, que não perdeu nenhum titular e está contratando reforços para as posições carentes. Contratações qualificadas, nada desses jogadores de expressão menor que eram, até pouco tempo atrás, usados para inundar o elenco, com pouco ou nenhum resultado esportivo.

Com efeito, estão chegando o Trauco, lateral de seleção, jogador jovem e em ascensão, eleito o melhor da temporada passada no Peru. Junto a ele, ninguém menos que Conca, Darío Conca, jogador altamente capacitado, de técnica indiscutível, capaz de subir, por si só, o nível de uma equipe. Conca deverá ser importantíssimo para o Brasileiro e as fases decisivas da Libertadores.

Também está praticamente fechado o Rômulo, jogador que se destacou no Vasco em 2011, com passagem pela Seleção e que desenvolveu boas temporadas no futebol russo. Rômulo, a se confirmarem as expectativas, deverá formar a dupla de volantes com Willian Arão, encerrando assim a controversa experiência de Márcio Araújo como titular. Aliás, Márcio Araújo poderá, enfim, exercer um papel de reserva útil, minimizando o injusto desgaste em sua tormentosa relação com a torcida rubro-negra.

Vai ficar faltando o ataque, para completar as quatro contratações anunciadas pela Diretoria. Sabendo-se como o Rodrigo Caetano (cujo forte é sua desenvoltura no mercado de jogadores) trabalha, e tendo em vista o excesso de “balões de ensaio” jogados ao ar, não se surpreenderia se o Flamengo inflamasse sua torcida com uma contratação totalmente inesperada e de alto nível para o setor, até porque, até aqui, não se gastou um centavo com reforços.

Saíram Emerson Sheik, Fernandinho, Alan Patrick e Chiquinho. Os dois últimos já foram repostos. Mesmo rumo deverá tomar o Cirino e talvez o Adryan. É possível que essas lacunas sejam supridas pelo tal “quarto reforço” e pela base (ou mesmo pelo próprio Fernandinho, de quem o Flamengo ainda não desistiu). Sem falar no Ederson que, estando em forma, também entra pra brigar pela vaga.


Muralha, Pará, Rever, Vaz, Jorge; Arão, Rômulo, Diego; <atacante>, Guerrero, Conca.

Tá ficando bonito.

Há ainda a questão do estádio, que muito atrapalhou o Flamengo ano passado. Dessa vez a Diretoria agiu rápido e tomou a Ilha do Botafogo. Teremos um recanto rubro-negro para atender ao time na maioria dos jogos da temporada. Além de reduzir as viagens e aumentar o tempo de treinamento, haverá ganho esportivo, uma vez que o Flamengo disporá de um caldeirão infernal para aterrorizar seus adversários.

Também temos um Centro de Treinamento novinho em folha, de alto padrão, capaz de atender às mais variadas demandas do Departamento de Futebol. O exuberante trabalho de 2016, que reduziu ao mínimo a perda de jogadores por lesão, deverá ter continuidade, concedendo ao treinador a prerrogativa de contar com todos o elenco para qualquer partida.

Como gancho, chega-se ao treinador. Não bastasse contarmos com o melhor elenco dos últimos 20 anos, dispomos de um profissional extremamente qualificado, apto a moldar um esquema moderno, funcional, flexível e capaz de aproveitar as peças do plantel, que em 2016, em um trabalho fantástico, logrou recuperar nomes como Gabriel, Rafael Vaz e Everton. Uma vez que o elenco está, em sua maior parte, mantido, Zé Ricardo não sairá “do zero”, mas já desfrutará de uma espinha dorsal, uma base, para aprimorar o esquema que levou o Flamengo à Libertadores e quase redundou no Hepta Brasileiro. O próprio treinador já admite ter peças interessantes e subutilizadas à sua disposição, e pensa em aproveitar mais e melhor os jogadores das divisões de base. Dessa forma, tudo indica que, com seu esforço e sua capacidade, Zé Ricardo poderá sofisticar a forma de jogo do Flamengo, montando uma máquina capaz de enfrentar qualquer equipe, em qualquer solo.

Finalizando, as divisões de base. Ao contrário do quadro de penúria de uns quatro, cinco anos atrás, o Flamengo já reúne uma safra de jovens nos quais se enxerga, de forma indiscutível, talento. É o caso de Ronaldo, Léo Duarte, Lucas Paquetá, Felipe Vizeu, Matheus Sávio e Thiago Santos, jogadores que, na pior das hipóteses, podem exercer um papel útil no complemento do elenco.

Enfim, todos os elementos estão convergindo para o sucesso. O trabalho está sendo feito. Com um elenco qualificado, um estádio para uso próprio, um CT de ponta, um treinador atualizado e jovens da base prontos para subir. Sem falar, naturalmente, na mística de sua camisa e na força sobrenatural de sua Nação. Não há o que dar errado. O Flamengo de 2017 vem forte e vai brigar por tudo o que aparecer pela frente. Brasileiro, Copa do Brasil, Libertadores, Mundial. A ideia é disputar e vencer tudo.

O ano mágico chegou. Apertem os cintos.

YANG

Mais do mesmo

t2 (1)As perspectivas do Flamengo para 2017 são as mais opacas possíveis. A começar pelo time, que praticamente é o mesmo do ano passado, repleto de jogadores meia-boca.

Com efeito, as contratações, até aqui, resumem-se a um peruano desconhecido, provavelmente pereba (lateral peruano faz lembrar o Jorge Soto, “craque” dos anos 2000) e ao Conca, que vem bichado, está velho e vai se esbarra com o Diego. Ou seja, nada.

Também é provável que chegue o Rômulo, que jogou seis meses de bola no Vasco e depois sumiu na Rússia, exílio clássico de jogador meia-perna. Para piorar, ainda se machucou. Mesmo já tendo voltado da lesão, normalmente esses caras nunca vêm jogando a mesma coisa. Não é à toa que vinha esquentando banco por lá. Vai chegar aqui tocando bola pro lado e em cinco jogos perde a posição pro Márcio Araújo, o indestrutível.

Dizem que vem alguém pro ataque. Pra quem tentou luminares como Keno e Marinho (e nem esses conseguiu trazer), não se espante que os reforços pro setor sejam Fernandinho (o retorno) e Marcos Guilherme (quem?), uma espécie de “marcioaraujo” lá do Paraná, que a torcida já botou no OLX a 1 real. Até porque essa diretoria não gastou nenhum centavo com reforços, e seguirá sem gastar.

Saíram Emerson Sheik, Fernandinho (será mesmo?), Alan Patrick e Chiquinho. Boa barca. Poderiam ir junto o Cirino, o Gabriel, o Márcio Araújo, o Adryan, o Pará, o Rodinei, o Paulo Victor, o Ederson e o Damião, pra começar a conversa.

Não veio nenhum reforço indiscutível. Os que saíram vão ser repostos por garotos ou apostas. Há problemas nas pontas, no meio e provavelmente na zaga. Porque o Vaz já começou a virar abóbora, o Juan não aguenta jogar duas partidas fortes seguidas e o Rever vai embora no meio do ano. Vai sobrar o bonde Donatti, aquele que caiu sentado. Para piorar, o Muralha vai ser convocado direto e a opção continua sendo o frangueiro Paulo Victor. O Jorge tá doido pra ir embora e vai vazar. Ou seja, poderemos ter que escalar esse time aqui, nos dias de jogos de Eliminatórias:

Paulo Victor, Pará, Donatti, Vaz, Trauco; Arão, Márcio Araújo, Diego; Gabriel, Damião, Everton.

É com isso aí que quer passar de fase na Libertadores?

Há o estádio. Depois de entenderem que ficar brincando de “arena teatrinho” e querer ficar de “mãozinha dada” com bandido de TO adversária, finalmente a diretoria entendeu que estádio é praça de guerra, palco de luta, de combate, e, depois da boa experiência com Cariacica, resolveu fazer, com um ano de atraso, uma “arena” própria. Mesmo assim, fazem errado. O campo, além de feio e pequeno, não tem alambrado. Não tem alambrado! Primeiro resultado ruim, primeiro passe errado do Márcio Araújo e a torcida vai descer pra baixar a porrada. Já fez no passado, por que não faria agora? Desce a madeira, aí o estádio vai ser interditado (não se espere complacência) e retornaremos a 2016, tendo que jogar em outras praças.

Centro de Treinamento… Perfumaria. Frescura. Flamengo foi campeão do mundo treinando na Gávea. Esse papo de tecnologias, penduricalhos é conversa mole pra desviar o assunto e paparicar jogador mimado. De fato, as lesões diminuíram, mas o que adianta se um dos jogadores que ganham mais, o Ederson, tem dois anos que não joga? Que não desempena nunca?

Não dá para se esquecer do treinador. Estão encantados com esse Zé Ricardo, que nada mais fez do que exercer, de forma bastante competente (reconheça-se), o papel do auxiliar-que-assume-na-crise-fecha-panela-faz-time-correr-pra-ele. Limitado, retranqueiro e paneleiro, encostou os gringos, colocou o Bonde da Stella pra jogar e assim deixou a panela feliz. Jogador feliz corre mais, e jogador que corre dá resultado. Problema é que depois não se sustenta, aliás já vimos isso em 2013-14. Não dá para imaginar que “cinderelas” como Gabriel, Everton e Rafael Vaz vão jogar por muito mais tempo o futebol que não sabem. E nem se mencione Márcio Araújo, caneludo pavoroso que parece desfrutar de imunidade titular com o elenco, a diretoria e o técnico.

Com a base, não há muito o que se estender. Dos dez que sobem, vão colocar um nos profissionais, no elenco, e vender a preço de banana. O resto vai rechear os elencos das luverdenses da vida. E vamos seguir reclamando que o Flamengo não revela jogador. Assim foi, assim é e assim será.

Enfim, o cenário é sombrio. Esse Zé Ricardo vai se embolar e na primeira sequência ruim, vai querer mexer na panela. Vai perder o grupo e rodar. A diretoria vai meter os pés pelas mãos, trazer algum “jovem promissor” pro lugar, vai empilhar derrotas, e aí, no final do ano, para se livrar do rebaixamento, contratará algum desses medalhões “salva-vidas”, que ganhará um cacho de jogos e o emprego pro ano que vem. E todos ficaremos satisfeitos e felizes com o décimo lugar e cantando que nunca fomos rebaixados.

E, quem sabe, esperar o ano mágico. Que é sempre o ano que vem.

 
Adriano Melo escreve seus Alfarrábios todas as quartas-feiras aqui no MRN e também no Buteco do Flamengo.
Siga-o no Twitter: @Adrianomelo72

 
 
Deixe seu comentário!


Este texto faz parte da plataforma de opinião MRN Blogs, portanto o conteúdo acima é de responsabilidade expressa de seu autor, assim como o uso de fontes e imagens de terceiros. O Mundo Rubro Negro respeita todas as opiniões contrárias. Nossa ideia é sempre promover o fórum sadio de ideias. Email: [email protected].

Vire Apoiador do MRN: entenda melhor clicando nesse nesse link: bit.ly/ApoiadorMRN

Outras formas de ajudar este projeto:
– Nosso site faz parte do plano de afiliados do Nação, o programa de sócio-torcedor do Flamengo. Se você clicar em bit.ly/STdoMRN e aderir ao programa, ou até mesmo renovar seu atual plano, o Mundo Rubro Negro ganha 50% da sua primeira mensalidade.