MimimiDoCazo


Bruno Cazonatti | Twitter @cazonatti

Nada melhor que estrear a minha coluna aqui no Mundo Rubro Negro com o mais puro e genuíno “mimimi”. E é o que mais tenho visto nestes dias, após o anúncio de que o Flamengo jogaria em Natal e em Brasília. Então, vale mesmo vender as partidas para fora do Rio de Janeiro? Bom, daí depende do ponto de vista sobre como a palavra “vale” é interpretada por cada rubro-negro que compõe a Maior Torcida do Mundo.

Se pensarmos monetariamente, creio que seria um consenso que sim, pois é preciso fechar as contas e esta ação faz dinheiro entrar em caixa. Mas, vou além das questões financeiras, até porque vi muito rubro-negro carioca reclamando dessa decisão e afirmando que o Maracanã é a casa do Flamengo, e que sem a torcida empurrando perderemos pontos importantes e blábláblá.

Primeiramente, balela. Sim, balela, pois o desempenho recente do time dentro do ex-maior estádio do mundo deixa a desejar. Não sou estatístico, mas pode ver a quantidade de vacilo que o Flamengo deu dentro do seu “alçapão”. Segundamente, o Vasco. Continuando, esse papinho de que fora do Maracanã não tem torcida jogando junto com a equipe é querer ofender o rubronegrismo e o código de ética flamenguíssimo que rege, além do “time grande não cai”, que somos a “maior nação do Mundo”.

2Em qualquer lugar que o Flamengo jogue, ele está em casa. Seja qual for o estádio, incluindo os superfaturados e jogados às baratas após a Copa do Mundo 2014, a torcida do Flamengo lota. Independente de campanha boa ou ruim. Porque os rubro-negros que falam chiado e chamam os brothers de mermão aqui na Cidade maravilhosa, não são mais ou menos apaixonados que os ditos off-Rio. São eles, também, que fazem o Flamengo ser este gigante que arrasta multidões sem demarcação territorial. O Mais Querido do Brasil e além até.

E a extensão desse amor, disseminado desde a época de Dida, Leônidas da Silva, e que chegou ao auge com nosso Esquadrão de Ouro, já nem depende tanto assim de supercraques para se revitalizar. O amor que nos faz seguir o Flamengo independe se é o Obina, o Walter Minhoca ou o Guerreiro quem comanda a equipe dentro de campo. E essa paixão, esse amor, não cobra se você é carioca, nordestino, soteropolitano, etc. Até porque, quem nasce no Brasil é Flamengo, o resto é que segue pelo caminho torto.

Onde o Flamengo estiver, nós estaremos. Com sotaques, timbres, cores e raças diferentes. Somos um imenso clã de mulambos orgulhosos, somos favela, somos urubu, somos elite e somos povão. Somos todos, menos alguns. Mas sempre com o mesmo amor e devoção por este clube.

O resto é tudo mimimi.

 

 

At8WUPPTCVEuqnAiDFT8guFoP6mRqYkDEYeOY9iB6pQb


Jornalista, fotógrafo e roteirista. Carioca, balzaquiano e integrante da Maior Torcida do Mundo. Utiliza este espaço para disseminar seu amor pelo Flamengo. “Eu não morro de amor pelo Flamengo. Eu vivo por esse amor”.


Bruno Cazonatti

 

 

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA A GENTE NO TWITTER