Por Igor Pedrazzi - Twitter: @Igor_Pedrazzi - Resenha Rubro Negra

Tenho 23 anos. Infelizmente nasci após a geração gloriosa do Flamengo dos anos 80. Vídeos na internet, histórias dos mais antigos, confortam meu coração e fazem a imaginação ir longe, só pensando em como seria mágico ver o Flamengo jogar. As suas maiores conquistas, os seus maiores ídolos e seus maiores feitos. E eu não estava lá pra ver! Me bate uma ponta de inveja de quem viveu isso tudo, aquela inveja boa sabe? De você olhar pra quem tá te contando aquela história e falar “caramba, é tudo verdade mesmo?”, por conta do tamanho da história que o Flamengo escreveu durante esse período.

Então, vem março de 1991 e eu venho ao mundo. Em 92, Mengão Pentacampeão Brasileiro. Mas e eu? Preocupado com a mamadeira. E ainda esperei 18 anos pra poder sentir o gostinho de vê-lo como melhor time do Brasil, muito mais por intervenção de São Judas Tadeu, Pet e Adriano, do que pela competência dos que lá estavam gerindo o clube. E as constantes lutas pra não cair? E as crises? E as vezes que ficava triste vendo o Flamengo em página policial? E como ficava vendo o meu amado Flamengo sendo sugado por pessoas completamente mal intencionadas e sendo chacota por constantes fracassos? É, eu sofri. Tive duas Copas do Brasil, mas que não chegam nem perto do que o Flamengo fazia em sua época de ouro.

E o dia 23 de janeiro de 2015, foi um dos que mais senti orgulho em ser Flamengo. Estou podendo acompanhar o renascimento de um gigante adormecido, a reorganização total de uma terra arrasada, resgatando sua moral e ética. O Flamengo deixando de lado as velhas manias, e voltando a ser correto, íntegro, responsável e democrático. Sei hoje que quem queria o mal do Flamengo está a cada dia mais distante. Dia histórico pro meu Flamengo, senhores. Vitória. Mesmo sem entrar em campo.

Me sinto confiante, esperançoso. O futuro poderá ser lindo. E quero a possibilidade de contar pros meus filhos o que o Flamengo da época do pai deles fazia, pra que eles sintam a mesma vontade que eu tinha de estar em Tóquio, ou em um estádio vendo o Flamengo ganhar uma libertadores.

Hoje, 242 novos conselheiros fazem parte do Flamengo. Irão debater as principais decisões do clube.


E eu, gostaria de fazer um pedido a vocês:

Ajudem a fazer um Flamengo melhor. Façam tudo com amor. Mantenham-se sempre unidos. O Flamengo precisa. Me façam ter histórias para contar. Me façam viver também esse filme que vocês já conhecem.

Saudações Rubro Negras.