Por Cláudio Pracownik e Arian Bechara


 

Tendo em vista o artigo intitulado “Finanças azuis são irreais” divulgado na 2º edição do jornal da chapa verde, e em razão das afirmações e questionamentos que ali são feitas pelo ex-Vice Presidente de Finanças e pelo ex-Vice Presidente de Planejamento, cabe a nós, que elaboramos os números e as projeções esclarecermos alguns pontos:

– todas as premissas e critérios utilizados estão disponíveis no Anexo 1 do Plano de Metas, no endereço http://www.chapaazulfla.com.br/plano-de-metas.pdf. Diferente do discurso agressivo e bravateiro, a elaboração dos números obedeceu a critérios técnicos e são transparentes;

– talvez uma das afirmações mais irreais, arrogantes e descabidas do tal artigo é que “os números apresentados só podem ter sido criados por alguém que não trabalhou no clube”. Os números em referência foram desenvolvidos pelo Cláudio Pracownik, Vice Presidente de Finanças, Arian Bechara, membro do Conselho Fiscal e por Benny Kessel, membro da Comissão Permanente de Finanças do Conselho Deliberativo. Todos com vasta experiência profissional no campo das finanças! Todos eles, ao contrário de outros tantos que optaram por sair no meio de seus mandatos, continuam trabalhando e contribuindo para o clube;

Receita: o clube orçou para o ano de 2015, R$ 365 milhões, valores que foram revistos em setembro para R$ 350 milhões, já tendo sido realizados R$ 266 milhões nos primeiros nove meses. Tudo leva a crer que iremos fechar o ano em patamar próximo do previsto, valendo ressaltar que, a revisão orçamentária se deu em função da não performance das rubricas programa Nação Rubro-Negra e Projetos Incentivados, orçadas erroneamente pelo antigo VP de Marketing, Luiz Eduardo, que atualmente faz parte da chapa verde;

Despesas: TODOS os cenários projetados pela Chapa Azul preveem a continuidade do pagamento das penhoras referentes ao Consórcio Plaza, assim como as demais penhoras atualmente existentes. Preveem ainda a quitação do empréstimo obtido junto ao Consórcio Maracanã, dentro do ano de 2016. Bastava uma rápida leitura no documento para que as bandeiras da leviandade não fossem desfraldadas;


– em nenhum momento há a afirmação que os próximos três anos serão de “fartura financeira”, assim como em nenhum momento foi afirmado que novos empréstimos não seriam necessários, ao contrário, visando um melhor alinhamento do fluxo de caixa, foram previstas captações de R$ 30 milhões em 2016 e R$ 20 milhões em 2017. Bastava uma breve leitura no material divulgado e mais essa leviandade teria sido evitada;

– agora, o que mais nos chamou a atenção foi a afirmação de que o clube ainda deve mais de R$ 550 milhões, desconsiderando o balancete de setembro e os efeitos do Profut na redução do endividamento. Das duas uma, ou pararam de acompanhar os números do clube após terem abandonado a gestão, ou surgiram dificuldades técnicas a esses vice-presidentes.

Nosso planejamento prevê 3 tipos de cenários de resultados. A Chapa de oposição prevê apenas um cenário apocalíptico, estratégia banal para superar metas modestas e vender supostas competências excepcionais. O Flamengo é grande e deve ambicionar grandes metas!

A Chapa Azul está à disposição de qualquer associado que tenha interesse em discutir tecnicamente sobre QUALQUER um dos números apresentados, uma vez que não se baseia em bravatas e frases prontas para montar seus cenários.

Saudações rubro-negras.