Patrícia Castelan | Twitter @patycastelan

barriga verdeNa tarde deste último domingo, o mundo viu o que podemos chamar de “O Maior Espetáculo da Terra”: o Maracanã lotado vestido de rubro-negros com 61.421 mil pagantes no total. Badalações com os astros campeões do UFC José Aldo e Ronda Rousey à parte, a Nação rubro-negra mostrou sua força e bateu o recorde de maior público do Brasileirão 2015. Feito celebrado pelo perfil de Twitter oficial do Maracanã.

“Urubus de todas as espécies” (flamenguistas de várias TO’s), foram os responsáveis pelo show, com cânticos e bandeirões. Fato este, que serviu de inspiração para esse texto que tem como finalidade convidar a Nação para um mergulho na história das torcidas mais expoentes do Flamengo. Deixando a parte ruim de lado (que infelizmente existiu em alguns episódios mas que, tem diminuído ano a ano), vamos relembrar o tempo em que era genuinamente tudo “pelo Flamengo”.

Conta a história, que a primeira torcida do país data de 1930, em São Paulo. No início dos anos 40, quando a faixa “Avante Flamengo” apareceu pela primeira vez e ali começava a “Charanga” de Jaime de Carvalho.

Em 1967, criada para participar da política da Instituição Flamengo, com a faixa “Poder Jovem”, nascia a “Torcida Jovem do Flamengo.

No ano de 1977, um grupo de pessoas que torciam de pé, cantando e apoiando o Clube de forma arrebatadora e diferente, passou a chamar a atenção de todos. Era o nascimento da Raça Rubro-Negra.


A divertida e sempre presente Fla Manguaça, comemora 20 anos em 2015. Conhecida pelo ar descontraído dos seus integrantes, apoia o Flamengo desde 95. Seus lindos bandeirões podem ser vistos em diversas partes do país.

Sem título

Maracanã celebra quebra de recorde no Brasileiro 2015 | Foto @Maracana

A mascote rubro-negra é a Nação 12. Com o intuito de apoiar o time incondicionalmente, cantando e vibrando desde o apito inicial até o final. Concentrada nas cadeiras amarelas do Maracanã, fez seu debut em 31/10/2009. Jogo épico da história recente do Mengão: 1 x 0 contra o Santos. Gol do craque eternamente adorado pela Nação, Adriano.

As torcidas organizadas, demonizadas ano a ano pela crescente violência que infelizmente se instaurou dentro dos grupos, é o coração de um espetáculo de futebol. São elas que dão forma aos sentimentos intangíveis e os tornam factíveis.

Felizmente as torcidas do Flamengo, estão cada dia menos envolvidas em casos de violência e a cada dia mais nos dando espetáculos memoráveis como o de ontem. O esporte agradece. Cada cidadão do país e do mundo agradecem. Que a Nação continue servindo de exemplo em grandes jogos de torcidas mistas, como foi ontem. O futebol é o maior espetáculo da terra para nós, os apaixonados. E ninguém entende mais de grandeza, de torcer bonito, ninguém no mundo faz isso melhor que a Nação rubro-negra.

 

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA A GENTE NO TWITTER