logos10-e1436720013602

Gerrinson R. de Andrade | Twitter: @GerriRodrian

Primeiro Preâmbulo

 

Certo dia, uma senhora me veio dizendo que Albert Einstein nem humano era. Que sua inteligencia e conhecimento estavam acima da capacidade do Homem.

O sujeito estudo, dedicou-se aos livros e reflexões, privando-se de entretenimentos; dedicou sua juventude ao conhecimento da obra de outros cientistas, os quais dedicaram também sua vida aos seus trabalhos, influenciados e orientados por outros.

Todos eles e antes deles, tantos outros, por séculos, desenvolvendo e propondo ideias, em exaustiva dedicação ao desenvolvimento científico.

Muitos, aliás, pagaram seu preço – morrendo em fogueira, despescoçados em guilhotina ou assando no câncer com sabor de urânio.

Ao propor que tenha sido Einstein um ET – quanto da vida real a senhora não jogou por terra? Menosprezou, a um só tempo, o merecimento do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, a escola onde estudo o jovem Eistein, bem como toda sua passagem pela Universität Züri. Não teve Einstein grandes e capazes mestres, mais os coordenadores de ensino, a tia da merenda?


Explicações fáceis – que apresentam atalhos ou ignoram os dados da vida cotidiana – devem sempre ser menosprezadas do mesmo modo que menosprezam a realidade.

Einstein é um ET quando é o momento de compreendermos suas complexas teorias – mas era demasiadamente humano quando fumava seu cachimbo ou pagava o aluguel.

Primeira Lei de Wallace

Não há Talento que possa ser descontextualizado.

***

Segundo Preâmbulo

chico

Um vizinho, já falecido há uns vinte anos, viveu dizendo que nem Chico, nem Caetano, nem Roberto, nem nenhum desses notórios compositores de centenas e centenas de músicas conseguiria realmente compor tanto.

“Tudo música comprada. Muito compositor pobre vende a música, ganha um dinheiro pro sustento. Aí chega o famoso e põe o nome dele”, dizia esse vizinho, com certeza de apostar o pé direito.

“Não dá, ninguém faz tudo isso não. Faz aí umas cinco, seis – ninguém consegue ficar com essa criatividade. E vou falar, disso tenho certeza, a maioria mesmo só inventa uma melodia na vida – assovia uma coisa, de sua invenção mesmo. O resto é melodia imitada”.

Que há muito gato por lembre, ninguém duvida. Mas não haveria então na MPB esse talento de um Chico Buarque, inesgotável?

E o que seria mais difícil, afinal, ser o criador real de suas músicas ou sustentar a mentira por tantas décadas, num mundo de vaidosos e aproveitadores?

Ninguém faz mais de 500 músicas por ser o escolhido, um ET ou aberração mutante.
Faz por ter domínio absoluto de sua técnica de composição e um contexto social que o alimenta e lhe dá ouvidos.

O vizinho viveu assim, morreu na certeza que fazer música como o Chico Buarque era impossível.

Segunda Lei de Wallace

O Talento se manifesta tão somente quando a execução é bem sucedida – sucessivas vezes.

***

Terceiro Preâmbulo

 

Teve um cara chato. São-paulino.

Sujeito desagradável, aparecia na repartição para entregar documentos.
Foi descobrir que eu era rubro-negro, começou:

“O Zico não era isso tudo, não”.

A vontade era de lhe bater na cara,
mas o bom flamenguista é aquele que zela pelo emprego.

“A Globo pagava e tava isso de tv colorida, narrador comprado. Tudo papo. O cara era fraco”.

Eu hesitava. Chegava a temer a cara que aquele velho fazia, enrugando em canalhice, fazendo a voz em zumbido, de mau-caráter..

“Perdemos 78, 82, 86 por causa dele”, dizia com rancor. “Zico foi uma farsa…”.

Cheguei a supor que fosse de provocação. Mas era pior.

Era a opinião. Era a convicção.

Eu argumentava e para cada argumento, o desgraçado alucinava:

“Zico é o maior artilheiro meio campista do mundo de todos os tempos”, eu dizia.

“Marcou isso contra Madureira, até minha avó fazia isso tudo”, o sujeito não se abalava, embora eu lhe apresentasse o óbvio.

Aquilo não me fazia sentido.

Na segunda vez que veio me falar, começou dizendo “sabe um que foi melhor que ele? O Silas”. Eu lhe dei as costas e saí, em minhas náuseas e interrogações.

Felizmente, dias depois, fui trabalhar noutro prédio e nunca mais o vi.

Terceira Lei de Wallace

Maior o Talento, maior a incredulidade alheia.


Orra, é Mengo!

Comente pelo Twitter @MRN_CRF ou direto na fanpage do MRN no Facebook (clique aqui). Sua opinião faz toda diferença!


Gerrinson R. de Andrade escreve no Blog Orra, é Mengo, da Plataforma MRN Blogs. A opinião do autor não reflete necessariamente a opinião do Mundo Rubro Negro.

 

LEIA TAMBÉM DO ORRA, É MENGO!

Estejam preparados para a festa em 2016

80 milhões de torcedores

Notas sobre o mascote rubro-negro

Flamengo, o titã Atlas da bagaça toda

O cúmulo da inocência

 

 

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA A GENTE NO TWITTER

 

 

 


 

Seja Sócio-Torcedor! E clicando no banner abaixo você também vira mais um parceiro do MRN!

Sim! Metade do valor da primeira mensalidade do plano que você adquire depois de clicar no banner abaixo vai para a equipe MRN Informação.

Se você admira o nosso trabalho, nos ajude assim a manter o nosso projeto e ampliar a nossa missão!

 

Banner_300X300