Após longos dias de expectativa, finalmente Diego Ribas foi apresentado ao torcedor rubro-negro e concedeu entrevista coletiva para toda a imprensa. O Mundo Rubro Negro esteve no Salão Nobre da Gávea e a nossa equipe MRN Informação acompanhou toda a movimentação do jogador, desde a chegada apoteótica ao aeroporto Santos Dumont.

Leia: A Nação fez para Diego uma festa que esperava há anos

O jogador chegou ao Clube de Regatas do Flamengo por volta das 17h. Na entrada do Clube, centenas de torcedores já entoavam a cantoria exaltando a chegada do novo craque.  Numa demonstração clara de que o Fla já é a sua casa, sua esposa Bruna Letícia, os filhos — que não desgrudavam do pai — Davi e Matteo e o pai Djair estavam ali na primeira fila escutando atentamente o que Diego tinha para dizer à Nação.

O camisa 35, número escolhido em homenagem ao aniversário do título mundial em 1981 e que também é a soma da idade dos seus filhos, procurou dedicar à primeira parte dos pronunciamentos e respostas aos jornalistas a ressaltar a vontade de jogar no Flamengo e deixar claro que estar na Gávea é mais um passo bem pensado em sua carreira.

A melhor impressão que poderia ser

O Presidente Eduardo Bandeira de Mello, o Vice-Presidente de Futebol Flávio Godinho e, por último, do Diretor Rodrigo Caetano, foram unânimes ao ressaltarem a importância do jogador nas negociações com o Fenerbahçe. Sem a “boa vontade” do jogador não teria sido possível concretizar a negociação, segundo os dirigentes.

“Eu quero agradecer primeiramente a todos vocês. O que a Nação Rubro-Negra tem proporcionado em poucas horas. É claro que através das redes sociais, o contato na rua com outras pessoas, já se poderia sentir esse amor e carinho. Mas hoje foi um dia especial. Jamais vou esquecer essa recepção, essa confiança. Podem ter certeza que no dia a dia eu vou me esforçar ao máximo para retribuir todo esse carinho”.

“Quero agradecer a toda diretoria pelo profissionalismo até agora, pelo esforço que foi feito. Aos meus familiares, minha esposa, meus pais e minhas irmãs e cunhados e toda a galera que esteve ao meu lado. Hoje se concretiza um sonho na minha vida e eu vou vivê-lo intensamente. Muito obrigado”.

“Eu fiquei encantado com tudo. Teve um momento que até fiquei um pouco preocupado com a galera que caiu. Essa história também que roubaram a carteira foi inventada, isso não existiu. O calor humano foi surpreendente e maravilhoso. Eu realmente fiquei surpreso de forma positiva. Essa primeira impressão é a melhor que poderia ser”.

O Flamengo é o melhor que poderia acontecer

“Estou mais experiente. Voltar para o Brasil e para um clube que tem esse impacto era tudo que eu buscava. É tudo que eu preciso. Tem tudo para dar certo”.

“Do que eu pude ver de jogos, melhores momentos e através de conversas com amigos que estão no time eu já sei que a equipe é bem estruturada, com objetivos claros e ótimas opções, com um treinador bem seguro. A possibilidade de fazer uma excelente temporada é muito grande e eu vim aqui pra isso e em se tratando de Flamengo eu não tenho outra opção, com a grandeza do clube é pensar em vencer. A equipe continuando no caminho que já está, eu vou chegar pra fazer exatamente isso: ocupar a minha posição e ajudar. Chego para somar. Temos tudo para fazer uma temporada vitoriosa.”

Ansioso para jogar e pegar ritmo de jogo

“Sem dúvida estou ansioso para jogar. Agora é lutar contra o emocional para não deixar a empolgação passar à frente da razão. Preciso me preparar ainda melhor. Estou há quase dois meses sem jogar — o que é possível fazer sem treinar eu tenho feito — tenho treinado dois períodos com preparador individual. Porém, o ritmo de jogo e o treinamento do dia a dia é insubstituível e é isso que eu preciso”.

“O que a torcida pode esperar é um Diego 100% dedicado, concentrado e encarando esse desafio como um recomeço. Depois de 12 anos fora eu entro nesse projeto como um garoto de 16 anos cheio de sonhos, objetivos, vontade de vencer e o rendimento pessoal é o que eu preciso buscar. Acredito que nas últimas temporadas não encontrei meu melhor nível e é um desafio que eu tenho”.

Diego Ribas viaja para a Turquia neste final de semana. Vai se despedir do seu ex-clube e acertar a mudança pessoal definitiva para o Rio de Janeiro. Segundo Bandeira de Mello, o camisa 35 estreará apenas quando todos os fatores técnicos e físicos estiverem equacionados, de acordo com as coordenadas da Comissão Técnica liderada por Zé Ricardo.

Mesmo citando o famoso e obrigatório “vou chegar para somar” de todas as apresentações de jogadores no mundo, Diego vai muito além das frases prontas. O jogador de 31 anos demontra que realmente entende o peso que vai ser vestir essa camisa, o quanto a Nação aguarda dele. Se vai dar tudo certo nessa relação entre Diego, clube e torcida ninguém pode prever. Contudo, da parte do jogador, seriedade e entendimento do que está em jogo parece que não vai deixar de existir. Situação bem diferente da encontrada e prevista quando da vinda da última contratação de fechar aeroporto.

 

Leia toda a cobertura da chegada de Diego Ribas