Escolhido para a entrevista coletiva desta quinta-feira, o atacante Paolo Guerrero afirmou que o grupo do Flamengo está ciente que o próximo mês será muito decisivo para a temporada, mas que está esportivamente e mentalmente preparado para o desafio.

Caso o Flamengo passe pelo Botafogo e chegue à final do Campeonato Carioca, terá a seguinte sequência de jogos até o fim de maio, sem intervalo para descanso, por quatro competições (Carioca, Libertadores, Copa do Brasil e Brasileiro): Botafogo (23/4), Atlético-PR (26/4), Vasco ou Fluminense (30/4), Universidad Católica (3/5), Vasco ou Fluminense (7/5), Atlético-GO (10/5), Atlético-MG (13/5), San Lorenzo (17/5), Atlético-GO (20/5), Atlético-GO (24/5) — este duelo da volta pela Copa do Brasil ainda não tem a data confirmada, podendo ocorrer também no dia 31/5.

— A gente sente que esse mês ia ser muito decisivo. A gente se preparou para isso, não só fisicamente e taticamente, dentro de campo, mas também psicologicamente. Tivemos uma reunião entre nós e estamos cientes que esse mês vai ser duro, com jogos grandes, jogos decisivos. A gente está se preparando muito bem dentro do campo, vendo variações dos jogadores, quem vai entrar, quem não, quem pode ser alternativa. Ele (Zé Ricardo) está experimentando dentro dos treinamentos. Vai ser uma sequência muito difícil, mas com certeza a gente está preparado — afirmou Guerrero.

Mesmo com a possibilidade de garantir pelo menos duas semanas mais folgadas, o atacante afirmou que o time não pensa em outro resultado que não a vitória contra o Botafogo.

— Para nós é muito importante. A gente se preparou para ser campeão do Carioca, e chegamos nessa fase do Campeonato Carioca para ser campeões. É muito importante esse jogo do domingo, é uma decisão que temos que ganhar, porque a gente quer disputar essa final e ser campeão.

Questionado se sua responsabilidade de decidir os jogos aumenta neste período com a ausência de Diego, que se recupera de lesão no joelho e ficará fora por pelo menos quatro semanas, Guerrero respondeu:

— Com certeza é uma responsabilidade maior. Mas todo o grupo sente. A gente é um grupo muito unido, sabe o que quer. Acho que todo mundo assume essa responsabilidade, não só eu nem o Diego. É dividida por todos.