Durante a reapresentação do elenco nesta quarta-feira (06), algumas caras novas apareceram na Gávea. Entre os reforços, Arthur Henrique, Chiquinho e Antônio Carlos fizeram exames médicos no clube e já seguem para a pré-temporada com o elenco na sexta-feira (08).

Conheça melhor os recém-contratados do Flamengo:

(Foto: América-RN)

(Foto: América-RN)

Arthur Henrique:

O lateral de 21 anos chega do América-RN depois de fazer sua segunda temporada como profissional. Arthur Henrique começou na base do São Paulo em 2011 e passou pelo Sub17 e Sub20 do clube. Em 2013, Arthur deixou o time paulista e foi transferido para a base do América, onde jogou também pelo Sub20 e começou a integrar o time principal em 2014.

Em 2014, o jogador esteve no elenco que ficou em 17º e foi rebaixado da Série B para a C. Apesar de ter sido recém-promovido, Arthur disputou 13 jogos – 7 pelo Brasileiro e 6 pela Copa do Brasil – e foi titular em 10 partidas, tendo quatro vitórias, um empate e oito derrotas.

No ano passado, o time até conseguiu uma campanha melhor no campeonato nacional – em 11 jogos, sendo titular em 10, foram seis vitórias, três empates e duas derrotas –, mas acabou eliminado por dois pontos na fase de grupos e não passou para as quartas-de-final. Já no Campeonato Potiguar, quando o América foi campeão, jogou três jogos, sendo dois como reserva utilizado, e venceu todos.

Arthur chega ao Flamengo de graça, já que estava em fim de contrato com o América-RN, e tem vínculo até o fim de 2016. O jovem deve ser, junto com Chiquinho, reserva de Jorge e pode ser aproveitado durante o Campeonato Carioca.
244339_med_chiquinho

Chiquinho:

Francisco Sousa, ou Chiquinho, é o mais velho dos três citados e chega para a reserva da lateral esquerda. Nas categorias de base, passou pelo CFZ de Brasília, América Mineiro, Brasiliense e chegou ao Atlético Mineiro em 2004, se tornando profissional em 2009. Em 2010 começou a ser emprestado a diversos clubes e foi comprado pelo Coimbra Esporte Clube, time utilizado pelo Banco BMG para registro de atletas.

Com isso, passou por Tupi, Ipatinga, Nova Iguaçu, retornou ao Ipatinga – quando conseguiu bons desempenhos –, Corinthians – fez apenas três jogos –, Ponte Preta – estava no elenco vice-campeão da Sul-Americana em 2013 –, Fluminense e Santos. O jogador não costuma passar mais do que uma temporada em cada equipe e não se firmou nos grandes times que passou.

Apesar do alto número de clubes, Chiquinho não tem um grande número de partidas disputadas, até por, normalmente, chegar para ser reserva e estar constantemente trocando de time. Ele tem cerca de 178 jogos na carreira e 14 gols, sendo seis só na Ponte Preta. Além de lateral, o jogador também costuma ser usado como volante ou meio-campo.
Antônio-Carlos

Antônio Carlos:

O zagueiro chegou, junto com Juan, para assumir a posição que teve mais problemas no ano passado. Antônio Carlos, que veio por empréstimo junto ao Tombense, fez a última temporada no Avaí, mas sua história no futebol começou no Rio de Janeiro. Desde então, apesar da pouca idade, foi capitão por onde passou e destaque no último clube.

Hoje com 22 anos, Antônio iniciou seus passos no futebol no Fluminense. Apesar de ser meia-direita originalmente, o jogador, por conta da baixa estatura, começou a jogar mais recuado, mas acabou perdendo espaço e foi dispensado. Sem clube aos 16 anos, ele fez testes até no Flamengo, mas foi parar no Audax-RJ. Lá ficou como titular nas categorias de base até ser chamado para o elenco profissional durante a Copa Rio.

Depois, foi emprestado para o homônimo Audax, mas de São Paulo, voltando a atuar apenas nas categorias de base. Por lá, disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior e conseguiu chegar até as quartas-de-final, quando seu time foi eliminado. Algum tempo depois, Antônio Carlos disputou um amistoso contra o Corinthians, time que foi atrás dele logo depois.

Emprestado, o zagueiro virou um dos principais no elenco e foi herói do título da Copinha em 2012, quando marcou dois gols na final contra o Fluminense. Depois disso, Antônio Carlos foi chamado para o profissional e sondado por gigantes europeus, mas acabou permanecendo no Brasil. Ele esteve no time campeão da Libertadores de 2012, mas, graças a equipe já formada, acabou perdendo espaço e foi para o Oeste por empréstimo, onde disputou onze partidas, sendo titular em todas. Ainda sem lugar no Corinthians e com uma lesão no caminho, Antônio foi emprestado para o Avaí, onde conseguiu se firmar de vez.

No time catarinense, o zagueiro encontrou seu espaço e formou uma das melhores defesas da Série B de 2014, o que levou o Avaí a conquistar o acesso. Foram 50 jogos, 22 vitórias, 11 empates e 17 derrotas, todos como titular. Em 2015 foi vendido para o Tombense, mas seu contrato de empréstimo foi renovado.

Entretanto, o último ano acabou não sendo bom para o clube e o Avaí acabou rebaixado novamente, dessa vez na última rodada. Em 2015, foram 41 jogos, 15 vitórias, 9 empates e 17 derrotas, novamente com Antônio Carlos atuando como titular em todas as partidas. Ainda que seu time tenha caído, o zagueiro foi destaque e muito elogiado por toda sua passagem no catarinense.