Com a derrota para o Volta Redonda no último sábado, o Flamengo entrou em campo nesta quarta-feira (30) muito pressionado. Enfrentando o Vasco, o Mais Querido fez um jogo duro e brigado. Apesar de conseguir o gol com Marcelo Cirino, levou o empate e saiu com um ponto do Mané Garrincha, em Brasília.

O Mais Querido chegou a Brasília com o peso dos resultados ruins e da falta de gols nas costas. Ainda sem Mancuello e Cuéllar, Muricy Ramalho decidiu não poupar os titulares e mandou o time completo. Paolo Guerrero, que era dúvida por ter jogado os 90 minutos com a seleção peruana nesta terça-feira (29), chegou disposto e foi escalado para iniciar o jogo.

A partida começou como já era esperado, com muitas faltas e jogadas mais duras. O Flamengo pressionou bastante no ataque e passou mais tempo no campo adversário. Entretanto, o Vasco apostou no contra-ataque e exigiu que Paulo Victor estivesse atento em alguns lances, já que a defesa abriu espaços principalmente pela esquerda.

O Rubro-negro também sofreu com as esperadas provocações de Rodrigo, que tirou Paolo Guerrero do sério e fez o atacante levar um cartão amarelo. O peruano, inclusive, foi um dos mais acionados no ataque, já que era sempre a principal escolha quando a bola chegava perto da área. Porém, o Mais Querido teve dificuldade de acertar o último passe e, quando acertou, acabou se deparando com lances como o de Guerrero aos 20 minutos, quando ele, sozinho, perdeu o gol em duas chances com Martin Silva caído.

Sofrendo com o péssimo gramado, que já não recebia tratamento há vinte dias por fim de contrato, o Flamengo continuou tentando passar dos lances duros e seguiu atacando, mas o time parava ou na falta de qualidade das finalizações ou na defesa adversária. O Vasco não ficou muito atrás, conseguindo boas finalizações de bola parada e assustando Paulo Victor.

VASCO_30mar_0121

No segundo tempo, o Mais Querido voltou igual. O Vasco trocou Julio dos Santos por Diguinho e conseguiu melhorar no meio-campo, que já tinha Ederson e Emerson Sheik produzindo menos. Com isso, o Flamengo sofreu com os espaços defensivos e viu Paulo Victor fazer três defesas difíceis seguidas ainda no início dos 45 minutos finais. Aos 20′, Muricy fez sua primeira alteração e, visando a melhora na distribuição das jogadas, tirou Ederson para colocar Alan Patrick. A mudança deu resultado e o Flamengo começou a criar mais, porém, faltava alguma coisa. Foi então que, aos 27′, Sheik foi substituído e Marcelo Cirino entrou. Depois da mudança, o Mais Querido começou a passar cada vez mais perto de abrir o placar e, aos 35′, finalmente conseguiu.

Em jogada dos dois que haviam entrado recentemente, Alan Patrick encontrou Marcelo Cirino livre e, com um passe perfeito, deixou o camisa 7 em ótimas condições. Ele não vacilou e chutou no canto de Martin Silva, abrindo o placar e acabando com o longo jejum de gols. Entretanto, a euforia rubro-negra levou à desatenção e, em cobrança de escanteio de Nenê, Riascos recebeu sozinho e empatou aos 38′. Nos últimos minutos, o Mais Querido ainda teve a chance de levar os três pontos, mas William Arão se enrolou e, sozinho e com Martin Silva no chão, conseguiu perder.

Com esse empate, o Flamengo está em sexto no Campeonato Carioca e precisa vencer para se manter na briga pela vaga nas semifinais. O próximo compromisso é sábado (2), contra o terceiro colocado, Botafogo, em Juiz de Fora, às 16h.

VASCO_30mar_9805

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 1×1 VASCO

Local: Estádio Mané Garrincha, Brasília
Data: 30 de março de 2015
Horário: 21h45min (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Assistentes: Rodrigo Henrique Corrêa (RJ) e Thiago Corrêa Farinha (RJ)
Cartão Amarelo: Márcio Araújo, Jorge (Fla); Julio dos Santos, Jorge Henrique, Diguinho, Marcelo Mattos (Vas)
Cartão Vermelho:
Jomar (Vas), que estava no banco de reservas

Público: 26.917

Renda: R$ 1.659.530

FLAMENGO:
Paulo Victor, Rodinei, Juan, Wallace e Jorge; Márcio Araújo, Willian Arão e Ederson (Alan Patrick); Gabriel, Paolo Guerrero e Emerson Sheik (Marcelo Cirino). Técnico: Muricy Ramalho

VASCO:
Martin Silva, Madson, Rodrigo, Luan e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Julio dos Santos (Diguinho), Andrezinho e Nenê; Jorge Henrique (Caio Monteiro) e Thalles (Riascos). Técnico: Jorginho