logos11-6

Gustavo Roman (Twitter: @guroman)

Antes de começar a campanha no returno, o time foi até o Espírito Santo, enfrentar o Rio Branco. Para este amistoso, Coutinho não pode contar com seis titulares. Mesmo assim, o mengo conseguiu vencer pelo placar mínimo, gol de Júlio César.

A estréia no segundo turno aconteceu no Maracanã, frente ao São Cristovão. Zico, Toninho e Rondinelli estavam de volta, diminuindo o número de ausências para “apenas” três. No primeiro tempo, a equipe não rendeu. O empate em 1 a 1 mostra bem isso. Furioso, Coutinho mudou tudo no vestiário. Sacou André, substituindo-o por Reinaldo, que foi jogar na ponta direita. Tita passou para o meio de campo, ajudando Zico na criação. As alterações deram certo e o mengo deslanchou, chegando aos 6×1, com gols de Zico (3), Tita (2) e Luisinho.

Satisfeito com a atuação no segundo tempo, o treinador confirmou que aquela seria a equipe que iniciaria a partida diante do Goytacaz. Nos treinamentos, Zico seguia arrebentando. Foram deles os dois tentos da vitória sobre os reservas, no coletivo apronto. Sobre o galinho, Coutinho declarou ao jornal O Globo: “é um dos melhores do mundo no momento. Temos muita sorte dele estar do nosso lado”. Um justo reconhecimento.
Paralelamente ao estadual, a Diretoria trabalhava em duas frentes. A primeira, querendo marcar dois amistosos desafio contra o Guarani, então campeão nacional e representante do país nas semifinais da Libertadores. E, na segunda, crescia a expectativa pelo amistoso do dia 6 de Abril, onde o Flamengo receberia o Atlético-mg, com a renda toda revertida para as vítimas das enchentes em Minas. O motivo para tanto alvoroço? Uma certa dupla de meio campistas que atuaria pelo mais querido: Zico e Pelé!

Antes disso, porém, a equipe teria dois compromissos pelo carioca, ambos no Maracanã. No primeiro, goleada de 7 a 1 no Goytacaz e novo show do galinho, que marcou incríveis 6 gols (o outro foi de Júlio César). No segundo, o primeiro tropeço do returno. Empate de 1 a 1 diante do América, com direito a gol salvador de Rondinelli no fim do jogo.

A torcida nem ligou. O frisson por Zico e Pelé aumentava a cada dia. A Diretoria chegou a cogitar cobrar ingressos de quem quisesse assistir aos treinamentos com a dupla, mas acabou desistindo. No primeiro coletivo, 2×0 para os titulares, ambos marcados por Zico. Pelé, sem ritmo de jogo, pouco apareceu.

Perguntado sobre o esquema tático, Coutinho disse que Pelé jogaria na armação, com o galinho mais adiantado. No segundo e último coletivo, empate em 2 a 2. Marcaram Zico e Júnior para os titulares e Adílio e Lino para os reservas. Bem mais a vontade, Pelé fez boas jogadas e procurou Zico para tabelas o tempo todo.

Apesar da euforia, o cansaço ameaçava atrapalhar a caminhada rubro-negra. Menos de 48 horas depois de vencer o galo, o time já estava em campo, enfrentando o Volta Redonda, no Raulino de Oliveira. Aproveitando-se disso, os donos da casa impuseram um ritmo veloz e foram melhores durante quase toda a partida. Um gol de Reinaldo acabou dando a vitória e mais dois pontos ao Flamengo.

Na quinta rodada, o time foi até Campos, enfrentar o Americano. Mais uma vez, o jogo foi complicado. O triunfo veio por 2 a 1, com gols de Zico e Cláudio Adão. Agora, era descansar para pegar o Vasco.

Flamengo 2×1 Vasco
O rubro-negro contava com a volta de Júnior e Adílio. A primeira oportunidade não demorou a acontecer. Júlio César tocou para Júnior. O lateral foi à linha de fundo e cruzou. Adílio desviou e Zico, atrapalhado pelo zagueiro, acabou chutando para fora. O Vasco respondeu com grande jogada de Guina, que passou como quis por Júnior e Nelson, derivou para o meio e bateu na rede, pelo lado de fora.

Aos 25, nova chance do fla. Júlio César tentou cruzar e acabou surpreendendo Leão, que deu rebote. Zico tentou uma puxada, a bola subiu e sobrou para Luisinho cabecear para segura defesa do arqueiro vascaíno. E assim, chegou ao fim o primeiro tempo.

Logo no começo da etapa final, aos quatro minutos, um susto. Orlando fez um cruzamento despretensioso para a área, Toninho Vanusa fez o corta luz, a zaga rubro-negra bateu cabeça e Roberto, de virada, mandou para as redes de Cantarele. Vasco um a zero.

Em desvantagem, Tita saiu da ponta direita e foi jogar pelo meio, abrindo o corredor para a passagem de Toninho. Aos 16, Júlio César teve que ser substituído. Reinaldo entrou no seu lugar e foi ocupar a extrema direita. Tita foi obrigado a ocupar a ponta esquerda, e Adílio recuou um pouco mais, para dar um pé a Carpegianni na organização do time.

Aos 21, o gol de empate. Júnior lançou Toninho em profundidade. O lateral foi derrubado por Marco Antônio. Mesmo assim, levantou-se e cruzou na cabeça de Zico. O camisa 10 ajeitou para Luisinho que, também de cabeça, devolveu para o galinho testar firme e vencer o goleiro Leão. Um golaço! Tudo igual no clássico. Um a um.

O Flamengo virou o jogo em mais um contra ataque mortal. Adílio recebeu não meio de campo, avançou com velocidade e tocou para Zico, que chutou rasteiro. Leão deu rebote e Adílio aproveitou para empurrar para o gol vazio. Dois a um!

Aos 31, Guina foi expulso por reclamação e facilitou ainda mais as coisas para o rubro-negro, que passou apenas a tocar a bola e fazer o tempo passar, garantindo assim a liderança do campeonato e a sua invencibilidade.

Contra o Fluminense de Friburgo, Coutinho promoveu a estréia do zagueiro juvenil Figueredo. Em contra partida, o treinador recebeu a confirmação que Júlio César estava fora do restante do campeonato. Atuando no Maracanã, o time não encontrou dificuldades para chegar aos 4 a 0. Zico, Tita, Luisinho e Adílio fizeram os gols.
Faltavam apenas duas rodadas para o bicampeonato. Dois clássicos. Duas pedreiras.

Flamengo 1×1 Fluminense
Logo aos 20 segundos, o Flamengo foi mostrando suas credenciais. Reinaldo tocou para Zico, que chutou prensado por Edinho. Na sobra, a zaga tricolor falhou e Luisinho finalizou de virada, quase abrindo o marcador. O flu não demorou a responder. Aos cinco, Nunes tocou para Fumanchu, que avançou e bateu de bico. A bola desviou em Adílio e matou Cantarele. Novamente, o mengo saia em desvantagem em um clássico.

Aos 15, Zico teve nova chance, após boa jogada com participação de todo o ataque. Mas sua finalização foi bem defendida por Paulo Goulart.
Com o desfalque de Júlio César, Coutinho repetiu a fórmula do final do jogo contra o Vasco. Adílio ajudava Carpegianni na marcação e na criação. Reinaldo jogava na ponta direita. Luisinho, o centroavante e Tita, o ponta esquerda.

Os últimos minutos do primeiro tempo foram pegados. Com entradas violentas de parte a parte. Apesar da disposição de ambos, o placar permaneceu um a zero Fluminense.

A etapa complementar começou com Tita tendo liberdade para se movimentar por todo o ataque. Ele foi visto na direita, no meio e, ocasionalmente, até mesmo na esquerda. Coutinho também colocou em campo Cláudio Adão no lugar de Luisinho. Uma troca pura e simples de centroavantes.

E foi Adão quem perdeu a primeira chance de empatar a partida, ao cabecear em cima do goleiro um cruzamento sob medida de Toninho. A igualdade não tardaria a chegar.

Júnior lançou Zico em profundidade, na ponta esquerda. O galinho avançou e cruzou rasteiro. Cláudio Adão acompanhou o lance e só tocou para o fundo das redes do flu. Tudo igual no Maraca. Um a um.

A torcida rubro-negra, presente em maior número no estádio, começou a soltar o grito de “É campeão, é campeão”!

O domínio rubro-negro passou a ser indiscutível. Aos 28, Júnior quase marcou o gol da virada, mas Paulo Goulart fez boa defesa. Em seguida, foi a vez de Toninho ir a linha de fundo e cruzar. Cláudio Adão teve tempo de matar a bola no peito, antes de finalizar com perigo, sem a deixar quicar.

CGAxq8TWoAAOeFj

Como o empate era um ótimo resultado para o Flamengo, Coutinho pôs Andrade em campo, para substituir Tita. Assim, o time ficou sem ponta esquerda, mas com a defesa mais protegida e Carpegianni e Adílio puderam ter mais liberdade para apoiar o ataque.

Aos 35, Júnior puxou contra ataque pela esquerda, avançou ate a área tricolor e rolou para Zico. O camisa 10 parou, ajeitou o corpo e colocou, de lado de pé. Paulo Goulart fez ótima defesa e espalmou a escanteio.

Com o empate, o título antecipado estava praticamente garantido e a equipe deixou o gramado sob os gritos de bicampeão.
Para se ter uma idéia, a vantagem era tão grande que se o tricolor não derrotasse Americano (em jogo adiado) e o Vasco, o caneco já seria nosso. A festa do bi já estava preparada. Seriam 30 mil litros de chope e dois trios elétricos.

O Fluminense suou, mas venceu o Americano, por 4 a 3, mantendo suas remotas possibilidades. Assim, o tricolor enfrentaria o Vasco no sábado e Flamengo e Botafogo. duelariam no domingo, na última rodada. Pior, para passar o fla no saldo de gols, o flu precisaria golear o Vasco por oito gols de diferença.
Na sexta-feira, o coletivo apronto deu a certeza do título. Os titulares golearam os reservas, por 4 a 0. Adílio, Tita. Adão e Júnior foram os marcadores. A Gávea estava cheia e em festa. No dia seguinte, a conquista foi confirmada. Fluminense e Vasco ficaram no 0 a 0. Mesmo sem entrar em campo, o mengo já era bicampeão estadual.

Apesar disso, os jogadores não queriam ser derrotados. Era questão de honra ser campeão invicto. O Botafogo tentaria estragar a festa rubro-negra. Zico fez dois gols e, apesar do empate, todos deixaram o estádio com a certeza da missão cumprida. Mais de 20.000 pessoas acompanharam os trios elétricos até a Gávea, onde a festa comeu solta. Entusiasmado, Coutinho prometeu o tri aos torcedores “Somos o melhor time do Rio, não tenho dúvidas. O tri virá. E depois, vamos em busca da conquista nacional, para provar a todos que não somos apenas um time do Maracanã. Somos o melhor time do Brasil”.
No próximo texto: o primeiro turno do campeonato estadual de 79. Até lá!


Gustavo RomanGustavo Roman é jornalista, historiador e escritor. Autor dos livros No campo e na moralFlamengo campeão brasileiro de 1987, Sarriá 82 – O que faltou ao futebol-arte? e 150 Curiosidades das Copas do Mundo. Conhecido como um dos maiores colecionadores de gravações de jogos de futebol, publica toda quinta-feira, aqui no MRN, a série “Biografia Rubro Negra 1978-1992”, onde conta a saga do período mais vitorioso da história do clube mais querido do mundo.


 

COMPARTILHE ESTE POST!