20150713142901
Virou moda reclamar de uma, possível, espanholização do futebol brasileiro. Que talvez aconteça no futuro. Mas tem tempo que convivemos com investimentos financeiros ABSURDOS em clubes de futebol, que vou chamar aqui de sheikarabezação.
Lembram dos anos 90, com Palmeiras/Parmalat ganhando tudo? Contratando quem eles quisessem? Entre 1993 e 2000 (duração da parceria), o Palmeiras ganhou os seguintes títulos:
Dois Torneios Rio-São Paulo (1993 e 2000), dois Campeonatos Brasileiro (93 e 94), três Campeonatos Paulistas (1993, 1994 e 1996), uma Copa do Brasil (1998), uma Copa Mercosul (1998), uma Copa Libertadores (1999) e uma Copa dos Campeões da CBF (2000)
Sabe quantos títulos o Palmeiras ganhou de 2001, até hoje? Três. Duas Séries B e um Paulista. Em 14 anos, o dobro da duração da Parmalat.
Enquanto dinheiro não era problema e o Palmeiras contratava quem quisesse, ganhou mais de um título por ano. Depois disso, só conseguiu títulos de pouca expressão. Mesmo assim, pouquíssimos.
Parece que a manha de dinheiro infinito voltou lá no Palestra. O atual presidente já colocou mais de R$ 100 milhões de reais, do próprio bolso, no clube. Agora é a Crefisa que despeja dinheiro como se não houvesse amanhã. Isso não é pior que a tão temida espanholização?
Os que têm medo de recriarmos aqui a dualidade entre Real Madrid e Barcelona esquecem que por pior que isso possa ser, não seria injusto. O Flamengo é o time que tem a maior audiência, disparada, na TV aberta. O time que mais tem jogos transmitidos para mais estados e o que mais vende Pay Per View. O clube que tem a maior torcida e gera o maior interesse (inclusive dos adversários secando) merece receber mais. Mas será que um time pode ser beneficiado só porque tem torcedores muito ricos?
Na melhor das hipóteses, o presidente do Palmeiras empresta dinheiro a juros menores (dizem que nem tem juros) que todos os outros clubes brasileiros conseguem. O que já seria uma injustiça. Além disso, a Crefisa tem dado a eles jogadores, de presente. Sem nem entrar na verba do patrocínio.
Lembram do Fluminense/UNIMED? Onde o presidente da seguradora de saúde faliu sua empresa por brincar de Football Manager, com dinheiro infinito, no time tricolor? Ganhou Brasileiros, Copa do Brasil, chegou em final de Libertadores com um time que estava lá na Série C.
Antes do Abramovich, o Chelsea tinha um Campeonato Inglês (1955!) e cinco Copas. Depois do russo, o Clube já levou mais 4 Inglesões, e 7 Copas, além de uma Liga Europa e uma Champions League. Até por isso a UEFA começou com o FairPlay Financeiro.
Aqui no Brasil não vi ninguém levantar essa bandeira. Nem sequer questionar o desequilíbrio causado por esse dinheiro.
Um Sheik comprou o PSG e não existe rival na França. Na Espanha polariza entre Real e Barça, mas ainda tem espaço pra um Atlético aparecer.