O retorno ao Maracanã foi planejado por cada rubro-negro por muitos e muitos dias, 322 para ser mais exata. Desde o dia 6 de dezembro, na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2015, a torcida carioca não tinha o tão sagrado encontro de domingo com o Flamengo. Esse dia, que por muito tempo não sabíamos mais se chegaria ainda esse ano, foi esperado com tanta ansiedade quanto nervosismo. Então voltamos todos, os 65 mil presentes, à rotina que já nem lembrávamos mais quão prazerosa era.

A sensação de nervosismo antes da bola rolar não era apenas por ser o Flamengo entrando em campo. A volta ao tão conhecido Maracanã soava como uma novidade. O desconhecido mundo de uma sensação familiar. Era difícil explicar e até entender, mas fomos todos com aquele estranho frio na barriga. Subir as rampas correndo pelo atraso na entrada, ouvir aqueles gritos tão intensos e ver um estádio lotado de rubro-negros ansiosos. É difícil não se emocionar.

Tua glória é lutar” ditou o ritmo de 90 minutos de intensidade. A frase escolhida para o mosaico mostrou exatamente o que seria o resto jogo. Aos 4 minutos, Guerrero marcou um gol anulado pelo bandeirinha por impedimento. Enquanto a torcida ainda se recuperava, um banho de água fria: em contra-ataque rápido no minuto seguinte, Guilherme pegou a sobra depois de uma dividida e chutou no canto direito de Muralha, abrindo o placar.

O Flamengo não desistiu, mas também não conseguiu encontrar-se. Enquanto as arquibancadas faziam sua parte e sofriam a cada bola perdida, em campo as coisas não se acertavam. Depois de muito sofrimento, aos 14 minutos o cenário voltou a se igualar. Em cobrança de falta, Diego colocou a bola na cabeça de Paolo Guerrero, que, adiantado, empurrou para dentro e empatou o placar. Quando o cenário antes do intervalo parecia de vantagem para o Fla, Rodriguinho recebeu sozinho e sem marcação, colocando o Corinthians na frente novamente com 2 a 1 no marcador.

Porém, quando se trata de Flamengo nós não desistimos e não estamos aqui para isso. Zé Ricardo tirou Mancuello da partida e colocou Fernandinho, buscando mais mobilidade nas laterais. O time continuou tentando e muito, já que a derrota não estava nos planos. Chances perdidas e muita frustração depois, aos 13 minutos Guerrero voltou a ser personagem principal. Diego cobrou escanteio, Réver desviou a primeira, Willian Arão a segunda e a bola sobrou para o peruano, que só colocou para dentro e correu para os braços da torcida.

Não foi falta de tentativa, nem de oportunidade. Pela atuação no segundo tempo, o Flamengo poderia ter saído facilmente com a vitória do Maracanã. Entretanto, faltou acertar. Entre finalizações ruins e mais bolas perdidas, o Corinthians teve um jogador expulso aos 31 minutos, quando Guilherme retardou cobrança de falta de Rever e como já tinha cartão amarelo, recebeu o vermelho. Porém, estar com um a mais não foi suficiente e com oportunidades inacreditáveis desperdiçadas, o placar terminou em 2 a 2.

Não foi como a torcida planejava, a festa acabou em um frustrante empate. Entretanto, é importante lembrar que o Flamengo ainda está vivo. Com 61 pontos na tabela de classificação, seis de diferença do Palmeiras, o Fla terá jogo duro no próximo sábado (28). Diante do Atlético-MG no Estádio do Independência, às 17h, a disputa não vale apenas três pontos, mas também a vice liderança do Campeonato Brasileiro.

Ainda é possível sonhar.

Fotos: Gilvan de Souza/Flamengo

Fotos: Gilvan de Souza/Flamengo

FICHA TÉCNICA

Flamengo 2×2 Corinthians

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro

Data e horário: domingo (23), 17h (horário de Brasília)

Escalação provável: Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Jorge (Chiquinho); Márcio Araújo, Willian Arão (Leandro Damião), Mancuello (Fernandinho) e Diego; Emerson e Guerrero.

Arbitragem: Anderson Daronco (Fifa/RS), auxiliado por Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno Junior (RS).

 

*Fotos: Gilvan de Souza/Flamengo