Pós-jogo futebol

Vindo de uma vitória importante fora de casa contra o Santa Cruz, o Flamengo voltou a campo neste domingo (26) para enfrentar o Fluminense. Jogando na Arena das Dunas, em Natal-RN, o clássico carioca era visto como uma ótima oportunidade para o Mengo embalar de vez na competição nacional, visto que uma vitória deixaria o time no G4 e apenas a dois pontos do líder.

Pensando dessa forma, o técnico Zé Ricardo promoveu duas mudanças na equipe titular. Por conta de desgaste físico, o comandante sacou o meia Everton e o lateral Rodinei, colocando Ederson e Pará, respectivamente, em seus lugares.

Dentro das quatros linhas, porém, o time não correspondeu. Apesar de ter tido várias oportunidades para conquistar o triunfo, o time falhou no ataque e na defesa. O Fluminense, por sua vez, aproveitou a tarde azarada do Fla e venceu por 2 a 1.

Bom primeiro tempo

O duelo carioca começou de maneira animadora para o Rubro-Negro. Firme na marcação e como boas trocas de passes no ataque, o time criou ao menos três chances claras para balançar a rede tricolor, nos primeiros 15 minutos.


Na principal delas, aos 5 minutos, Marcelo Cirino recebeu na ponta e fez cruzamento certeiro para Alan Patrick. O meia conseguiu chegar na bola mas, atrapalhado pelo defensor adversário, completou para fora. O camisa 19 ainda teve outras duas oportunidades para abrir o marcador que, novamente, passaram raspando a meta fluminense.

Defensivamente, o Mais Querido do Brasil também fez bom primeiro tempo. Com a marcação iniciando no campo de ataque, a equipe dificultou qualquer tentativa tricolor de levar perigo ao gol. Alex Muralha, que se acostumou a fazer milagres nos último jogos, desta vez tinha pouco trabalho.

Apesar da superioridade flamenguista, o 0 a 0 permaneceu no placar, fazendo com que as equipes fossem para o intervalo com sentimentos distintos: frustração para o Fla e alívio pra o Flu.

Deu sopa para o azar

Durante o intervalo, Zé Ricardo decidiu gastar sua primeira substituição. Buscando renovar o fôlego no ataque, o interino trocou Ederson por Emerson Sheik. O Fluminense, no entanto, não permitiu que houvesse tempo para a mudança fazer efeito e inaugurou o marcador ainda no início.

Logo aos três minutos, o Flu contou com o azar de Willian Arão para balançar a rede rubro-negra. O volante, que vem sendo um dos destaques flamenguista na temporada, subiu para cortar uma cobrança de escanteio e acabou colocando a bola no fundo do gol.

A alegria tricolor durou pouco. Seis minutos depois, Paolo Guerrero apareceu para arrancar o grito de gol do torcedor. O atacante recebeu na área e finalizou em cima da zaga. Na sobra, A. Patrick chutou e Diego Cavaliere espalmou na cabeça do peruano, que só teve o trabalho de escorar e sair para comemorar.

O tento parecia que devolveria o domínio da partida ao Fla. O time criou mas, assim como em outras apresentações, os jogadores pecaram na hora de definir as jogadas. Em uma delas o zagueiro Rafael Vaz recebeu livre na área, tocou na saída do goleiro e Wellington Silva tirou quase em cima da linha.

Aos 30 minutos, Vaz apareceu em outro lance importante. Agora, a participação do zagueiro foi decisiva mas para o lado errado. O defensor recebeu passe de cabeça de seu companheiro Réver e, ao tentar um recuo para Alex Muralha, deu a bola de presente para o atacante adversário marcar o gol da vitória do Fluminense.

Ficha técnica 

Flamengo 1 x 2 Fluminense (W. Arão (contra) e Richarlison, para o Fluminense. Guerrero, para o Flamengo)

Local: Arena das Dunas (Natal-RN)

Escalação: Muralha, Pará, Réver, Rafael Vaz e Jorge; Márcio Araújo (Mancuello), Willian Arão e Alan Patrick; Ederson (Emerson Sheik), Marcelo Cirino (Fernandinho) e Guerrero. Técnico: Zé Ricardo

Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP)

Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Rogerio Pablos Zanardo (SP).