Atleta é pivô de saída polêmica e mal-estar entre os clubes

Atleta é pivô de saída polêmica e mal-estar entre os clubes

O Flamengo emitiu Nota Oficial sobre a situação da nadadora Jhennifer Conceição. A atleta de Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro, treinava e competia  desde os 14 anos no Fla, clube que a formou e potencializou todo seu talento ao longo dos anos, resultando na conquista do índice B na prova de 100 metros nado de peito para as Olimpíadas do Rio.

A atleta, agora com 19 anos, transferiu-se à revelia para o Pinheiros numa atitude completamente arbitrária — o próprio clube ficou sabendo através de informação publicada no Blog Ninho da Nação há poucas semanas.

Na Nota, o Flamengo informa que a atleta renovou contrato no começo do ano passado e que o mesmo tem validade até o final de 2016. E comunicou ao diretor Arnaldo Pereira, do Pinheiros, sobre a situação contratual da atleta. Pereira teria se comprometido que iria tomar providências, demonstrando claramente que a atleta deveria se entender com o Flamengo.

Depois disso o departamento de esportes olímpicos do clube reuniu-se com Jhennifer e seu representante mas não houve por parte deles vontade de voltar ao Flamengo. Com isso o clube estava preparando um acordo de rescisão que permitiria o desvinculo. Somente com o pagamento da multa rescisória a atleta poderia voltar a treinar no Pinheiros.


Foi com surpresa que o Flamengo recebeu a notícia de que a atleta voltou a treinar normalmente no clube paulista, sem nenhum tipo de acerto ter sido feito. A Nota fez duras críticas a postura do representante da atleta e ao clube Pinheiros:

“O C.R. Flamengo já manifestou à atleta e ao E. C.Pinheiros sua indignação pela postura antiética e desrespeito aos valores básicos do esporte e da boa convivência entre clubes co-irmaos.

O C.R. Flamengo reafirma que continuará a seguir sua linha ética e reta na luta pela moralização do esporte brasileiro. Isso vale mais que qualquer participação ou medalha nas Olimpíadas de 2016, o que parece ser uma triste obsessão para alguns clubes, que abandonam regras morais básicas em troca dessa ambição desmedida.

Nada podemos fazer contra a ingratidão e falta de postura alheios, mas toda a comunidade esportiva e a Nação Rubro-Negra pode ter a certeza de que iremos até o fim na defesa dos nossos direitos nesse caso.

Muito além de qualquer lei, que está totalmente do nosso lado, temos a moral esportiva como principal aliada, até porque o mundo continuará dando as suas voltas, independente de atletas ou dirigentes esportivos específicos.”

Confira a nota na íntegra:

 

No ano de 2011, o C.R. Flamengo trouxe para a sua equipe a atleta Jhennifer Conceição, então com 14 anos, da Academia Aquarium, de Nova Friburgo. Cabe ressaltar então que o C.R. Flamengo constitui-se no primeiro clube de Jhennifer Conceição como atleta federada de natação.

Desde então, a atleta, através de seu esforço e talento e do suporte da comissão técnica rubro-negra e do clube, se tornou uma das melhores nadadoras do Brasil. Em dezembro último, para orgulho do C.R. Flamengo, Jhennifer Conceição alcançou o índice B na prova de 100 metros nado de peito, em busca de uma vaga para as Olimpíadas de 2016.

Em janeiro de 2015, a atleta assinou contrato de dois anos com o C.R. Flamengo, compromisso que se encerra em dezembro de 2016.

No começo de 2016, através de seu representante, a atleta, inesperada e estranhamente, comunicou ao clube “que estava de saída”, em flagrante desrespeito a um contrato vigente. Em algumas entrevistas, o C.R. Flamengo apenas confirmou que a atleta estava sob contrato e que não entendia o rompimento unilateral repentino. Como resposta, em redes sociais, o representante da atleta inexplicavelmente atacou agressivamente a instituição C.R. Flamengo, em uma deplorável atitude de ingratidão e desrespeito ao clube que teve fundamental participação no crescimento esportivo de Jhennifer.

Para completar, no começo do mês de janeiro, fomos informados de que a atleta estava treinando no E.C. Pinheiros, sem a devida autorização do C.R. Flamengo.Tendo a convicção de que o E.C. Pinheiros não tinha conhecimento pleno da situação contratual da atleta entramos em contato com Arnaldo Pereira, diretor do referido clube, que nos afirmou taxativamente que iria tomar as devidas providências. A mais importante seria a de não permitir o treinamento da atleta no clube até que a situação com o C.R. Flamengo estivesse plenamente resolvida.

Tivemos então uma reunião com a atleta e seu representante e, diante da intransigência da mesma em sua intenção de se transferir de clube, combinamos que apresentaríamos uma proposta financeira de um acordo de rescisão que permitiria sua saída. No entanto, se não fosse possível o entendimento, o C.R Flamengo não liberaria a atleta.

Com enorme surpresa, dias depois, antes de qualquer fechamento de acordo, recebemos a notícia de que Jhennifer Conceição estava novamente treinando no E.C. Pinheiros.

O C.R. Flamengo já manifestou à atleta e ao E. C.Pinheiros sua indignação pela postura anti-ética e desrespeito aos valores básicos do esporte e da boa convivência entre clubes co-irmaos.

O C.R. Flamengo reafirma que continuará a seguir sua linha ética e reta na luta pela moralização do esporte brasileiro. Isso vale mais que qualquer participação ou medalha nas Olimpíadas de 2016, o que parece ser uma triste obsessão para alguns clubes, que abandonam regras morais básicas em troca dessa ambição desmedida.

Nada podemos fazer contra a ingratidão e falta de postura alheios, mas toda a comunidade esportiva e a Nação Rubro-Negra pode ter a certeza de que iremos até o fim na defesa dos nossos direitos nesse caso.

Muito além de qualquer lei, que está totalmente do nosso lado, temos a moral esportiva como principal aliada, até porque o mundo continuará dando as suas voltas, independente de atletas ou dirigentes esportivos específicos.