Durante a jornada esportiva da rádio CBN-RJ, no último sábado (5), o presidente rubro-negro Eduardo Bandeira de Mello foi convidado para participar da transmissão. O mandatário apontou a posição do Flamengo referente a diversos assuntos que vem dominando o noticiário esportivo.

EBM falou sobre a Primeira Liga, união dos clubes, Campeonato Brasileiro, aliança com o Vasco e a FERJ, Zico, Concessão do Maracanã, estádio próprio, investimentos na Base, venda de jogadores e até sobre o impacto das viagens do time nesta temporada. Confira abaixo.

Ausência dos clubes paulistas na Primeira Liga

“São Paulo tem uma força econômica e esportiva muito grande e seria muito bom ter os clubes de São Paulo conosco. A gente entende que o Campeonato Paulista é um campeonato que tem atratividade técnica, econômica, tem um contrato de televisão já fechado, de longo prazo. Então nós entendemos o fato de não termos os clubes paulistas conosco. Isso de forma alguma desmerece ou diminui o poder da Primeira Liga.”

União dos clubes para a diminuir o poder da CBF 

“Não existe uma unidade dos clubes. Não temos essa unidade nem no Rio de Janeiro, quanto mais a nível nacional. Eu acho que nós precisamos caminhar pra isso. Não é nada contra pessoas físicas, não estou falando mal e nem tecendo nenhum comentário desairoso à figura do Coronel Nunes (Presidente da CBF) e nem à ninguém dentro da CBF. Nunca falo mal de pessoas físicas, a menos que tenham atingido o Flamengo de alguma maneira. Nós vamos um dia chegar a uma unidade e sem prejuízo de entendimento com as federações e com a CBF. Nós vamos poder fazer diferença e tentar mudar o nosso futebol.”

Clubes organizando o Campeonato Brasileiro


“Eu acredito que é possível. Não sei em qual prazo vamos conseguir isso, mas eu acho que isso tudo vai se dar através do entendimento. Nós não queremos brigar com ninguém pra conseguir isso. Os clubes tem total condições de organizarem o seu campeonato. De que forma isso vai se dar, se através de Liga ou alguma ação dentro da própria CBF, ou as duas, primeiro uma depois a outra. Isso tudo nós ainda vamos ver. O importante é que isso se dê de uma forma harmônica e respeitando o interesse de todos.”

Vasco x FERJ. Qual dos dois o Flamengo está mais próximo de recuperar uma aliança?

“O Flamengo nunca buscou conflito, nunca foi hostil à Federação, nem a qualquer coirmão aqui do Rio de Janeiro. Infelizmente fomos levados a isso por conta daquela situação que todos já conhecem bem e que eu não entendo que seja uma questão pessoal minha. Quem foi desrespeitado naquela dia foi o Clube de Regatas do Flamengo. A pessoa física do presidente não tem a menor importância. Foi eu, como poderia ter sido qualquer pessoa. Há um ano e pouco, nós tínhamos um entendimento muito bom com o Vasco da Gama, inclusive assinamos juntos aquele manifesto por ocasião da reeleição da atual diretoria da FERJ. De lá pra cá as coisas mudaram no Vasco e nós temos que respeitar. Assuntos de Vasco da Gama temos que deixar restrito aos vascaínos. Mas eu sou favorável ao entendimento – quando a gente fala em longo prazo – com todos os clubes e todas as entidades. Não vejo motivos para briga.”

Zico recentemente pediu o fim das Federações Estaduais. Concorda?

“Eu acho que seria um caminho interessante, principalmente para quem convive aqui na federação do Rio de Janeiro, e é exatamente com a federação carioca que o Zico conviveu sua vida toda, seja como jogador, seja como dirigente do CFZ. Ele está propondo um modelo que vigora em quase todos os países do mundo que não têm federações estaduais. Eu acho que se acabarem as federações estaduais, não necessariamente está acabando com os campeonatos estaduais. Podemos ter um organismo para cuidar do futebol estadual, para cuidar dos clubes de menor investimento ligados à federação nacional – estou só especulando -, mas que ficará responsável pelo fomento do futebol local. Esse é um caminho que o Zico propôs e tem que ser estudado com carinho e cuidado.”

Concessão do Maracanã

“O Flamengo tem a obrigação de se preparar para uma eventual mudança do marco regulatório relativo ao Maracanã. E nós estamos preparados. Nós temos que aguardar e esperar a solução que vai ser dada e seja qual for essa solução o Flamengo tem que ser protagonista. Tem que ser uma parte muito importante dela. Afinal de contas, o Flamengo é o principal conteúdo do Maracanã, sempre foi ao longo dos 66 anos de existência e não pode ser diferente. Vamos então aguardar mais um pouco e eu tenho certeza que tanto o Governo do Estado, quanto o Flamengo, outros clubes, e até outras empresas que possam vir a participar desse empreendimento,  chegarão juntos a uma decisão que atenda todas as partes.”

Concessão do Maracanã

“O Flamengo tem a obrigação de se preparar para uma eventual mudança do marco regulatório relativo ao Maracanã. E nós estamos preparados. Nós temos que aguardar e esperar a solução que vai ser dada e seja qual for essa solução o Flamengo tem que ser protagonista. Tem que ser uma parte muito importante dela. Afinal de contas, o Flamengo é o principal conteúdo do Maracanã, sempre foi ao longo dos 66 anos de existência e não pode ser diferente. Vamos então aguardar mais um pouco e eu tenho certeza que tanto o Governo do Estado, quanto o Flamengo, outros clubes, e até outras empresas que possam vir a participar desse empreendimento,  chegarão juntos a uma decisão que atenda todas as partes.”

Desejo da casa própria

“Há planejamento nesse sentido. Eu já tinha colocado isso inclusive na época da reeleição. Nós temos a obrigação de estudar outra alternativa. Seja uma alternativa ao Maracanã, vamos que a situação do Maracanã caminhe para um formato que não nos interesse? Não interesse a torcida do Flamengo? Nós temos que, obrigatoriamente, partir para outra alternativa e ela é perfeitamente possível. Essa possibilidade da construção de um estádio não necessariamente vai se confrontar com o Maracanã. Podemos partir para um estádio menor que pode funcionar em caráter complementar ao Maracanã. Todas essas alternativas estão sendo analisadas, mas não seria produtivo para o Flamengo discutir isso de maneira muito exposta.”

Investimento na Base e venda de jogadores 

“O objetivo do Flamengo quando investe na Base não é vender jogadores. É claro que não podemos desconsiderar isso: a venda de jogadores que você não vai usar pode servir para compor nosso elenco de receita. Eu sei que vários clubes brasileiros tem isso como a receita potencial principal. O Flamengo muitas vezes pode ser impelido a se desfazer de jogadores formados aqui por necessidade financeira, mas o importante é que o Flamengo esteja preparado com outro tipo de receita para se sustentar e usar o trabalho na Base para alimentar o nosso time principal, pra voltar a usar aquele jargão ‘craque o Flamengo faz em casa’.”

Impactos que a indefinição de onde o Flamengo vai mandar os seus jogos no Brasileiros pode causar 

“A medida em que a gente não tenha um planejamento e não saibamos onde vamos jogar, podemos ter impacto não só na perda de Sócios-Torcedores, como também na frustração do aumento que nós gostaríamos de ter e que eu tenho certeza que vamos ter no nosso programa de Sócio-Torcedor. Eu tenho certeza que se a gente puder, na hora em que sair a tabela do Campeonato Brasileiro, anunciar onde iremos jogar cada jogo, isso vai ter um impacto muito positivo no nosso programa. Sem contar no nosso planejamento geral, na minimização de custos, na possibilidade de você ter uma logística. Precisamos de voos fretados para todos os jogos, pois não vamos ter os estádios de grande porte disponíveis no Rio de Janeiro.”