O Flamengo eSports está sendo acusada de má conduta com relação a duas contratações para atletas que formarão o time de League of Legends Rubro-Negro.

A primeira vem da Red Canids: a equipe acusa o Clube da Gávea de não ter pago os valores referentes a transferência do AD Carry, Felipe “brTT” Gonçalves. Segundo a equipe paulista, não foi efetuado um pagamento acertado via e-mail entre as partes, que permitiu a negociação com o atirador. O montante dava exclusividade ao Flamengo nas conversas com o atleta. A direção do time carioca, se manifestou em nota dizendo que todo o processo de contratação foi feito após o fim do contrato de brTT, de forma a não se fazer necessário pagamento de multa.

A segunda vem da TShow, acusando o rubro-negro de aliciar sem conhecimento dos mesmos o top laner, Renan “Nyu” Augusto, para completar sua equipe. Já a direção do Rubro-Negro alega que os contatos com o jogador foram feitos com o conhecimento da equipe e com aval da desenvolvedora e organizadora dos campeonatos, Riot Games. A mesma se manifestou dizendo que não comenta casos isolados, mas que espera dos times que eles sigam a boa-fé nas contratações, visto que a politica anti-aliciamento vigente no CBLOL não se aplica ao Circuito Desafiante, competição que o Mais Querido disputará visando a vaga para disputar a elite brasileira no segundo semestre.

Não é a primeira vez que o time se envolve em polêmicas, visto que em outubro houve a acusação de, juntamente com a Cursor E-Sports (parceira no gerenciamento da equipe), terem aliciado, através do agora técnico Rubro Negro Gabriel “Mit” Souza, diversos atletas de destaque sem o conhecimento dos times, incluindo o mid laner Gabriel “Kami” Bohm.

Seguem as notas oficiais emitidas pelo Clube:

Caso brTT:

“O Clube de Regatas do Flamengo garante que todas as negociações para sua equipe de League of Legends, inclusive com o atleta de eSports ‘brTT’, foram feitas com respeito total às regras aplicadas no mercado de games. A contratação do profissional em questão foi concretizada após o vencimento do contrato do atleta com seu antigo empregador e, portanto, sem o vínculo, não havia multa a ser aplicada. Assim como em qualquer outra modalidade esportiva, o Flamengo trabalha sempre pautado por responsabilidade, seriedade e transparência.”

Caso Nyu:

“Diante das recentes acusações levianas levadas à imprensa especializada em esportes eletrônicos nos últimos dias, o Clube de Regatas do Flamengo reitera que todas as negociações para contratação de reforços para sua equipe de League of Legends foram feitas com respeito total às regras aplicadas no mercado de games. Sobre a negociação com ‘Nyu’ é importante esclarecer que, além da TShow estar ciente da aproximação do Flamengo com o atleta e chegar a ter oferecido o referido profissional ao clube, as negociações foram dentro das regras, mas, mediante exigências da equipe do atleta, acabaram não se concretizando.

As regras para consulta à situação de jogadores e negociações de contratações são diferentes para o Circuito Desafiante, tornando infundadas as acusações de aliciamento; cabe ressaltar que todos os atletas do Flamengo estão contratados dentro das regras vigentes no setor, com contrato de CLT e direitos de imagem, cumprindo a legislação vigente.

O Clube de Regatas do Flamengo, ao lado da Cursor, nossa parceira nesta empreitada, sempre se reporta à Riot Games antes de qualquer movimento relacionado a contratações de atletas de esportes eletrônicos. Todas as ações estão alinhadas junto à Riot com total segurança, já que estão documentadas todas as autorizações e comunicações. O clube repudia as denúncias infundadas supracitadas e irá tomar as medidas jurídicas necessárias se for preciso.”