Santo de casa não faz milagre. O ditado poderia ilustrar a carreira do argentino Darío Leonardo Conca, nascido há 33 anos em General Pacheco, na Argentina, que não vingou no seu país mas construiu uma carreira de sucesso no Chile, no Brasil e na China como um talentosíssimo meia armador, que foi campeão por onde passou.

River Plate (2002-2004)

conca-river

Conca se formou nas categorias de base do Tigre, pequeno clube argentino da Grande Buenos Aires. Em 2002, já com 18 anos, se transferiu para o sub-20 do River Plate, onde fez sua estreia como profissional no ano seguinte.

Mas em 2004, sem ser aproveitado pelo então técnico Leonardo Astrada, acabou emprestado à Universidad Católica, do Chile – adversária do Flamengo na próxima Libertadores.

Universidad Católica (2004-2005)

conca-catolica

Lá, começou a brilhar com a conquista do Clausura, um dos dois torneios nacionais chilenos em 2005, e a ida às semifinais da Copa Sul-Americana, melhor participação da Católica em torneios continentais nas duas últimas décadas. No total, marcou 13 gols em 85 partidas com a camisa da equipe chilena.

Rosario Central (2006)

conca-rosario

Em 2006, um novo empréstimo, desta vez para o Rosario Central, onde mais uma vez acabou cruzando com o técnico Astrada, que não gostava do seu futebol. Jogou apenas 13 partidas, sem marcar gols.


Vasco (2007)

conca-vasco

A chegada ao futebol brasileiro se deu no ano seguinte: em 2007, foi contratado pelo Vasco. Disputou 35 partidas pelo clube e marcou sete gols, mas acabou chamando a atenção de um rival, o Fluminense, que comprou seu passe do River Plate.

Fluminense (2008-2011)

conca-2010

Nas Laranjeiras, Conca iniciou sua melhor fase na carreira. Sempre jogando ao lado de outro meia-armador, como fará no Flamengo com Diego, levou o clube à sua primeira e única final da Libertadores e a um título brasileiro que não vinha há 26 anos. No Brasileiro de 2010, também foi eleito o melhor jogador da competição tanto no prêmio oficial da CBF quanto na prestigiosa Bola de Ouro da “Placar”, sendo o quinto e último estrangeiro a ganhar o prêmio em 46 anos de premiação. Foi o único jogador de linha da disputar todas as 38 partidas do Brasileiro de 2010, marcando nove gols e sendo o líder de assistências no campeonato.

Guangzhou Evergrande (2011-2013)

conca-evergrande

Em 2011, a primeira incursão chinesa. Foi vendido ao Guangzhou Evergrande. O salário mensal de cerca de R$ 2 milhões que recebia era na época o terceiro maior para um jogador de futebol no mundo, atrás apenas de Lionel Messi e Cristiano Ronaldo. Ele justificou o investimento levando o Guangzhou ao título chinês e da Liga de Campeões da Ásia, tornando o clube o primeiro e até hoje único time chinês a disputar o Mundial de Clubes da Fifa – voltaria na edição de 2015.

Volta ao Fluminense (2014)

Uma difícil eleição na Unimed, porém, fez com que o mecenas Celso Barros não medisse esforços para repatriar Conca para o Fluminense, e o jogador foi anunciado na penúltima rodada do Brasileiro de 2013, enquanto o Fluminense ainda corria seríssimo risco de rebaixamento – que acabaria se concretizando, mas depois seria revertido no tapetão. A segunda passagem pelo clube não teve tanto sucesso quanto a primeira – foram 59 partidas, 16 gols e nenhum título.

No início de 2015, com o rompimento do Fluminense com a Unimed, o clube não tinha mais condições de pagar o salário do jogador. Foi aí que aconteceu o primeiro namoro com o Flamengo – o argentino chegou a acertar salários com o clube, e a Unimed também queria vendê-lo, mas uma nova proposta chinesa livrou o Fluminense de ter que negociar com o maior rival.

Shanghai SIPG (2015-2016)

conca-shanghai

A nova passagem pela China, desta vez pelo Shanghai SIPG, não foi tão exitosa quanto a primeira. Conca disputou 54 partidas pelo clube e marcou 15 gols até sofrer, em agosto do ano passado, a lesão mais grave da sua carreira, um rompimento dos ligamentos do joelho que deve mantê-lo afastado dos gramados pelo menos até abril. A possibilidade de se recuperar no Centro de Excelência em Performance do Ninho do Urubu foi um dos atrativos que o fez optar vir para o Flamengo e descartar o Fluminense, que não dispõe de estrutura semelhante. O meia ficará no clube por empréstimo até dezembro.

 
O que você pensa sobre isso?


Vire Apoiador do MRN: entenda melhor clicando nesse nesse link: bit.ly/ApoiadorMRN

Outras formas de ajudar este projeto:
– Nosso site faz parte do plano de afiliados do Nação, o programa de sócio-torcedor do Flamengo. Se você clicar em bit.ly/STdoMRN e aderir ao programa, ou até mesmo renovar seu atual plano, o Mundo Rubro Negro ganha 50% da sua primeira mensalidade.