2012 não tinha começado nada bem para o Flamengo. A pré-temporada em Londrina foi conturbada. O técnico Vanderlei Luxemburgo estava cada vez mais em rota de colisão com os dirigentes do clube e com o craque Ronaldinho Gaúcho. As farpas públicas apontavam para uma rescisão improvável de não acontecer.

Demitido nos primeiros dias de fevereiro, Luxemburgo, cujo salário era de R$ 500 mil, teria, de acordo com seu contrato, que receber esse valor até dezembro do mesmo ano. Sem contar a premiação atrasada de R$ 650 mil referente à classificação para a primeira fase da Libertadores.

Antes de sair, Luxemburgo chamou a imprensa no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca e expôs as mazelas do futebol rubro-negro. Reclamou que sofreu processo de fritura incomum até mesmo para o mundo do futebol, acusou os dirigentes Michel Levy (VP de Finanças) e Luiz Augusto Veloso (VP de Futebol) de deixarem Patrícia Amorim vulnerável e de falta de pulso do departamento de futebol com os casos de indisciplina.

Dentro deste cenário, foi acertado com o empresário Léo Rabello a volta de Joel Santana, que imediatamente se desligou do Bahia e voltou para a Gávea. Aliás, agora o Flamengo estava treinando exclusivamente no Ninho do Urubu. A mudança definitiva para Vargem Grande foi um dos poucos legados positivos da Era Patrícia Amorim, com importante colaboração de Vanderlei. O salário de Joel Santana ficou acertado em R$ 300 mil e seu maior desafio foi traçado: passar pela fase de grupos da Libertadores.

Além de não passar de fase, o time comandado por Joel também naufragou no Carioca e começou pessimamente o Brasileiro. A má fase de jogadores mais identificados com a torcida, como Ibson, Leo Moura,Renato Abreu e Wagner Love parecia interminável, e o esperado anúncio de demissão do treinador foi inevitável. Jaime de Almeida assumiu por algumas rodadas até que Dorival foi contratado a peso de ouro.

Sem sair da crise na temporada, o Flamengo herdou foi uma multa de R$ 3 milhões dessa passagem de Joel Santana em 2012. E o técnico recebeu tudo em 18 parcelas de R$ 166.666,67, depositados na conta da empresa J. Santana Eventos. Após o último pagamento, o técnico moveu ação contra o Flamengo pedindo mais R$ 593.191,41, relativos a atrasos no pagamento de algumas destas parcelas, que corrigidos, segundo o processo que corre na Justiça do Estado do Rio de Janeiro, hoje seria de R$ 713.576,20. Quando citado, o Flamengo deu como garantia de pagamento o apartamento 502 no Morro da Viúva, avaliado em R$ 1.337.000,00. Joel não aceitou, ficando acertado que a garantia viria de penhoras de bilheteria, como é de costume.

Segundo apuração do MRN, o Flamengo atrasou prestações por alguns dias, sofrendo multa de 5% no valor da parcela; e em 60 dias as parcelas 3, 14 ,17 e 18 do distrato, no que decorre uma multa de 30% no valor da parcela. São estes atrasos somados que conferem o valor pedido pelo ex-treinador.

Além de Joel, Dorival Junior é outro treinador que aciona o Flamengo na justiça. Coincidentemente, foi ele que assumiu o time na dura campanha contra o rebaixamento, em 2012. Sem clube atualmente, Dorival pede cerca de R$ 11 milhões entre salários atrasados, direito de imagem, FGTS, férias, e outros direitos que não teriam sido depositados naquela passagem.

 


O Mundo Rubro Negro precisa do seu apoio para não acabar e melhorar ainda mais. Contribua mensalmente com nosso trabalho. Clique aqui: bit.ly/ApoiadorMRN