mrn infCoDe votou o pedido de Leonardo Ribeiro de revogação da pena de suspensão, pela agressão ao conselheiro Carlos Goés. O ex-Presidente do Conselho Fiscal e principal artíficie do pedido de demissão de Zico, quando de sua última passagem no clube.

 

Diogo Almeida (@DidaZico)

 

Em uma votação que discorreu em um clima de tranquilidade, a plenária do Conselho Deliberativo do Clube de Regatas do Flamengo manteve a suspensão ao sócio Leonardo Ribeiro, também chamado de Capitão Léo. A votação foi expressiva: 288 vostos a favor da suspensão, com apenas 73 conselheiros contra. Com essa decisão, Leonardo Ribeiro está bem próximo de ser eliminado do quadro de sócios do Fla.

Minutos antes do início da sessão, o Presidente do CoDe foi questionado pela reportagem do MRN sobre uma possível reunião turbulenta. – Não ocorrerá. Acredito que não. De qualquer maneira, vou presidir com mão-de-ferro. – Disse Delair Dumbrosck.

Antes da votação foi apresentado parecer da comissão instituída pelo CoDe para analisar o caso. O parecer foi amplamente favorável à Leonardo Ribeiro. Com o conselheiro Carlos Goes, o Joca, chegando a fazer gestos demonstrando contrariedade com as afirmações declaradas no relatório. O relatório apenas comprovava aos conselheiros o que muitos deles já tinham lido no MRN, que ontem publicou uma carta de Joca, onde o mesmo afirmara com veemência que a comissão não o procurara em momento algum.

ENTENDA O CASO

Em 2014, o Conselho de Administração puniu Leonardo Ribeiro. De acordo com o estatuto atual, ele se enquadrou no artigo 57:


Art. 57 – Sofrer duas penalidades de suspensão, em período de trezentos e sessenta dias, ou quatro suspensões, em qualquer tempo, observado o disposto no art. 33. Penalidade: eliminação.

A primeira fora a agressão cujo recurso de apelação ontem foi mantido. Em uma reunião, no mês de agosto de 2013, o ex-presidente da Torcida JovemFla agrediu Joca, à época com 68 anos. Ele foi enquadrado no Art. 50 do Estatuto.

A segunda punição adveio de ofensas ao ex-Vice-Presidente Luiz Eduardo Baptista, o Bap, em março de 2015, durante a eleição presidencial da FFERJ, que ficou notória pelo beija-mão do ex-presidente do Botafogo, Maurício Assumpção. Com as ofensas ele foi enquadrado no artigo 49 e 50:

Art. 49 – Veicular expressões desonrosas, por qualquer meio de comunicação, contra o Flamengo, ou os membros de seus Poderes, em campanha eleitoral, ou em razão de suas funções.

Art. 50 – Praticar ato de grave indisciplina social ou desportiva. Incorre na mesma penalidade quem usar ou envolver o nome do Flamengo em campanha de qualquer natureza, estranha aos objetivos do clube.

Portanto, ao infrigir o artigo 49 e 50 em duas oportunidades e em menos de 360 dias, ele se enquadrou no artigo 57, que pune com eliminação. A eliminação é diferente da expulsão. Diferente da última, o sócio eliminado pode voltar ao quadro social do CRF após dez anos.

O parecer da Comissão de Inquérito do Conselho de Adminstração foi desfavorável à Leonardo Ribeiro, em ambos os casos de indisciplina. Por isso, alguns sócios ficaram chocados com o parecer diametralmente oposto ao do CoFe.

SEGUNDO APELO

Capitão Léo ainda tem uma última chance. Ele pediu revogação da segunda suspensão. Delair garantiu que a Reunião será marcada para breve, de forma a não atrapalhar a corrida eleitoral. Leonardo Ribeiro é grande aliado de Gonçalo Veronese, que já lançou candidatura.

Alguns conselheiros foram ouvidos e o clima geral da ampla maioria dos Conselho é de se repetir placar parecido com o de ontem à noite.

GONÇALO VERONESE

Delair não soube dizer extamente o artigo, mas confirmou que Gonçalo Veronese também será julgado brevemente pelo CoDe.

 

COMPARTILHE ESTA POSTAGEM E AJUDE O MRN A CRESCER