mrn inf

 

Da redação

 

 

O Conselho Diretor emitiu Nota esclarecendo a situação dos Esportes Olímpicos do Flamengo. Publicada no site oficial do Mais Querido, a nota mostra o quão longe o Vice-Presidente dos EEOO’s  Alexandre Póvoa e o Diretor-Executivo Marcelo Vido estão conseguindo chegar. Sem dúvida alguma, os Esportes Olímpicos do Flamengo estãi atingindo um novo patamar. Calando a boca de críticos contumazes e jornalistas que mancham a classe, pois emitem opiniões que se mostram apenas um exercício de boataria.

Intitulada “O Dia da Independência dos Esportes Olímpicos do Clube de Regatas do Flamengo” a carta é um relatório dos prazos de sustentabilidade.

 

Leia a nota:

Dia 04/03/2015. Essa é uma data histórica para a Vice-Presidência de Esportes Olímpicos do C.R. Flamengo. Todos os esportes olímpicos subordinados a essa pasta passaram a estar autossustentáveis, com a readequação, em Brasília, do projeto de Lei de Incentivo de I.R. dos esportes coletivos rubro-negros de base, cujo financiamento de R$ 1,5 milhão já foi levantado entre várias empresas e pelas pessoas físicas do Programa Anjo da Guarda. Fim da primeira etapa de nossa missão, iniciada em janeiro/13.

 

A situação atual:

 

• Basquete Adulto: Autossustentável até julho/2015– Patrocínios Diretos, Empresa através da Lei de Incentivo de ICMS, bilheteria e cotas de jogos.

 

Lei Pelé + Escola de Esportes Sempre Flamengo + Empresas e pessoas físicas (Anjo da Guarda) através da Lei de Incentivo de I.R. e CBC (Confederação Brasileira de Clubes) – Lei Pelé.

 

Basquete de base: Autossustentável até fev/16

 

Voleibol: Autossustentável até fev/16

 

Natação: Autossustentável até fev/16

 

Ginástica Artística: Autossustentável até abr/15

 

Judô: Autossustentável até abr/15

 

Pólo Aquático: Autossustentável até fev/16

 

Nado Sincronizado: Autossustentável até fev/16

 

Futsal: Autossustentável até dez/15 – Empresas e pessoas físicas (Anjo da Guarda) através da Lei de Incentivo de I.R; em 2013, quando assumimos, o departamento de futsal estava locado no Fla-Gávea. A Vice-Presidência de Esportes Olímpicos cuidou do futsal enquanto o Departamento de Futebol de base do clube se reorganizava nos últimos dois anos. Durante o ano de 2015, haverá a transição do Departamento de Futsal, que será reincorporado à Vice-Presidência de Futebol, o seu lugar natural.

 

Além da cobertura das despesas correntes, até o final de 2015, teremos as seguintes obras entregues na Gávea (com fontes de financiamento ligadas aos Esportes Olímpicos):

 

Ginásio Hélio Maurício: Reformado (banheiros, vestiários, pintura e programação visual) – Já inaugurado – Recursos oriundos da parceria com o Comitê Olímpico dos EUA.

 

Centro de Treinamento de Força e Condicionamento dos Esportes Olímpicos: Academia dotada com os equipamentos mais modernos para os atletas olímpicos – já inaugurada; Recursos oriundos de empresas através da Lei de Incentivo de ICMS.

 

Ginásio Togo Renan Soares: Reformado (vestiários e programação visual) – a ser inaugurado – Recursos oriundos da parceria com o Comitê Olímpico dos EUA
Arena de Judô e Lutas: Depois de décadas com o mesmo espaço, teremos uma arena totalmente nova – a ser inaugurada; Recursos oriundos da parceria com o Comitê Olímpico dos EUA e da Lei Pelé (projeto já aprovado).

 

Ginásio Cláudio Coutinho: Totalmente novo e modernizado após o incêndio de 2012 – a ser inaugurado; Recursos oriundos da parceria com o Comitê Olímpico Brasileiro, Lei Pelé (projeto já aprovado) e Comitê Olímpico dos EUA.

 

Piscina Olímpica: Depois de a antiga ter sido condenada e fechada, teremos na Gávea a piscina mais moderna do mundo – a ser inaugurada; Recursos oriundos de empresas através da Lei de Incentivo de ICMS e da CBC – Lei Pelé.

 

Outras obras (a serem anunciadas) serão realizadas nos espaços esportivos do clube: Saldo de recursos da parceria com o Comitê Olímpico dos EUA.

 

Vice-Presidência de Remo: Academia de Força e Musculação munida com os equipamentos mais modernos para os nossos remadores (já inaugurada); aquisição de 21 ergômetros (já recebidos – parceria com a Associação Olímpica Britânica) e aquisição de uma flotilha de 45 barcos novos (a receber com os recursos de um projeto já aprovado da CBC – Lei Pelé).

 

Esse é apenas o começo. Recuperar a dignidade dos esportes olímpicos do C.R. Flamengo, com sua independência financeira, era o mínimo que qualquer gestor poderia almejar em um clube multiesportivo de nossa dimensão. Reafirmamos que os atletas e os profissionais não querem o favor de ninguém, apenas serem respeitados pela enorme agregação de valor que historicamente proveram ao Flamengo.

 

Começa, agora, porém, a segunda parte, não menos árdua, desse longo e espinhoso caminho. Continuar a estruturação esportiva, financeira e de marketing, que garanta que essa situação se perenize ao longo dos próximos anos, com investimentos crescentes em atletas, comissões técnicas e infraestrutura do clube.  Em outras palavras, os esportes olímpicos do C.R. Flamengo ESTÃO autossustentáveis, precisamos que esse nosso processo se consolide. Para isso, definitivamente, temos que aproveitar o ciclo olímpico, que se encerra em agosto/16, para mudar estruturalmente o panorama dos esportes olímpicos no C.R. Flamengo.

 

Em janeiro/13, os esportes olímpicos rubro-negros apresentavam receitas de R$ 2 milhões para despesas de R$ 19 milhões. Historicamente, não tínhamos acesso às leis de incentivo e a credibilidade junto a patrocinadores diretos estava bastante abalada. Nos últimos dois anos, o orçamento dos Esportes Olímpicos do C.R. Flamengo somou aproximadamente R$ 38 milhões, mas dessa vez com receitas e despesas já contratadas no mesmo patamar.

 

Porém, cabe ressaltar que essa é uma luta que está muito longe de ser vencida. Os projetos e patrocínios são fechados e vencem periodicamente. Por exemplo, ao final de abril, termina o projeto de Lei de Incentivo de I.R. do Judô e Ginástica Artística. Já temos um projeto novo aprovado em Brasília sobre o qual estamos conversando com antigos e novos patrocinadores, para não haver descontinuidade. Da mesma forma, o projeto do basquete adulto se encerra em junho e já temos que planejar o próximo ciclo.  Tudo isso em um ambiente estruturalmente sempre inóspito aos esportes olímpicos e uma economia brasileira conjunturalmente em recessão, com as empresas faturando e lucrando menos. Enfim, faz parte da vida olímpica estar sempre lutando. O Flamengo precisa continuar crescendo a cada ano em cada modalidade, através da renovação e multiplicação da base de apoio das empresas e pessoas físicas rubro-negras que financiam essa autossustentabilidade através de patrocínios diretos e incentivados.

 

O grande desafio é criar, dentro do Flamengo, uma estrutura de alta sinergia entre a área técnica dos Esportes Olímpicos, a área de marketing/comunicação e de projetos. O modelo vencedor do basquete rubro-negro, que chegou à conquista dos títulos Estadual, das Américas e do Mundial, deve ser repetido gradualmente em outros esportes, com a remontagem de equipes de ponta. Se formos persistentes e disciplinados no atual direcionamento, o Flamengo voltará a ser, a médio prazo, de forma responsável e estruturada, a maior potência olímpica desse país. Quem viver, verá.

 

Através do trabalho árduo dos nossos profissionais, comissões técnicas e atletas, escrevemos mais um capítulo lindo na nossa história. Os sacrifícios impostos, incompreendidos por muitos no começo de nossa gestão, começam a valer a pena. Dar um passo atrás para dar dois à frente. O segundo passo foi dado e agora cabe a nós tornar perene esse esforço.

 

O C.R. Flamengo – futebol, esportes olímpicos e clube social – é uma coisa só, indivisível e enorme dessa forma integrada. Viva os mais de 750 atletas nos esportes olímpicos que defendem diariamente o nosso Manto Sagrado; viva os aproximadamente 110 profissionais de direção e comissões técnicas que ajudam a planejar as nossas vitórias; e viva os mais de 2.500 alunos de nossa nova Escola de Esportes Sempre Flamengo, a nossa esperança renovada de futuro.

 

Uma vez Flamengo, Sempre Flamengo. Saudações rubro-negras,
Conselho Diretor do C.R. Flamengo

 

COMPARTILHE ESTA POSTAGEM NAS SUAS REDES SOCIAIS E AJUDE O MRN A CRESCER