CGAxq8TWoAAOeFj22

A saga continua. Com o fim do Carioca, o ano de 1979 chega com muita esperança. O gol de Rondinelli trouxe alívio e o tempo de maturação para o time, que, anos depois, conquistaria o mundo. O Capítulo 5 conta os detalhes do início da pré-temporada de 1979.

 

Planejamento

Apesar do Campeonato Carioca ter chegado ao fim, o Flamengo ainda precisava faturar. Uma semana depois da conquista do título, Coutinho mandou a campo o mesmo time que vencera o Vasco, no amistoso de entrega das faixas diante do Fluminense. Nunes abriu o marcador para os tricolores, ainda no primeiro tempo. Porém, na etapa final, o esquadrão rubro-negro mostrou que não era o melhor do Rio de Janeiro à toa. Virada de 2 a 1, com gols de Pintinho (contra) e Toninho. E tome de festa e zoação em cima dos pobres rivais.

Já planejando a temporada de 79, a Comissão Técnica reuniu-se durante a semana na Gávea para tratar de dois assuntos importantes. Primeiro, a renovação dos contratos de Zico, Júnior, Carpegiani, Adílio e do próprio técnico Cláudio Coutinho. Depois, para discutir possíveis reforços para a equipe.

Ao fim deste encontro, Coutinho surpreendeu a todos, dando a seguinte declaração: “Precisamos manter o time, renovar os contratos. Depois disso, quero um centroavante, para a reserva de Cláudio Adão, um ponta direita e um ponta esquerda. E não preciso de nada além disso”.

E o clube nem iria precisar gastar muito para satisfazer o treinador. Acontece que uma dessas posições seria resolvida com o retorno do ponteiro esquerdo Júlio César, o “Uri Geller”. O atleta havia sido emprestado ao Remo e estava de volta a Gávea. Quem também voltava de empréstimo era o volante Andrade. Além deles, O lateral direito Leandro e o volante Vítor seriam promovidos ao plantel principal.

Contra a Seleção Goiana, no Serra Dourada, mais uma vitória do Mengo, que agora contabilizava 13 partidas de invencibilidade. O placar de 2 a 1 (gols de Tita) não refletiu o domínio que time comandado por Zico exerceu sobre o oponente.

Para fechar a temporada, mais dois amistosos. O primeiro, contra a Seleção de Roraima. Goleada de 4 a 0 (Zico, três vezes e Eli Carlos). No derradeiro compromisso do ano, vitória de 2 a 0 em cima do Nacional de Manaus, com gols de Eli Carlos e Toninho.

Para completar o ano extremamente positivo, Coutinho assinou a renovação do contrato em branco, deixando a cargo do Presidente Marcio Braga lhe pagar o que achasse que ele merecia receber.

 

As férias

Enquanto os atletas descansavam, os dirigentes rubro negros ameaçavam não disputar o Campeonato Carioca. Tudo por conta de uma proposta que contava com 18 clubes e duraria oito meses. Contrário a essa fórmula, o Flamengo bateu o pé e conseguiu que se disputassem dois Campeonatos em 79. O primeiro, com 10 clubes, seria o Especial. O segundo, com 18 equipes e um formato digno de prêmio de pior da história.

Com Júlio César confirmado como titular na esquerda e impressionando muito o treinador, a diretoria tratou de correr atrás dos outros pedidos de Coutinho. Para a reserva de Cláudio Adão, chegou Luisinho das Arábias, da Portuguesa da Ilha, por 1,5 milhões de cruzeiros. Já para a ponta direita, o favorito era o argentino Mastrangelo, do Boca Juniors. Corriam por fora Gil, Manfrini, Valdomiro e Reinaldo.

Depois que o supervisor Domingos Bosco voltou de Buenos Aires sem acordo com o Hermano, o clube contratou Reinaldo, do América, por 1,8 milhões de cruzeiros, mais os passes de Renato e Merica.

Com o elenco fechado, era hora de voltar ao batente.

 

A Pré-temporada de 79

Depois dos exames médicos de praxe, os jogadores foram para Friburgo, onde ficaram por nove dias, fazendo os treinamentos iniciais. Pelo menos, isso era o que estava planejado. Entretanto, as fortes chuvas obrigaram a delegação a retornar ao Rio antes do previsto.


Satisfeito, Coutinho prometia um time ainda mais agressivo e melhor do que em 78. No primeiro coletivo do ano, vitória dos titulares sobre os reservas, por 3 a 1, com gols de Zico (2) e Cláudio Adão, contra um de Luisinho. O segundo e último coletivo antes do primeiro jogo oficial do clube na temporada foi ainda melhor. Goleada de 4 a 0 dos titulares, gols de Zico (2), Adílio e Reinaldo.

O ano pra valer começou em Friburgo, onde o Flamengo bateu o Fluminense local, por 4 a 0. Mimi (contra), Júlio César, Adílio e Zico marcaram. Dois dias depois, o time já estava em Salvador, onde sentiu o desgaste e apenas empatou com o Bahia em 1 a 1 (Cláudio Adão).

Antes de retornar ao Rio para a estréia no Campeonato especial, o Mengo ainda fez mais dois amistosos na boa terra. Em Feira de Santana, bateu o Fluminense, por 2 a 0 (Adílio e Sabino, contra). E em Itabuna, passou pela equipe local por 2 a 1 (Zico e Cláudio Adão).

A tabela do Campeonato marcava para o dia 8 de Fevereiro, no Maracanã, diante do Volta Redonda o início da caminhada rumo ao bi estadual. Para este jogo, Coutinho tinha alguns problemas. Zico, expulso diante do Vasco, no jogo do título de 78, teria que cumprir suspensão automática e estava fora do jogo. Reinaldo, tinha mais um jogo a cumprir de uma suspensão também da temporada passada. Além disso, Toninho, que ficara na Bahia resolvendo problemas particulares e Carpegiani, com dores musculares ainda eram dúvidas.

Diante desse quebra cabeça, Coutinho escalou Leandro na lateral direita, Ramírez na esquerda. Júnior foi atuar na cabeça da área, já que Andrade ainda não havia sido regularizado. Tita substituiu Zico. E, Reinaldo pode jogar devido a uma esperteza dos cartolas rubro-negros. Como o América estreou na competição enquanto o Flamengo ainda excursionava, os dirigentes deixaram para registrar seu contrato na Federação na véspera do jogo do mengo. Dessa forma, o ponteiro direito cumpriu a partida que faltava em sua suspensão ainda como jogador do América e estava apto a enfrentar o Volta Redonda.

 

 

No próximo capítulo:

Capítulo 6: O primeiro turno do Campeonato Carioca Especial de 79

Compartilhe este post!

logos11-6

 

Leia a Saga do Penta – BIOGRAFIA RUBRO-NEGRA

 


Gustavo Roman é jornalista, historiador e escritor. Autor dos livros No campo e na moralFlamengo campeão brasileiro de 1987, Sarriá 82 – O que faltou ao futebol-arte? e 150 Curiosidades das Copas do Mundo. Conhecido como um dos maiores colecionadores de gravações de jogos de futebol, publica toda quinta-feira, aqui no MRN, a série “Biografia Rubro Negra 1978-1992”, onde conta a saga do período mais vitorioso da história do clube mais querido do mundo.