AuFQv3KeNBMMwbbgc5HDXPxXlhEk9I7Om7i5h9uYaECl


Eu tenho certeza de que as pessoas não fazem a menor noção do tamanho do Flamengo e do que ele representa para os seus torcedores, no caso, a Nação Rubro-Negra.

 

No dia 25/01/2016, no Tobogã do Pacaembu, vivi mais um lindo capítulo dessa história. Não estou falando do Tri Campeonato da Copa São Paulo de Futebol Júnior e sim dos milhares de Rubro-Negros que ocuparam o Tobogã junto comigo e fizeram uma linda festa, valorizando ainda mais a conquista dos nossos meninos do Sub-20.
Como sempre faço nas arquibancadas, aproveito para conversar com os rubro-negros ao meu lado, mesmo sem nunca tê-los visto em minha vida. Hoje conversei com o João, um rubro-negro do interior da Bahia que veio pra São Paulo há 21 anos tentar a vida.

João é daqueles torcedores que foi afastado do estádio por conta da criminosa política de preços de ingressos para torcedores visitantes. No ano passado os ingressos para visitantes nos jogos do Flamengo custaram, na média, cerca de R$ 70,00. Além do preço caro há dificuldade de se comprar ingresso que na maioria das vezes param nas mãos dos cambistas, ampliando ainda mais o custo para o torcedor. João aproveitou o preço de R$ 30,00 e a disponibilidade de mais espaço para a torcida para se reencontrar com a sua paixão pessoalmente.

João é um rubro-negro que nasceu no interior da Bahia e que nunca precisou ir ao Rio de Janeiro para adotar o Flamengo como clube do coração. É o rubro-negro que está há 21 anos em São Paulo e segue como representante da Nação Rubro-Negra, mesmo aturando Neto na TV, Estádio 97 na Rádio e os colunistas regionais do Lance, do Estadão e da Folha.

João é o rubro-negro cujo maior sonho é ver o Flamengo ao vivo no Maracanã. Leiam bem, o sonho dele não é ser Campeão Mundial de novo, não é ser Campeão da Libertadores de novo. O sonho dele é simplesmente ver o Flamengo no Maracanã. Notem como os rubro-negros que moram no Rio são uns privilegiados. E notem como a paixão, o amor, o carinho do João pelo Flamengo são enormes!

João tem tão poucas chances de ver o Flamengo ao vivo, que estava aflito com o fato de ter esquecido o celular no carro e não conseguir tirar foto pra registrar o momento. Estava aflito à toa. Me prontifiquei pra tirar as fotos dele, peguei seu número e mandei pelo aplicativo de Whats App. Resolvido esse problema, acompanhamos, torcemos e vibramos juntos na decisão por Pênaltis que nos deu o Tri Campeonato. Pronto! Agora sim o dia estava completo.


A história do João é mais uma daquelas que precisa ser passada pra todos os rubro-negros. É daquelas que nos faz lembrar que somos todos rubro-negros não só por causa do Flamengo, mas também por conta de sua Nação. Logicamente, a Nação só existe por conta do Flamengo, mas o Flamengo só é o que é, por conta de sua Nação, Uma Nação de milhares de João.

Só o que escrevi já me deixou emocionado e emociona qualquer rubro-negro. Mas o que mais me emocionou foi receber a resposta do João no Whats App: “Valeu, amigo!”. E é isso mesmo. Na arquibancada somos todos amigos, somos todos iguais, somos todos rubro-negros. Sem discriminação de cor, raça, gênero, opção sexual e, principalmente, sem grau de rubronegrismo. Ninguém é mais rubro-negro que o outro. Não desvalorizem o torcedor Off-Rio. Vocês não imaginam o quão difícil deve ser pro João continuar amando o Flamengo. Um amor à distância e que o Futebol Moderno caminha para deixar mais distante ainda.

lDXzQ-JM

Foto: João no Pacaembu.

 

Saudações Rubro-Negras!

 


Julio James mora em São Paulo e é mais um Blogueiro da Nação! Twitter: @JulioJamesJJ