Além de Marcelo, Arthur Maia, Cleber Santana e Mário Sérgio, ex-jogadores do Flamengo, Caio Júnior, ex-técnico do clube, e do repórter Victorino Chermont, torcedor do clube que dará o nome à sala de imprensa do novo Ninho do Urubu, a tragédia da Chapecoense matou mais uma pessoa com fortes vínculos com o Mais Querido: o auxiliar técnico Eduardo Castro Filho, o Duca.

Duca voltou ao futebol em 2012, após estudar Educação Física, como treinador do infantil do Atlético-PR. No ano seguinte, teve a primeira experiência como auxiliar de Caio Jr., de quem era conterrâneo – os dois nasceram em Cascavel (PR). Trabalhou ainda na base do Criciúma antes de voltar a auxiliar Caio na Chapecoense.

O início de Duca no futebol, porém, foi nos anos 1990. Em 1991, o talentoso jogando ganhou uma oportunidade na base do Flamengo, onde chegou à seleção sub-17, na qual disputou um torneio formando dupla de ataque com Ronaldo Fenômeno. Uma grave lesão na coluna, porém, o obrigou a encerrar precocemente a carreira sem nunca disputar uma partida como profissional pelo clube que o revelou.

– Do juvenil do Flamengo fui emprestado ao Paraná Clube para jogar no profissional e na minha primeira semana eu arrebentei o joelho e voltei ao Flamengo para operar e recuperar. Depois, em 1997, fui emprestado ao Coritiba e tive uma lesão ainda pior. Num treinamento de finalização, houve um deslize na minha vértebra que me deixou dois anos parado e com quatro parafusos no corpo. Quando voltei eu sentia que não rendia mais o mesmo e com 24 anos eu parei. Minha família me ajudou muito, montei um comércio em Curitiba. Mas queria voltar ao futebol e com 30 anos voltei a estudar – disse ele numa entrevista ao Globoesporte.com em 2014, quando era técnico do sub-17 do Criciúma – Tem gente que nem sabe que eu joguei. Não tive uma história vitoriosa como jogador, dentro do planejei não deu certo. Lutei muito e acho que tinha condição, mas não aconteceu. Tinha talento e não deu certo. Era reconhecido pelo talento em Cascavel e nunca aconteceu, encerrei a carreira precocemente e foi algo difícil de ligar. Mas acho que consegui superar e estou contente por estar novamente no meio em que gosto.

O Flamengo homenageou Duca hoje em seu site oficial.


O que você pensa sobre isso?


Vire Apoiador do MRN: entenda melhor clicando nesse nesse link: bit.ly/ApoiadorMRN
Outras formas de ajudar este projeto:
– Nosso site faz parte do plano de afiliados do Nação, o programa de sócio-torcedor do Flamengo. Se você clicar em bit.ly/STdoMRN e aderir ao programa, ou até mesmo renovar seu atual plano, o Mundo Rubro Negro ganha 50% da sua primeira mensalidade.
– Outra boa forma de ajudar o site é efetuar compras ou mesmo pesquisas de compras através dos anúncios Adsense Google vinculados nas páginas.

Por que ajudar?
Todo o dinheiro arrecadado é usado no próprio site. Acreditamos na construção coletiva, no processo colaborativo entre leitores, apoiadores e colaboradores. Ao virar um apoiador você começa a fazer parte dessa construção coletiva também.
Nossos maiores custos atuais:
1. Transporte e alimentação em coberturas de campo;
2. Planos de telefonia e internet;
3. Custos diversos com equipamentos;
4. Impulsionamento de postagens em redes sociais.
Metas para 2017:
1. Cobertura in loco de todos os esportes em eventos na Gávea;
2. Cobertura in loco dos treinos do time profissional;
3. Compra de equipamentos de audiovisual, softwares e treinamentos;
4. Produção de reportagens e outro projetos de conteúdo em vídeo;
5. Produção de reportagens e outros projetos de conteúdo em podcasts;
6. Fortalecimento profissional das equipes MRN Informação e MRN Blogs.