Em evolução com novo técnico, Flamengo joga bem o suficiente pra vencer a primeira partida do campeonato brasileiro. Eduardo Da Silva se movimenta bem, e Gabriel decide

QUEBRA_PAG

Por: Hesley Menezes (Twitter: @_hesleymenezes)

Paulo Victor: 7 – Não teve trabalho durante o jogo, mas quando foi exigido em uma paulada que Apodi soltou de fora da área, fez uma defesa sensacional pra garantir o 1×0 do Mengão.

Luiz Antônio: 7,5 – Improvisado novamente na lateral direita, Luiz fez ótima partida nesse sábado no Maracanã. Apoiou com muita vitalidade no ataque, e quando precisou fechar bem a linha defensiva, fez com eficiência.

Wallace: 7 – Bem no combate e nos botes, o capitão rubro-negro fez boa partida. Quase abre o placar em cabeçada firme no início do jogo. Mas ainda quer ser zagueiro-armador inventando uns lançamentos da defesa pro ataque.


Samir: 7 – A dupla de zaga do Flamengo não teve lá tanto trabalho, e assim como seu parceiro, Samir também fez boa partida. Não perdeu uma dividida. No final, sentiu cãibra e pediu pra sair.

Pará: 6,5 – Jogou improvisado na esquerda e não comprometeu. Não apoiou como o titular da posição faz, mas não deu espaço algum na defesa pra qualquer tentativa de ataque da Chape.

Jonas: 7,5 – Um monstro no meio campo. É difícil passar por Jonas. E se o adversário passa, ele não desiste da jogada, e em muitas das vezes se recupera no lance. Quase fez um golaço em uma bomba que soltou de perna esquerda.

Márcio Araújo: 7 – Outro que fez boa partida no meio campo. Seu trabalho é marcar e conduzir a bola ao ataque na sua característica: passadas largas e velocidade. Em um desses lances, fez fila passando por 3 e saiu na cara de Danilo. Era só chutar e cair na graça da torcida. Seria até chamado de Messi Araújo. Mas ele não chutou e acabou se enrolando.

Canteros: 7,5 – Quando o meio funciona, não adianta… o argentino Canteros vai sempre se destacar. Começou o jogo mais adiantado, e tava sumidão no jogo. Depois recuou e seu futebol começou a aparecer. Distribuiu bem o jogo, fez o meio rodar, e sempre que possível, aparecia lá na frente dando opção de passe.

Cirino: 4,5 – Foi útil apenas na falta que resultou na expulsão do zagueiro da Chapecoense. No mais, não acertou nada. Errou passes fáceis, inventou quando não tinha que inventar, e na hora de partir pra cima se omitiu. Nesse brasileirão, a camisa do Flamengo tá pesando um pouco mais pra principal contratação do ano até o momento.

Gabriel: 8 – Vinha fazendo um campeonato brasileiro horroroso. Mas já demonstrou melhor desenvoltura e mais confiança no jogo contra o Cruzeiro. Hoje, não se omitiu e partiu pra cima da zaga da Chapecoense. Acertou e errou, mas já havia sido o melhor em campo no 1° tempo. Foi recompensado pela entrega no 2° tempo com o gol da primeira vitória do Flamengo no campeonato.

Eduardo Da Silva: 8,5 – O melhor em campo. Prendeu a zaga, abriu espaço, fez pivô. Quando a saída de bola estava complicada, era Eduardo Da Silva que vinha na defesa receber a bola. Partida fantástica do croata. Deu a mobilidade ao ataque Alecsandro nunca deu. No final do jogo, quando o árbitro inventou 5 minutos de acréscimos, Eduardo gastou pelo menos uns 4 segurando a bola na linha de fundo. É o jogador mais inteligente do time.

Paulinho: 6 – Não teve muito tempo pra mostrar muita coisa. Entrou no lugar de Gabriel apenas pra não deixar o ataque sem fôlego. No fim, ajudou a prender a bola na linha de fundo.

Frauches: 6 – Entrou na função do Jonas, que pediu pra sair por cansaço e não teve trabalho no meio campo. A Chape com um a menos já estava entregue.

Bressan: sem nota. – Entrou apenas pra dar um chutão. Normal.

Cristóvão Borges: 7,5 – Escalou o time muito bem. Luiz Antônio já tava pedindo passagem na lateral direita, e foi escalado corretamente. Improvisou Pará na esquerda corretamente, já que Pico não vive boa fase. Nas substituições, trocou apenas o 6 por meia dúzia.