0je9F6Hf

Em jogo para acelerar o coração da torcida, Flamengo e Botafogo ficaram no empate por 2 a 2, em Juiz de Fora (MG).

A partida teve dezenas de lances perigosos para as duas metas. O zagueiro botafoguense Joel Carli abriu o marcador depois de falha dupla de Juan e Paulo Victor. Alan Patrick empatou com chute certeiro. No segundo tempo, Rodrigo Lindoso marcou em rebote após PV defender o penal e, por fim, Marcelo Cirino deu números finais ao confronto.



O empate foi ruim para o Flamengo, ainda fora da zona de classificação para a próxima fase do Campeonato Carioca, em sexto. Com o gol no fim, a sensação da torcida foi de alívio. Olhando para o trabalho como um todo, a torcida demonstra muita decepção ao não conseguir vencer seus três principais rivais estaduais, que contam com elencos bem piores.

A escalação surpreende

Apesar de substituir Sheik na metade do segundo tempo contra o Vasco, na última quarta-feira (30/03), e ver o desempenho da equipe melhorar consideravelmente, não era esperado que o atacante ficasse de fora dos onze que iniciariam o jogo contra o Botafogo. A efetivação de Alan Patrick foi comemorada nas redes sociais. Na verdade, Sheik não começou jogando por causa do diagnóstico preventivo de cansaço muscular feito pelo departamento médico.

Outra festejada mudança foi a volta de Cuéllar ao time no lugar do sempre contestado Márcio Araújo.

Antes do início do jogo, Muricy explicou que as mudanças foram feitas com o intuito de igualar a diferença no meio-campo, pois o Botafogo joga com apenas um jogador de frente. Assim, Cirino seria mais um segundo atacante do que o usual ponta-direita no esquema 4-3-3 costumeiro. O  time jogaria numa formação mais próxima de um 4-4-2, esquema utilizado de forma inédita na temporada.

Início movimentado e susto

Cirino tenta jogada. Atacante chegou ao seu segundo gol consecutivo em clássicos. Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo

Cirino tenta jogada. Atacante chegou ao seu segundo gol consecutivo em clássicos. Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo

O jogo começou agitado. O Flamengo exerceu pressão nos primeiros minutos com diversos lances de bola parada, muito forte na marcação no meio campo e pressionando a saída de bola do alvinegro. O Botafogo conseguiu sair da pressão aos 10 minutos, com rápida jogada e arremate ruim de Salgueiro. No lastro dessa boa jogada, o Botafogo chegou ao escanteio que resultou em falha grotesca de Paulo Vitor e gol do argentino Carli. O relógio marcava ainda 13 minutos de jogo.

Depois da parada técnica, aos 20 minutos, o time rubro-negro tentou colocar a bola na grama e tocar com mais calma. Alan Patrick e William Arão eram os jogadores mais acionados. Ederson e Guerrero ainda buscavam seus espaços na bem postada zaga botafoguense.

Renan Fonseca tentou facilitar a vida do Flamengo ao errar um recuo, Guerrero ficou cara a cara com Jeferson. Depois de perder um gol a dois metros de Martin Silva no último clássico, o matador peruano novamente decepcionou, consagrando o selecionável goleiro adversário, que já computava, aos 24 minutos de jogo, pelo menos três boas defesas.

Aos 31 não teve jeito, Alan Patrick, a aposta de Muricy, retribuiu a confiança do treinador. Depois do cruzamento de Rodinei na direita, o meia dominou na entrada da área e acertou belo chute no ângulo superior de Jefferson, que dessa vez nada pode fazer! Jogo empatado e confiança renovada. Nas arquibancadas do Estádio Municipal Radialista Mário Heleno a torcida vermelha e preta explodia de emoção e cantava em alto e bom som o verso: “Eu sempre estarei contigo!”.

Depois do empate o jogo ficou faltoso e se arrastou até o apito do árbitro Luiz Antônio Silva Santos, após um minuto de acréscimo.

Mudança necessária e o penal

Câmbio no Flamengo para o segundo tempo. Ederson sente o tornozelo e Muricy Ramalho resolve voltar ao esquema com três atacantes com o  retorno de Emerson Sheik. A mudança não surte efeito e o time perde movimentação.

O Botafogo consegue chegar ao segundo gol através de um pênalti. Acompanhe como foi no nosso Tempo Real:

Desespero e correria

O Botafogo, pior tecnicamente, porém mais bem treinado, manteve-se tranquilo até os 30 minutos do segundo tempo. Depois do gol o Flamengo mostrou-se afobado, típico comportamento de um time em crise, questionado e com a pressão de uma sequência impressionante de maus resultados. Muricy percebeu que o novo esquema proposto para o segundo tempo não tinha surtido efeito e precisava fazer algo para mudar a partida. Alan Patrick caiu de produção, talvez sentindo ainda a falta de ritmo. A entrada de Gabriel deu correria.

A aposta era no abafa. E deu certo! Após cruzamento de Gabriel, Cirino, que anteriormente desperdiçara oportunidade de empatar ao completar fracamente um lindo e longo lançamento de Alan Patrick, dessa vez não perdoou. De cabeça, na pequena área, testou pra baixo. A bola passou por baixo do arqueiro adversário e tomou o fundo das redes. A Nação de Juiz de Fora comemorou com a esperança da virada, de olho no relógio, que marcava 35 minutos da etapa final.

Depois disso o jogo continuou na alta velocidade. O Botafogo, com brio, não deixou de atacar. Nos instantes finais o Flamengo foi mais perigoso. Depois de falta cobrada na barreira por Gabriel, o árbitro encerrou o clássico aos 49 minutos, sem conceder o escanteio.

Ficha Técnica

BOTAFOGO 2 X 2 FLAMENGO

Local : Mário Helênio, em Juiz de Fora (RJ)
Data/Hora : 2/4/2016, às 16h
Árbitro : Luis Antonio Silva dos Santos (RJ)
Auxiliares : Dibert Pedrosa (RJ) e Wagner Santos (RJ)
Cartões amarelos : Cuéllar, Juan (FLA); Renan Fonseca, Bruno Silva, Carli, Gegê e Fernandes (BOT)
Público e renda : 16.150 pagantes / R$ 811.510,00
Gols : Carli, 13’/1°T (1-0); Alan Patrick, 30’/1°T (1-1); Lindoso, 10’/2°T (2-1); Marcelo Cirino, 35’/2°T (2-2)

BOTAFOGO : Jefferson, Luis Ricardo, Carli, Renan Fonseca e Diogo Barbosa; Airton (Fernandes, 7’/1°T), Bruno Silva e Rodrigo Lindoso; Salgueiro (Neilton, 33’/2°T) e Gegê; Ribamar (Luis Henrique, 46’/2°T) – Técnico: Ricardo Gomes.

FLAMENGO : Paulo Victor; Rodinei, Wallace, Juan e Jorge; Cuéllar, Willian Arão, Alan Patrick (Gabriel, 28’/2°T) e Ederson (Emerson, intervalo); Marcelo Cirino e Guerrero (Vizeu, 46’/2°T) – Técnico: Muricy Ramalho.

Seja um #ApoiadorMRN! Ajude contribuindo com R$ 5, R$ 10 ou R$ 20 mensais e participe do nosso grupo exclusivo de WhatsApp e muito mais. Esta é a forma que nós temos de manter e planejar o nosso projeto como um todo. Se você possui um negócio ou serviço que precisa ser divulgado, temos planos de apoio a partir de R$ 50 mensais com publicidade no nosso site e redes sociais. Clique aqui e vire um #ApoiadorMRN: bit.ly/ApoiadorMRN
Participe da campanha especial de arrecadação para viabilizar a produção e edição de conteúdo no canal do MRN no YouTube. Doe qualquer quantia de forma rápida e segura!